Dissertações e Teses defendidas

Repositório de Dissertações e Teses do PPGEnf clique aqui

 

DEFESAS 2020

Mestrado

Carla Fernanda Marcelino

Título: RELAÇÃO ENTRE AMBIENTE DE TRABALHO, CLIMA DE SEGURANÇA E EVENTOS RELACIONADOS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE

Data: 17/01/2020

Resumo:

Introdução: Considera-se que há um ambiente favorável para a prática de enfermagem quando se dispõe de atributos organizacionais como autonomia na tomada de decisão, equipe e recursos adequados e boas relações entre enfermeiros e médicos. Ambientes de prática que favorecem o desenvolvimento das atividades de enfermagem e percepção positiva do clima de segurança são considerados fatores essenciais para a garantia da segurança e da qualidade do cuidado prestado ao paciente. Objetivo: Avaliar a percepção dos enfermeiros quanto às variáveis ambiente da prática profissional, intenção de permanecer no emprego, clima de segurança, e sua relação com a ocorrência de incidentes relacionados à assistência à saúde. Método: Estudo quantitativo, transversal e correlacional realizado em hospital filantrópico do Estado de São Paulo com 76 enfermeiros, que atenderam aos critérios de inclusão prestar cuidado direto ao paciente e possuir tempo de trabalho na instituição maior do que seis meses. Para a coleta de dados utilizou-se como instrumentos: ficha de caracterização pessoal e profissional e questões relacionadas ao desempenho organizacional; versão brasileira de Practice Environment Scale e do Patient Safety Climate in Healthcare Organizations. Para avaliar as relações entre as variáveis ambiente de trabalho, clima de segurança e incidentes relacionados à assistência à saúde foi realizada análise de modelagem de equação estrutural. Resultados: Enfermeiros avaliaram o ambiente de prática como favorável e o clima de segurança do paciente apresentou uma porcentagem de respostas problemáticas de 23,4%. Dentre os incidentes relacionados à assistência à saúde, quanto a frequência, a maioria relatou que nunca ou raramente aconteceram no último mês. Verificou-se correlações significantes de forte magnitude entre ambiente de prática e clima de segurança, e de magnitude moderada entre a maioria das características organizacionais do ambiente e a percepção da qualidade do cuidado. As subescalas fundamentos de enfermagem voltados para a qualidade do cuidado, adequação de equipe e recursos e participação dos enfermeiros nos assuntos hospitalares apresentaram correlações significantes de moderada intensidade com quedas, lesão por pressão e saída não planejada de dispositivos invasivos. O modelo estrutural demonstrou que o ambiente de prática foi capaz de explicar 55% do clima de segurança, 43% da qualidade do cuidado e 25% da intenção de permanecer no emprego. Conclusão: Verificou-se que ambientes de prática da enfermagem mais positivos podem influenciar na melhor percepção de clima de segurança (74%), qualidade do cuidado (65%) e melhora da intenção de permanecer no emprego (50%). O ambiente de prática foi avaliado como favorável e as dimensões do clima de segurança com percepção negativa foram reconhecimento da unidade e apoio à dedicação em relação à segurança, medo de culpabilização e punição e prestação de cuidados seguros. As características organizacionais que apresentaram relação com menor ocorrência de quedas, lesão por pressão e saída não planejada de dispositivos invasivos foram participação dos enfermeiros nos assuntos hospitalares, fundamentos de enfermagem voltados para a qualidade do cuidado e adequação de equipe e recursos. Corrobora-se que o ambiente de trabalho da enfermagem atua como preditor do clima de segurança, da qualidade do cuidado e da intenção de permanecer no emprego.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Ambiente de Instituições de Saúde; Enfermagem; Qualidade da Assistência à Saúde; Segurança do Paciente.

 

Daniel Gonçalves Campos

Título: ESTILOS DE APRENDIZAGEM DE INGRESSANTES NO CURSO DE ENFERMAGEM NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS

Data: 25/06/2020

Resumo:

Estilo de aprendizagem é um estado duradouro e estável que deriva de configurações consistentes das transições entre o indivíduo e o ambiente. Ele se relaciona com o modo pelo qual o indivíduo se integra às condições de aprendizagem, abrangendo aspectos cognitivos, afetivos, físicos e ambientais. No cenário da Enfermagem, pesquisar estilos de aprendizagem pode ter reflexos educacionais na condução do processo de ensino-aprendizagem tanto para professores quanto para estudantes, principalmente para os ingressantes. O objetivo geral deste estudo foi traçar o perfil de estilos de aprendizagem do estudante de Enfermagem em seis diferentes regiões. Trata-se de um estudo observacional, transversal, correlacional, quantitativo, com intuito de explorar relações entre diversas variáveis. Os participantes foram 143 estudantes ingressantes na graduação em Enfermagem de seis universidades, incluindo as cinco regiões do Brasil e uma universidade nos Estados Unidos. Foram coletados dados de identificação, preferências de ensino e passado acadêmico dos participantes, e o estudante preencheu a versão 3.1 do Learning Style Inventory (LSI), traduzido e validado para língua a portuguesa brasileira. A coleta de dados foi realizada pelo pesquisador principal e pelos pesquisadores assistentes, após treinamento. Os dados foram analisados de forma descritiva por meio de frequências e porcentagens (variáveis qualitativas) e medidas de tendência central e de dispersão (variáveis quantitativas). A distribuição dos dados foi avaliada por meio do teste de Shapiro-Wilk. O teste t de Student não pareado ou o teste de Mann-Whitney foram utilizados para comparações entre variáveis quantitativas e qualitativas de duas categorias. Já, para as comparações envolvendo uma variável qualitativa com mais de duas categorias, foi aplicado o modelo Anova, seguido do pós-teste de Tukey, ou o teste de Kruskal-Wallis, seguido do pós-teste de Dunn. Os coeficientes de Pearson ou Spearman foram utilizados para as correlações entre as variáveis quantitativas. Houve predominância de estudantes com estilo de aprendizagem Divergente (34,10%), enquanto 28,41% eram Assimiladores, 23,86%, Acomodadores e 13,63%, Convergentes. A pontuação média de Experiência Concreta para aqueles que estudaram em escola pública foi superior (média=26,22; p=0,0019) e apresentou diferença nas universidades brasileiras estaduais, federais e na universidade americana (p=0,0149). Os estudantes ingressantes apresentaram estilos de aprendizagem classificado como Divergente. Observou-se relação dos estilos de aprendizagem com o passado acadêmico, o tipo de instituição à qual o estudante pertence, a exposição a algumas metodologias ativas de ensino. O estudo reforça a importância de educadores e estudantes conhecerem os estilos com intuito de desenvolver equilíbrio e favorecer, assim, a aprendizagem.

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde

Descritores: Estilos de Aprendizagem; Educação em Enfermagem; Ensino; Questionários e Instrumentos.

 

 

Letícia Bianchini de Barros

Título: APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN NO FLUXO DE ATENDIMENTO DE PACIENTES EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

Data: 06/07/2020

Resumo:

Introdução: A superlotação nas unidades de emergência é uma realidade cada vez mais constante e que contribui para a falta de materiais, longas filas de espera e inadequação da estrutura física. Com isso, faz-se necessário o mapeamento e revisão dos processos de trabalho visando garantir a qualidade do atendimento prestado ao paciente, bem como o controle dos custos, desperdícios e satisfação dos profissionais e usuários. Objetivo: Analisar as atividades envolvidas no processo de admissão até a saída ou internação de pacientes classificados como azul, verde ou amarelo em uma Unidade de Emergência Referenciada. Método: Pesquisa de avaliação, com análise de processos. Várias ferramentas foram utilizadas para que essa análise pudesse ser realizada: 1) Elaboração da SIPOC junto a cinco membros pertencentes à equipe da unidade; 2) Acompanhamento de 31 pacientes, classificados como azul, verde ou amarelo pela escala de Manchester para desenho dos Mapas de Fluxo de Valor e Diagramas de Espaguete dos processos aos quais eles foram submetidos; 3) Avaliação dos desperdícios; 4) Avaliação das possíveis causas dos desperdícios por meio do Diagrama de Ishikawa; e 5) Elaboração de plano de ação para auxiliar na melhoria da unidade. Resultados: Por meio da ferramenta SIPOC o macroprocesso da unidade foi descrito pela visão dos profissionais. Na segunda etapa, 14 mapas foram elaborados, de acordo com os fluxos acompanhados, e o tempo médio de espera, processamento e interrupção foram, respectivamente: para o cadastro 5,5´, 2,8´ e 0,1´; classificação de risco 12,7´, 4,4´ e 0´; triagem médica 71,3´, 7,6´ e 0´; classificação/triagem médica 11,2´, 4,7´ e 0´; consulta médica 82,7´, 27,9´ e 17,4´; medicação/coleta 28,5´, 32,5´ e 6,2´; realização de eletrocardiograma 34,6´, 5,6´ e 0,2´; Raio X 34,6´, 5,6´ e 0,2´; Atendimento pré tomografia 91,0´, 4,5´ e 0´; tomografia 54,0´, 15,0´ e 0´ e reavaliação médica 119,8´, 8,6´ e 2,4´. O principal desperdício encontrado foi o elevado tempo de espera, que chegou a 12 horas em um dos mapas, além de uma falta de padronização dos processos. As principais causas avaliadas estiveram relacionadas à mão de obra (ausência de profissionais e elevado tempo de interrupção para consulta), meio ambiente (número insuficiente de consultórios e distância entre local de classificação de risco e unidade) e método (abertura do local de classificação de risco sem a presença de todos os profissionais necessários e retrabalho). Para tentar minimizar essas situações e colaborar com a melhoria, 16 propostas de intervenção foram sugeridas, sendo a maioria relacionada à diminuição do tempo de espera. Conclusão: As ferramentas se mostraram eficazes para analisar o processo em questão, identificar desperdícios, suas causas e propostas para implementação de intervenções que, se forem implementadas pela equipe da unidade, contribuirão para importantes melhorias na realidade dos pacientes que procuram e necessitam do serviço.

Linha de Pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Administração hospitalar; Garantia da qualidade dos cuidados de saúde; Fluxo de trabalho; Satisfação do paciente

 

Samira Martines Ciarrocchi Monteiro

Título: ÍNDICES DE ESTRESSE E QUALIDADE DO SONO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Data: 31/07/2020

Resumo:

Na sociedade contemporânea, o estresse é um problema de saúde comum, relacionado, muitas vezes, às mudanças no estilo de vida, tais como as exigências ocupacionais e à incapacidade dos indivíduos em lidar com as tensões e as emoções diárias, o que afeta também a qualidade do sono. Este estudo teve o objetivo de analisar a qualidade do sono e os índices de estresse dos profissionais de enfermagem que atuam na área de Atenção Primária à Saúde, assim como relacionar o estresse e o sono. A pesquisa configura-se como observacional, descritiva, transversal e correlacional, com amostra censitária, realizada com a equipe de enfermagem que atua nas Unidades de Saúde da Família de um município do sul de Minas Gerais, que é composta por 124 profissionais, dentre os quais se encontram enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. Aplicou-se três formulários: Ficha de identificação, Inventário de Sintomas de Stress de Lipp e Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh. Foram retratados o perfil sociodemográfico da amostra, bem como a qualidade do sono e a presença ou a ausência de estresse, assim como a fase e a predominância dos sintomas do estresse. Para as análises estatísticas prévias bivariadas, foram utilizados o coeficiente de correlação de Spearman, os testes de Mann-Whitney, Kruskal-Wallis e Qui-quadrado, finalizando com os Modelos de Regressão de Poisson múltiplos com variância robusta. Como resultado verificou-se que 60,5% dos profissionais apresentaram má qualidade do sono e 50% revelaram estresse, com grande parte na fase de resistência, assim como predominância dos sintomas psicológicos. Nas análises bivariadas, a atividade física, o uso de bebida com cafeína, o estresse, sua fase e predominância dos sintomas relacionaram com o sono. Com relação ao estresse, fatores como o tempo de trabalho na instituição, as horas de sono e a atividade física exibiram relação. Nas análises de regressão de Poisson, verificou-se relação negativa do uso da cafeína com o sono e a prática de atividade física apresentou associação com o estresse. Concluiu-se que, a maioria dos profissionais de enfermagem apresentaram má qualidade do sono e tal problema associou-se ao consumo de bebidas com cafeína, mostrando uma qualidade de sono ruim para aqueles que não as consomem. Concluiu-se também que 50% dos profissionais de enfermagem mostraram-se estressados, sem diferença estatística entre as categorias profissionais, com predominância da fase de resistência e de sintomas psicológicos e tal problema associou-se a prática de atividade física, evidenciando que os indivíduos que não praticam, mostraram maior probabilidade de apresentar estresse.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso

Descritores: Enfermagem de Atenção Primária; Pessoal de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Estresse Fisiológico; Estresse Psicológico; Sono

 

Isabela Oliveira de Almeida

Título: ACESSO AVANÇADO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CONTEXTO E DESAFIOS DE IMPLANTAÇÃO

Data: 25/08/2020

Resumo:

A Atenção Primária à Saúde, por meio da Estratégia Saúde da Família, após longo processo histórico no Brasil se consolida como o primeiro contato do usuário com a Rede de Atenção à Saúde. O modelo de Acesso Avançado se apresenta como proposta inovadora para ampliação do acesso a serviços da Atenção Primária à Saúde. A experiência brasileira com o método é recente e pouco explorada. Tomando como princípio básico “fazer o trabalho de hoje, hoje”, o modelo busca equilibrar a demanda dos pacientes com a oferta dos profissionais de saúde que fornecem o cuidado. Considerando a importância do tema para ampliação do acesso na saúde brasileira, o objetivo central do estudo é analisar o contexto de implantação do método de Acesso Avançado em uma Unidade de Saúde da Família piloto, destacando os desafios e potencialidades de sua implantação. Pesquisa de abordagem qualitativa, em que as técnicas de observação participante e entrevistas semi-estruturadas foram empregadas para coleta de dados relativos ao processo de trabalho da equipe de multiprofissional de saúde da família. Além disso, uma revisão integrativa da literatura foi desenvolvida para aprofundamento científico sobre as experiências do modelo no Brasil e no mundo. Os resultados foram apresentados na forma de artigos. No artigo 1,dos 8 estudos selecionados na revisão,seis foram agrupados em duas categorias de análise: “A experiência canadense com o Acesso Avançado: um modelo em consolidação”; e “A experiência brasileira com o Acesso Avançado: experimentações locais”. O modelo se destacou nos estudos como mais promissor para a Atenção Primária à Saúde, ao equilibrar capacidade e demanda, com estrutura física e equipe adequadas, tanto no cenário internacional, como nas experiências brasileiras. No artigo 2, a análise hermenêutica-dialética aplicada a estudos da saúde possibilitou a descrição e compreensão crítica da implantação do método de Acesso Avançado, evidenciando o processo histórico e dialético experienciado pela equipe. Os resultados apontam para contradições na implantação, que por um lado significa satisfação e maior resolutividade dos problemas, por outro indica comprometimento da longitudinalidade e integralidade do cuidado, fundamentais para a Atenção Primária à Saúde. Conclui-se dos dois artigos que estudos que detalham o Acesso Avançado em sua prática, bem como os desafios e necessidades, podem instrumentalizar outras unidades a estudá-lo e considerar sua implantação caso seja adequado para seu contexto, visando melhorar a saúde e cuidado de sua população.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Enfermagem; Equipe de Enfermagem; Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Acesso aos Serviços de Saúde; Fluxo de Trabalho

 

Pollyana Folador

Título: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO ONLINE SOBRE ESCUTA EMPÁTICA PARA ENFERMEIROS QUE ATUAM NO CUIDADO A PUÉRPERAS

Data: 09/09/2020

Resumo:

Introdução: Os enfermeiros prestam cuidados às mulheres ao longo do seu ciclo reprodutivo, especialmente durante o pós-parto, fase em que oito em cada 10 mulheres desenvolvem sintomas depressivos e ansiosos. A Escuta Empática é uma intervenção que fornece meios para o enfermeiro identificar e manejar esses casos. No entanto, para que implementem essa intervenção, é necessário instrumentalizá-los. Objetivo: Desenvolver e avaliar um curso online sobre Escuta Empática para enfermeiros que atuam no cuidado de mulheres no pós-parto. Método: Trata-se de uma pesquisa metodológica de produção tecnológica aplicada à saúde. O curso online foi desenvolvido com base no modelo ADDIE (Analysis-Design-Development-Implementation-Evaluation ou Análise-Design-Desenvolvimento-Implementação-Avaliação), um modelo de design instrucional cíclico amplamente utilizado para a construção de ferramentas de ensino baseadas na Web, que podem ser disponibilizadas na plataforma Moodle. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sob Parecer n. 3.333.283/2019. O curso foi submetido à validação de conteúdo junto a um comitê especialistas da área de saúde materno-infantil utilizando-se Índice de Validade de Conteúdo (IVC) e Grupo Focal. O IVC deveria ser maior ou igual 0,80. Posteriormente, foi avaliada a qualidade do curso por meio do Instrumento para Avaliação da Qualidade de Objetos de Aprendizagem na perspectiva dos usuários, versão 5.0, composto por indicadores que avaliam a qualidade dos recursos de vídeo, áudio e software, com escore final de 0 a 1,00, no qual escores abaixo de 0,59 representam ausência de qualidade e valores iguais ou maiores a 0,60 representam algum nível de qualidade. Os objetos de aprendizagem foram avaliados pelos especialistas da área materno infantil com acréscimo de especialistas em Tecnologia da Informação (TI). Foram realizadas análises descritivas dos dados. Resultados: O conteúdo foi validado por 12 especialistas, sendo o IVC superior a 0.80 em todos itens analisados. O grupo focal contou com a participação de 10 desses especialistas e subsidiou ajustes no conteúdo final, com consenso dos participantes. Após essa etapa, o conteúdo validado foi inserido na Plataforma Moodle em formato de curso com carga horária de 30 horas, organizado em cinco seções: Apresentação; Pré-teste; Unidade 1 – Introdução ao adoecimento psíquico decorrente do puerpério; Unidade 2 – Intervenção Escuta Empática e Pós-teste. Em seguida, 9 especialistas de saúde materno infantil e 3 de TI navegaram pelo curso e realizaram a avaliação dos objetos de aprendizagem, o que obteve escore total de 0.94 (DP 0.04), sendo considerado um curso de boa qualidade. Conclusão: O modelo de design instrucional ADDIE, aliado ao referencial pedagógico utilizado, possibilitou desenvolver o “Curso online de escuta empática para enfermeiros que atuam no cuidado a puérperas” de forma estruturada e concisa, considerando as vivências e conhecimentos prévios dos enfermeiros. O conteúdo foi validado e o curso foi avaliado como de boa qualidade.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar Em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente

Descritores: Educação Continuada em Enfermagem; Educação a Distância; Informática em Enfermagem; Depressão Pós-parto; Período Pós-parto

 

Natanaellyn Eydiane da Silva Begnami

Título: VALIDAÇÃO DA INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM CONTROLE DA DOR EM PACIENTES EM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

Data: 18/09/2020

Resumo:

As doenças cardiovasculares representam alta morbimortalidade e a conduta terapêutica frente a elas pode ser clínica ou cirúrgica. Quando exposto à abordagem anestésico-cirúrgica, o paciente pode apresentar respostas humanas diversas, estando o diagnóstico de enfermagem Dor Aguda (00132) presente em 59,1%. O enfermeiro desempenha papel fundamental na garantia da qualidade da assistência, inclusive no manejo da dor. O Processo de Enfermagem, instrumento de gestão da assistência, direciona a tomada de decisões acuradas acerca dos fenômenos identificados frente às necessidades de cuidados dos pacientes (diagnósticos), dos cuidados que se quer alcançar (resultados) e dos cuidados (intervenções) para atender àquelas necessidades. Assim, os sistemas de classificação de enfermagem proporcionam uma linguagem padronizada para o cuidado. Objetivou-se com este estudo determinar as medidas de acurácia das atividades da intervenção de enfermagem Controle da Dor (1400) em pacientes com diagnóstico de enfermagem Dor Aguda (00132) no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Estudo quantitavo longitudinal, realizado em três etapas: revisão integrativa da literatura, análise de conteúdo e validação clínica. Por meio da revisão da literatura identificou-se cinco atividades e todas constavam na intervenção de enfermagem em estudo. Durante a análise de conteúdo, realizada por meio de técnica de grupo focal, foram validadas dezessete atividades consideradas relevantes para a referida população. A validação clínica, realizada em um hospital universitário, na unidade coronariana, unidade de terapia intensiva pós-operatória e unidade de cardiologia. Foi realizada do terceiro dia de pós-operatório até o desfecho. Foram coletados os dados de toda a população acessível durante quatro meses, por meio de inferência diagnóstica, aplicação da referida intervenção de enfermagem e avaliação. A análise estatística se deu por meio das medidas de sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo. As Atividades de Enfermagem validadas foram: fazer uma avaliação abrangente da dor para incluir a localização, características, início/duração, frequência, qualidade, intensidade ou severidade da dor e fatores precipitantes; assegurar cuidados analgésicos para o paciente; explorar com o paciente os fatores que melhoram/pioram a dor; fornecer informações sobre a dor, como causas da dor, tempo de duração e desconforto esperado relacionado a procedimentos; orientar sobre os princípios de manejo da dor; orientar sobre o uso de técnicas não farmacológicas (p. ex., biofeedback, TENS, hipnose, relaxamento, pensamento orientado, musicoterapia, distração, terapias com jogos, atividades, acupressão, aplicação de calor/frio, massagens) antes, depois e, se possível, durante atividades dolorosas; antes que a dor ocorra ou aumente e juntamente com outras medidas de alívio da dor; proporcionar o alívio ideal da dor do paciente com o uso dos analgésicos prescritos. O grupo validado foi o indicador do resultado de enfermagem “Controle da Dor” (1605): Reconhece o início da dor. Além das contribuições para o refinamento da intervenção de enfermagem Controle da Dor (1400), esse trabalho estimulará a ampliação de estudos na área de validação de intervenções de enfermagem e proporcionará mais visibilidade na utilização do processo de enfermagem na prática clínica do cuidado.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso

Descritores: Processo de Enfermagem; Terminologia Padronizada em Enfermagem; Estudos de Validação; Dor Aguda; Cardiopatias; Cirurgia Torácica

 

Bruna Valentina Zuchatti

Título: VALIDAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM FADIGA EM MULHERES NO PÓS-PARTO IMEDIATO

Data: 22/09/2020

Resumo:

O puerpério é um período no qual a mulher passa por grandes transformações e mudanças que podem causar prejuízos e desconfortos. Deve-se ressaltar que, nesse período, são identificados fenômenos que frequentemente ocorrem e podem tornar um agravo para o estado de saúde da mulher, como a Fadiga, podendo interferir negativamente nessa experiência. Objetivo: Determinar as medidas de acurácia das características definidoras e fatores relacionados do Diagnóstico de Enfermagem (DE) Fadiga (0093) em mulheres no período pós-parto imediato hospitalar, por meio da validação clínica. Método: Trata-se de um estudo metodológico de acurácia diagnóstica para a validação do DE (0093) em mulheres no período pós parto que seguiu três etapas: primeira, a revisão integrativa (RI) de literatura que subsidiou a elaboração das definições conceituais (DC) e operacionais (DO) das características definidoras (CD) e fatores relacionados (FR) do referido DE; a segunda etapa, análise do conteúdo das CD e dos FR por especialistas em sessão de grupo focal e a terceira, foi a validação clínica, para determinar as medidas de acurácia das CD e FR. Resultado: A RI identificou 13 artigos que subsidiaram as construções das definições, no entanto, por não terem sido suficiente, foi necessário o uso da literatura cinzenta. Na análise de conteúdo por Grupo Focal foi aplicado o índice de validação de conteúdo (IVC) inicial e final que validou todas as CD e FR. Nas medidas de acurácia, a única CD do DE Fadiga (0093) em mulheres no período pós-parto hospitalar da taxonomia da NANDA-I validada foi “cansaço” que obteve as maiores medidas. Ressalta-se que essa etapa possibilitou a introdução de uma CD adicional, a “dor”, indicador clínico referido pela população e que apresentou maiores valores estatísticos de medidas de acurácia, sendo também validada. Sobre os FR, “privação de sono” foi o único fator contribuinte validado por obter altos valores, além disso, esse estudo possibilitou a sugestão da adição da CD dor, como um indicador clínico relevante para esta população. Um outro ponto, seriam a retirada das CD “padrão de sono não restaurador” e “aumento da necessidade de descanso”, pois são indicadores que levam ao cansaço, ou seja, essas CD estão implícitas na CD “Cansaço”. Já em relação aos FR as sugestões seria a retirada da “ansiedade”, nessa população, por se caracterizar um DE e não um fator contribuinte e a “depressão” que pode ser considerada uma condição associada. Sugere-se, também a inclusão de um novo DE “Fadiga Materna” na taxonomia da NANDA-I. Conclusão: Esse estudo subsidia a prática clínica do enfermeiro, uma vez que possibilita o refinamento do Diagnóstico de Enfermagem Fadiga (0093) em mulheres em pós-parto hospitalar imediato.

Linha de pesquisa: PROCESSO DE CUIDAR EM SAÚDE E ENFERMAGEM NO ADULTO E IDOSO

Descritores: Fadiga; Diagnóstico de Enfermagem; Processo de Enfermagem; Período Pós-Parto; Estudo de Validação

 

Murielle Badin

Título: FORMAÇÃO TÉCNICA EM ENFERMAGEM E OS PRINCÍPIOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Data: 19/10/2020

Resumo:

INTRODUÇÃO: o objeto de investigação desta pesquisa é a formação técnica de enfermagem e sua relação com os princípios do Sistema Único de Saúde. A educação é concebida, neste estudo, como processo de trabalho desenvolvido pelo homem, sendo influenciado e determinado por fatores sociais e políticos, por isso, foi realizada retrospectiva histórica sobre a formação técnica de enfermagem, bem como do surgimento do SUS. OBJETIVOS: analisar o processo ensino-aprendizagem na formação do técnico de enfermagem em relação aos princípios do SUS em uma instituição pública de ensino da região metropolitana de Campinas; identificar como as professoras e a coordenadora da instituição percebem a formação técnica em enfermagem para os princípios do SUS; investigar como egressos do curso técnico de enfermagem percebem a formação para os princípios do SUS; e avaliar a aderência do planejamento e do projeto político pedagógico (PPP) da instituição em relação aos requerimentos do ensino técnico de enfermagem na perspectiva do SUS. REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO: trata-se de um estudo de natureza qualitativa e histórico-social. Foi empregada a análise documental. Os dados obtidos foram interpretados segundo a Teoria da Análise de Conteúdo, modalidade temática para analisar os relatos obtidos através de entrevistas semiestruturadas com 12 egressos do curso técnico de enfermagem e 11 docentes. RESULTADOS: os dados analisados revelaram as contradições e as semelhanças dos depoimentos de docentes e egressos, que permitiram a construção de uma trajetória dividida em duas categorias: prática pedagógica e processo educativo, com suas respectivas unidades de registro, permitindo compreender, pela fala dos entrevistados, o delineamento dessas categorias na formação do técnico de enfermagem. CONCLUSÃO: os grupos e a instituição analisados permitiram identificar como se dá a percepção sobre a formação técnica de enfermagem e os princípios do SUS, permitindo alcançar os objetivos deste estudo. Com a análise do PPP da instituição e do plano de curso técnico de enfermagem, pode-se concluir que há baixa aderência ao que é preconizado como formação técnica na perspectiva do SUS. Pela relevância do tema, o estudo contribui para o fortalecimento do SUS e para o aperfeiçoamento da formação técnica de enfermagem segundo os princípios desse sistema.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Educação em Enfermagem; Educação Técnica em Enfermagem; Educação Profissionalizante; Sistema Único de Saúde

 

Elke Sandra Alves

Título: ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E VALIDAÇÃO DA FALLS ASSESSMENT TOOL - THE HUMPTY DUMPTY SCALE PARA A CULTURA BRASILEIRA

Data: 26/10/2020

Resumo:

Nas últimas décadas, pesquisas vêm sendo realizadas na área da saúde, no que se refere a qualidade e segurança na assistência, entretanto, os pacientes ainda estão expostos a muitos riscos e danos quando submetidos aos cuidados assistenciais. No Brasil, a análise das notificações recebidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, em boletim 2014-2019, permitiu avaliar que foram notificados 292.449 eventos relacionados à assistência à saúde, no ambiente hospitalar. Nas unidades de internação não críticas, foram registrados 152.361 incidentes e nas críticas como nas Unidades de Terapia Intensiva adulto, pediátrica e neonatal, foram 84.218 notificações. A queda foi responsável por 34.408 notificações e 86 mortes e, por isso, é um dos eventos adversos mais temidos durante a prestação do cuidado, devido as potenciais repercussões clínicas que podem acometer os pacientes. Considerando que: o risco de queda se estabelece em todos os ambientes de assistência à saúde, especialmente em setores pediátricos; que a queda é um evento potencialmente evitável e que não existe, na cultura brasileira, instrumento para avaliar o risco de queda em pediatria, o objetivo do presente estudo foi disponibilizar a Falls Assessment Tool - The Humpty Dumpty Scale para a cultura brasileira e testar suas propriedades de medida. O estudo, metodológico, foi realizado em duas etapas: na primeira foi realizada a tradução e adaptação do instrumento para a cultura brasileira e na segunda etapa, o instrumento adaptado foi aplicado em 103 crianças/adolescentes, internados nas unidades pediátricas de um hospital universitário do interior do estado de São Paulo. A equivalência foi avaliada por meio do Coeficiente de Correlação Intraclasse (ICC) e Kappa. A validade de conteúdo foi avaliada pelo Índice de Validade de Conteúdo (IVC). A validade de construto convergente foi avaliada por meio do Coeficiente de Correlação de Spearman entre a versão brasileira da ferramenta de avaliação de risco de queda e os domínios do Instrumento de Classificação de Pacientes Pediátricos (ICPP). E as análises dos efeitos teto e chão da versão brasileira HDFS. Resultados: As etapas de tradução, síntese e retro-tradução foram realizadas sem dificuldades. Na composição do grupo de especialistas participaram 12 experts, com poucas alterações o que assegurou as equivalências semânticas/idiomáticas, conceitual, cultural bem como clareza e relevância dos itens do instrumento. No pré-teste, participaram 30 enfermeiros, que fizeram reformulações simples, porém somente após avaliação da autora do instrumento original, obteve-se a versão final do instrumento adaptado. A confiabilidade foi analisada por meio da equivalência, cujo o Coeficiente de Correlação Intraclasse foi de 0,93 e o Kappa obtido foi de 0,80. As correlações entre o instrumento de avaliação de risco de queda e os domínios do instrumento de classificação de pacientes foram: domínio Paciente (r=0,5184; p<0,0001), domínio Procedimentos Terapêuticos (r=0,2143; p<0,0332) e domínio Família (r=0,0676; p=0,5060). Conclusão: O processo de adaptação transcultural e validação da Ferramenta de Avaliação de Risco de Quedas - Escala Humpty Dumpty foi considerado satisfatório para avaliar o risco de queda em pacientes pediátricos, na cultura brasileira.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Tradução; Estudos de Validação; Acidentes por Queda; Criança Hospitalizada; Enfermagem Pediátrica; Segurança do Paciente

 

Júlia Rudzinski Roveri

Título: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DE CUIDADOS: A EXPERIÊNCIA DA FAMÍLIA DO ADOLESCENTE/ADULTO JOVEM COM DOENÇA RENAL CRÔNICA

Data: 11/12/2020

Resumo:

A transição de cuidados da pediatria para o serviço adulto de adolescentes com condições crônicas é um processo intencional e planejado, com a finalidade de promover a continuidade dos cuidados de saúde de forma estruturada. A literatura traz evidências de que a transição mal sucedida pode levar a piora clínica na saúde do adolescente, pois pode haver descontinuidade do tratamento e abandono do acompanhamento clínico. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi compreender a experiência da família de adolescente e/ou adulto jovem com doença renal crônica no processo de transição de cuidados de um serviço pediátrico para um serviço adulto. no processo de transição de cuidados de um serviço pediátrico para um serviço adulto. Trata-se de um estudo qualitativo, fundamentado nos pressupostos da Teoria fundamentada nos dados e no referencial teórico do Interacionismo Simbólico. Foram entrevistados sete adolescentes diagnosticados com doença renal crônica, e sete familiares de adolescentes com doença renal crônica, em processo de transição do cuidado pediátrico para o cuidado adulto, acompanhados no Centro Integrado de Nefrologia de um hospital público de ensino, localizado no interior do estado de São Paulo. Os participantes foram convidados a participar de entrevistas semiestruturadas. Posteriormente, os discursos gravados em áudio digital foram transcritos na íntegra e analisados conforme previsto pela Teoria Fundamentada nos dados. Após análise dos dados, emergiram duas categorias: Desbravando o desconhecido e Enfrentando uma nova fase. O processo de transição do cuidado pediátrico para o adulto foi visto pelos participantes como sendo um momento permeado por medo e incertezas em relação ao desconhecido. Além disso, a necessidade do adolescente em se envolver e se responsabilizar pelo seu tratamento foi considerada o principal desafio durante a nova fase que se inicia na vida dos envolvidos. Frente ao exposto, os resultados mostram a necessidade dos profissionais de saúde refletirem a respeito do modo como está sendo estruturada e realizada a transição de cuidados dos adolescentes com doença renal crônica, levando em consideração a importância da comunicação entre as equipes de cuidados, adolescentes e suas famílias. Outrossim, é imprescindível que o profissional reconheça a importância de preparar e encorajar o adolescente para o autocuidado, a fim de que ele se torne o principal protagonista dos seus cuidados em saúde.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente

Descritores: Insuficiência Renal Crônica; Doença Crônica; Transição para Assistência do Adulto; Adolescente; Adulto Jovem

 

Karina Gomes Moreira

Título: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO ÁCIDO PIPERONÍLICO NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS EM CAMUNDONGOS

Data: 16/12/2020

Resumo:

O Fator de Crescimento Epidérmico (EGF) estimula o crescimento, proliferação e sobrevivência de células em diversos tecidos. Foi recentemente descrito na literatura que o ácido piperonílico, molécula presente na pimenta negra (Piper nigrum L) e na pimenta longa (Piper longum L), é capaz de ativar o Receptor do Fator de Crescimento Epidermal (EGFR) e assim desencadear uma cascata de sinalização intracelular levando a transcrição de genes responsáveis pela proliferação e sobrevivência celular, principalmente em queratinócitos. Os queratinócitos são células fundamentais na manutenção da homeostase cutânea e na barreira epidérmica e os primeiros a serem lesionados no caso de feridas. Portanto, nossa hipótese é que o ácido piperonílico é capaz de melhorar o processo de cicatrização de feridas cutâneas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do tratamento tópico com ácido piperonílico na cicatrização de feridas em modelo animal. Trata-se de um estudo experimental em camundongos C57BL6/J machos submetidos a feridas cutâneas dorsais provocadas por um punch de 6mm e tratadas topicamente com ácido piperonílico ou veículo. As feridas foram avaliadas macro e microscopicamente e foram coletadas amostras de tecido para imunofluorescência e PCR em tempo real, nos dias 6, 9, 12 e 19 pôs lesão. Para análise estatística de amostras independentes foi utilizado o teste t de Student e para mais de duas variáveis ANOVA. O nível de significância para rejeição da hipótese de nulidade foi de 5% (p<0,05) e os resultados foram apresentados em média e desvio padrão da média. Os resultados deste estudo mostram que o tratamento tópico de feridas com o ácido piperonílico levou ao aumento da velocidade de cicatrização a partir do dia 6 pós lesão, até o fechamento. Esse estudo sugere que esse fenômeno ocorreu por meio da ativação do receptor do fator de crescimento epidermal e modulação da expressão de queratinócitos. Ademais, o ácido piperonílico foi capaz de modular a expressão gênica de proteínas como IL-6, IL-1β, TNF-α, IL-10 e MCP-1, importantes para o processo de cicatrização. E no dia 19 pós lesão, o novo tecido formado apresentou maior deposição de colágeno do tipo I e morfologia mais próxima da pele intacta, com maior presença de papilas dérmicas e folículos pilosos. Podemos concluir que o ácido piperonílico pode ser uma opção viável para o tratamento de feridas cutâneas. Novos trabalhos necessitam ser realizados em outros modelos de feridas para corroborar com os resultados encontrados nesse estudo.

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde

Descritores: cicatrização de feridas; crescimento celular; sobrevivência celular; inflamação

Doutorado

 

Uiara Aline de Oliveira Kaizer

Título: VALIDAÇÃO LINGUÍSTICA E ANÁLISE FATORIAL DA VERSÃO BRASILEIRA DO “DIABETIC FOOT ULCER SCALE SHORT FORM (DFS-SF)

Data: 06/07/2020

Resumo:

A ulceração em extremidades tem sido compreendida como a complicação mais frequente em pessoas com diabetes mellitus (DM), representa um grave problema de saúde, que interfere nos âmbitos social e econômico do cenário mundial. Há evidências de que a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS), por sua vez, se agrava conforme a pessoa apresenta maiores complicações nos pés. Ela pode ser avaliada por meio de instrumentos de medida, os quais são escassos na população brasileira. Dentre aqueles disponíveis na literatura estrangeira, destaca-se o Diabetic Foot Ulcer Scale (DFS), por sua aplicabilidade, aceitabilidade e satisfatórias evidências de propriedades de medida em países distintos. Assim, este estudo teve como objetivo disponibilizar para a comunidade científica brasileira o instrumento Diabetic Foot Ulcer Scale - Short Form (DFS-SF) e avaliar suas propriedades de medida. Tratou-se de estudo metodológico, composto por etapas de: 1) validação linguística, conduzida com base em diretrizes da literatura internacional: tradução, retrotradução, avaliação pelo comitê de especialistas e pré-testagem junto aos pacientes alvo; e 2) avaliação de suas propriedades de medida, por meio de avaliação da confiabilidade, aceitabilidade, praticabilidade, efeito teto e chão, responsividade e validade de construto estrutural. O estudo foi realizado em Ambulatório de Pé Diabético, localizado em uma cidade do interior do estado de São Paulo. Foram incluídas pessoas com DM, em seguimento no referido serviço. Participaram do estudo 290 pessoas com pé diabético em seguimento ambulatorial regular. A confiabilidade foi avaliada pela consistência interna, utilizando-se o coeficiente alfa de Cronbach e pela confiabilidade composta. Os efeitos teto e chão foram avaliados por meio da percentagem de participantes que pontuaram os 15% piores (chão) e 15% melhores (teto) possíveis resultados da escala. A validade foi testada por meio da correlação dos valores do instrumento com os dos domínios da versão brasileira do Short Form Health Survey (SF-36). A responsividade (n=34) foi acessada por meio da área da ferida obtida por fotografia e avaliada pelo programa Image J Features e pelo escore do DFS-SF em dois momentos, com um intervalo de quatro semanas entre eles. O instrumento apresentou boas evidências de confiabilidade, demonstrados por meio de consistência interna adequada (alfa de Cronbach nos domínios > 0.70) e confiabilidade composta (0.84 > CC > 0.92); e de validade convergente, por meio de correlações significantes positivas de moderada a forte magnitude com o SF-36. A validade de construto estrutural foi examinada pela aplicação da análise fatorial confirmatória do DFS-SF, que demonstrou que a versão brasileira do instrumento está adequadamente ajustada à estrutura dimensional do original. A análise de efeito teto e chão evidenciou que não houve efeitos teto ou chão. A responsividade foi observada na área da ferida, mas não nos escores do DFS-SF nos tempos. A versão brasileira do DFS-SF demonstrou evidências de validade e confiabilidade, sugerindo que este instrumento é uma ferramenta com evidências de validade para avaliar a qualidade de vida de pessoas com pé diabético na população brasileira.

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde

Descritores: Enfermagem; Diabetes Mellitus; Questionários, Qualidade de Vida; Estudos de Validação

 

Eliana Fátima de Almeida Nascimento

Título: CARACTERÍSTICAS DO SONO E QUALIDADE DE VIDA DE ADULTOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

Data: 14/07/2020

Resumo:

Conforme as pessoas envelhecem, ocorrem mudanças organizacionais no sono que alteram a sua distribuição circadiana durante as 24 horas do dia. Como o enfrentamento da longevidade é uma experiência vital e singular, é importante compreender as alterações do processo de envelhecimento que comprometem de maneira significativa a qualidade de vida. O objetivo foi analisar a qualidade do sono, a qualidade de vida e a prática de exercícios físicos em adultos segundo a faixa etária. Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal e comparativa. Participaram 300 sujeitos com idade variando entre 50 e 87 anos. Utilizou-se um questionário para informações sociodemográficas e de saúde, o Pittsburgh Sleep Quality Index, o Questionário de Escala de Sonolência de Epworth, o Questionário Internacional de Atividade Física, e o de qualidade de vida (QV), o WHOQOL-bref. Foram aplicados os testes t de Student não pareado e o teste de Mann-Whitney, de acordo com a distribuição dos dados. Para verificar a associação entre esses grupos com relação à qualidade do sono e às demais variáveis, aplicaram-se os testes Qui-quadrado e exato de Fisher. Para verificar se houve correlação entre os scores e as demais variáveis scores quantitativas, foram calculados os coeficientes de correlação de Pearson e Spearman. Aplicou-se a correção de Bonferroni e avaliou-se a confiabilidade dos instrumentos por meio do cálculo de Alfa de Cronbach. A média de idade foi de 63,78(DP=7,72); 76,33% eram do sexo feminino e 23,67%, do sexo masculino, de etnia branca, com nível superior, aposentados que não trabalhavam e com renda familiar de mais de cinco salários. A maioria faz uso de medicamentos para doenças autorrelatadas (hipertensão/cardiopatia e diabetes) e realizam atividades físicas. Quanto à QV, os domínios físicos (70,80) e psicológico (70,55) foram os que apresentaram os maiores escores. Quanto a qualidade do sono segundo o PSQI-BR, 51,70% apontaram má qualidade. Relacionado a QV e sono, o domínio que mostrou diferença significante foi o meio ambiente, dentre aqueles com menos de 60 anos, em comparação com os que estavam na faixa etária de 60 a 69 anos e com mais de 70 anos. A prática de atividade física e a faixa etária apresentaram significância no domínio meio ambiente, para os com mais de 70 anos a significância foi no domínio psicológico e meio ambiente. Em relação aos participantes com má qualidade do sono e à QV, os praticantes de atividade física foram em maior número, e os domínios físico e psicológico foram os que apresentaram significância. A sonolência teve correlação com os domínios físico e de meio ambiente, e entre os indivíduos com boa e má qualidade de sono.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Sono; Qualidade de vida; Atividade física

 

Luciana Palácio Fernandes Cabeça

Título: MODOS-DE-SER DE FAMILIARES DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA DIANTE DA COMUNICAÇÃO DE NOTÍCIAS DIFÍCEIS

Data: 20/08/2020

Resumo:

A hospitalização da criança em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica é um momento difícil para a família, que pode experimentar sensações de incerteza quanto ao presente e ao futuro, despertando sentimentos profundos que envolvem perspectivas de vida ao ser abordada pelos profissionais de saúde com informações de notícias difíceis. Cada família tem suas particularidades, trazem consigo histórias, crenças e cultura, podendo apresentar-se de diferentes modos diante desses anúncios. Esse processo não diz respeito somente ao momento em que se relata a real situação da criança, mas envolve o depois, o como o familiar se organiza em função dessa notícia. O objetivo deste estudo foi compreender os modos-de-ser de familiares de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica diante da comunicação de notícias difíceis. Trata-se de um estudo fenomenológico, fundamentado na Fenomenologia Existencial de Martin Heidegger, realizado com 15 familiares de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica de um hospital público, de ensino, no interior do estado de São Paulo. As entrevistas foram norteadas pelas questões: Durante a hospitalização do seu filho(a) (outro grau de parentesco) na Unidade de Terapia Intensiva, você já vivenciou uma notícia que considerou difícil? Conte-me o que aconteceu com você/sua família depois dessa notícia. A compreensão dos discursos se deu por meio das descrições das experiências vividas - análise da estrutura do fenômeno situado, sendo possível apreender algumas facetas dos modos-de-ser dos familiares diante das notícias difíceis, emergindo quatro categorias: Sendo lançado no susto da possibilidade de morte: o familiar temendo o não-ser da criança; Existindo em um mundo inautêntico: o familiar vislumbrando a essência da técnica; Buscando adaptar-se a nova realidade: o familiar sendo-com-os-outros e Vivendo a temporalidade imprópria: o familiar fugindo da esperança ontológica. O familiar, ao vivenciar situações imprevisíveis, diante das notícias difíceis, é lançado à facticidade na qual não possui controle e que não lhe foi propiciada a possibilidade de escolha. A cada notícia difícil anunciada há um desvelamento de um novo sentido no mundo vida. Frente às incertezas, revelam singulares modos-de-ser, com reações emocionais intensas, permeadas por sentimentos como choque e desespero, além do medo diante da possibilidade de morte da criança. Nesse processo, o familiar revela-se na incompreensão das informações, associado ao estado emocional e à complexidade da mensagem anunciada, existindo em um mundo inautêntico, envolvido por um turbilhão de informações, deixando de perceber, a princípio, seu próprio ser. As mudanças abruptas na dinâmica familiar são reveladas como um fenômeno mobilizador, mas ao aproximar-se do mundo, abre para si mesmo o seu ser próprio buscando reorganizar-se, reassumindo o passado, atualizando-se no presente e projetando-se no futuro, sendo-no-mundo-com-os-outros. Contudo, em constante movimento de desocultamento e ocultamento, projeta-se para o futuro que pretende vivenciar, no inautêntico da cotidianidade, apoiando-se em expectativas ônticas. Assim, acredita-se ser imprescindível a sensibilidade dos profissionais de saúde, em especial de enfermagem, na apreensão da dimensão existencial do familiar que vivencia tal experiência, compreendendo as múltiplas facetas de seu existir, oferecendo-lhes oportunidades para projetar-se e vir-a-ser.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente

Descritores: Comunicação; Familiares; Criança Hospitalizada; Enfermagem Pediátrica; Pesquisa Qualitativa

 

Marcela Astolphi de Souza

Título: SENDO-NA BRINCADEIRA: SER-AÍ-IRMÃO DE CRIANÇAS COM DOENÇA CRÔNICA

Data: 27/08/2020

Resumo:

A doença crônica infantil implica em mudanças e readaptações diversas no cotidiano das famílias envolvidas. As transformações que ocorrem com os familiares, nas rotinas diárias ou nas relações, refletem na adaptação dos irmãos de crianças com doenças crônicas frente à nova situação, uma vez que estes se deparam com um novo mundo, modificado em prol das necessidades da criança doente, desencadeando uma multiplicidade de sentimentos, favorecendo o desenvolvimento de problemas emocionais. A literatura ressalta a importância dos irmãos serem incluídos no plano de cuidados da criança com doença crônica, o que pode colaborar na redução dos efeitos potencialmente negativos sobre sua saúde psicossocial. Contudo, muitas vezes, estes não são reconhecidos como membros da família com necessidades de cuidados, pois não há a percepção de que necessitam de apoio específico em função da pouca idade. Sendo assim, é imperativo rever o cuidado à criança com doença crônica, com vistas a envolver os irmãos. Portanto, compreender o mundo-vida desses irmãos, por meio de estratégias que os auxiliem na compreensão da facticidade de ser irmão de criança com doença crônica, é imprescindível para realização do Cuidado Centrado na Família. O brinquedo terapêutico dramático é considerado uma brincadeira estruturada para criança com idade entre três e 12 anos, com duração de 15 a 45 minutos e proporciona à criança, a explicitação de sentimentos, impulsionando a elaboração de conflitos. O objetivo deste estudo foi compreender, por meio do brinquedo terapêutico dramático, o fenômeno ser-aí-irmão de crianças com doença crônica. A compreensão do fenômeno se deu à luz do referencial fenomenológico existencial de Martin Heidegger. Os irmãos foram convidados a brincar e seus discursos foram gravados em áudio digital e transcritos na íntegra. Emergiram facetas do ser-aí-irmão de crianças com doença crônica que foram organizadas em eixos temáticos: O tempo de brincar, O instante da arte e O cotidiano de estar lançado. A brincadeira abriu possibilidades para o irmão revelar aspectos de sua existência no tempo cronológico. No entanto, esse tempo pôde ser elástico e negociável mediante a necessidade individual, de modo que fossem consideradas todas as expressões para o irmão vir-a-ser em liberdade na sua facticidade. Ao explorarem os brinquedos, os irmãos, por meio do brincar, revelaram modos de ser-aí-irmão de crianças com doença crônica e co-habitar esse mundo que os tocam afetivamente no modo da tristeza, saudade e carinho em relação à criança doente. As atividades cotidianas e a necessidade de cuidados de saúde foram ressaltadas, revelando que o mundo-vida dos irmãos se constrói, constantemente, em torno de ocupações impostas pela doença crônica. Convidá-los para a sessão de brinquedo terapêutico dramático pôde suscitar sentimentos de bem estar e possibilitou, ao irmão, a manifestação do modo como compreende os entes do seu mundo significativo. O brinquedo terapêutico mostrou-se como tecnologia imprescindível para a compreensão do ser-aí-irmão de crianças com doença crônica. Assim, os resultados advindos dessa pesquisa mostram a necessidade dos enfermeiros refletirem sobre sua prática em relação à inclusão dos irmãos no cuidado à criança com doença crônica considerando o Cuidado Centrado na Família.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente

Descritores: Irmãos; família; doença crônica; pesquisa qualitativa; enfermagem pediátrica

 

Elaine Ribeiro

Título: VALIDAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM HIPOTERMIA (00006) EM PACIENTES ADULTOS NO CENTRO CIRÚRGICO

Data: 24/09/2020

Resumo:

A hipotermia trata-se de uma alteração fisiológica recorrente em ambiente cirúrgico que ocorre geralmente após a indução anestésica promovendo a diminuição do metabolismo e inibição da termorregulação. O enfermeiro pode avaliar a Hipotermia e identificá-la como diagnóstico de enfermagem (DE), sendo fundamental que a taxonomia seja revisada e avaliada em diferentes populações. O objetivo desse estudo foi validar o DE Hipotermia (00006) em pacientes adultos no perioperatório de cirurgias eletivas em Centro Cirúrgico (CC). Trata-se de estudo de validação de DE realizado em três etapas: construção das definições conceitual e operacional dos elementos do referido DE; análise de conteúdo por especialistas e validação clínica. A primeira etapa foi realizada por meio de Revisão Integrativa, permitindo a construção das definições conceituais e operacionais dos elementos do referido DE, sendo subsidiada por 40 artigos. A segunda etapa, Análise de conteúdo, foi realizada por 50 especialistas, classificados segundo critérios de experiência clínico-cirúrgica, ensino e pesquisa na área em questão. Para tal, foi utilizada uma escala tipo Likert de cinco pontos, considerando cada elemento do referido DE desde nada característico a muito característico do DE para a população, sendo aplicado o teste binomial. A idade média dos especialistas foi de 38,14 anos, a maioria especialista em CC, seguidos por mestres, doutores e com publicações envolvendo a temática explorada. O tempo de formação média foi de 13,64 anos e experiência em CC de 8,82 anos. As características definidoras (CD) validadas foram: Baixa temperatura corporal acidental, Baixa temperatura corporal em pacientes adultos com lesão, Calafrios, Pele fria ao toque, Piloereção e Vasoconstrição periférica. E, os Fatores relacionados (FR) foram: Baixa temperatura ambiental e Conhecimento insuficiente do cuidador sobre a prevenção da hipotermia. Por fim, foi realizada a validação clínica por meio de estudo longitudinal utilizando medidas de acurácia e métodos avançados para validação. Foi utilizada sensibilidade, especificidade e valor preditivo positivo e negativo para identificar as CD com melhor poder de predição do DE. Os dados foram coletados por meio de Histórico de enfermagem contendo variáveis sociodemográficas, anestésico-cirúrgicos e elementos do referido DE, avaliação do paciente, incluindo a mensuração da temperatura corporal. Participaram 255 pacientes adultos, de ambos os sexos, submetidos a cirurgias eletivas com duração acima de 60 minutos e excluídos aqueles com hipotermia induzida. A maioria era do sexo masculino, com idade média de 50,30 anos; 82,7% apresentou hipotermia e dentre esses, 93,8 % apresentou o DE Hipotermia. Foram validados e considerados preditores do referido DE nessa fase da pesquisa as CD Baixa temperatura corporal acidental e Pele fria ao toque e ainda os FR Roupas insuficientes, Transferência excessiva de calor por condução e convecção e Agente farmacológico. A aplicação de métodos avançados de validação de DE permitiu ainda validar a CD Tremor pelo frio e os FR Transferência excessiva de calor por irradiação, Desnutrição e Suprimento insuficiente de gordura subcutânea. Espera-se que tais resultados auxiliem o enfermeiro a evidenciar com precisão os elementos que melhor predizem tal diagnóstico, vislumbrando a solidez necessária à prática do cuidar em Enfermagem e a segurança do paciente.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso

Descritores: Enfermagem; Diagnóstico de Enfermagem; Estudos de Validação; Enfermagem Perioperatória; Hipotermia

 

Sandra Soares Mendes

Título: ANÁLISE DO CORTISOL SALIVAR E CICLO VIGÍLIA SONO EM ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: REPERCUSSÕES NO ESTADO NUTRICIONAL E QUALIDADE DE VIDA

Data: 19/10/2020

Resumo:

Introdução: Durante o processo de formação acadêmica, os estudantes enfrentam diversas situações que podem gerar estresse, sendo que algumas podem promover o crescimento pessoal, enquanto outras podem comprometer o bem-estar, o sono, a saúde e a qualidade de vida. Um importante marcador da resposta fisiológica ao estresse é o hormônio cortisol, a dosagem desse hormônio na saliva tem sido utilizada na avaliação de situações de estresse e de possíveis condições desfavoráveis ao sono. Objetivo: Analisar a concentração de cortisol salivar como índice fisiológico do estresse e relacionar com o estresse psicológico e sono e as repercussões no comportamento alimentar e qualidade de vida dos estudantes de enfermagem. Método: Trata-se de um estudo transversal descritivo e comparativo, com abordagem quantitativa. Participaram desta pesquisa estudantes do curso noturno de Enfermagem, de uma instituição particular, na cidade de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Utilizou-se para a coleta de dados um questionário de caracterização individual e sociodemográfico, o Instrumento para Avaliação de Estresse em Estudantes de Enfermagem-AEEE, o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh-PSQI-BR, questionário sobre comportamento alimentar, o instrumento de qualidade de vida WHOQOL-bref e a dosagem do cortisol salivar. Os questionários foram respondidos em sala de aula ou em locais de estágio. As coletas de saliva foram efetuadas pelos próprios estudantes, a noite antes de dormir e no dia seguinte ao acordar, em dia de rotina de estudo e ou trabalho. Participaram 187 sujeitos respondentes aos questionários e 129 participaram da coleta de cortisol salivar. Resultados: Observou-se predomínio do sexo feminino (81,29%), média idade 26,8 anos (± 8,03), solteiros (67,38%), sem filhos (68,99%), que exerciam atividade laboral (74,33%) e residentes no município (82,36%) onde a pesquisa foi desenvolvida. Houve diferença significante entre as concentrações de cortisol salivar quanto aos horários de coleta para o 2º (p=0,0049) e 5º (p<0,0001) anos. Atividade laboral, custeio dos estudos e sexo feminino foram variáveis associadas a maiores níveis de estresse, menor duração do sono e pior qualidade de vida. A partir do 3º ano observou-se maiores níveis de estresse para Realização das Atividades Práticas (D1), Comunicação Profissional (D2) e Formação Profissional (D5). Estudantes do último ano apresentaram maiores níveis de estresse para Comunicação Profissional (D2), Formação Profissional (D5) e Ambiente (D4). As análises de regressão mostraram que maiores níveis de estresse para os domínios Gerenciamento do Tempo (D3) e Ambiente (D4) estiveram relacionados a pior qualidade do sono, e a pior percepção no domínio físico do Whoqol esteve relacionada a pior qualidade do sono. Obteve-se qualidade de sono ruim para todos os anos do curso e queixas de sonolência diurna. Quanto aos comportamentos de saúde, verificou-se baixa aderência à atividade física, consumo de bebida alcóolica, baixo consumo de água, frutas, verduras e legumes. Conclusão: Demonstrou-se resposta fisiológica ao estresse com concentrações mais próximas do desejável, e melhor normalização do ritmo circadiano para estudantes do 2º e 5º anos do curso. A exposição ao estresse no ambiente acadêmico mostrou repercussões prejudiciais para a saúde, sono, comportamento alimentar e qualidade de vida entre os estudantes.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso

Descritores: Cortisol; Estresse Psicológico; Sono; Estudantes de Enfermagem; Comportamento Alimentar; Qualidade de Vida

 

Diana Souza Santos Vaz

Título: ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE TRABALHADORES: ESTUDO CLÍNICO RANDOMIZADO

Data: 27/10/2020

Resumo:

Introdução: As Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) são responsáveis por 70% das mortes anualmente em todo mundo. A maioria das mortes é prematura, acomete os indivíduos antes dos 70 anos e é evitável. Na literatura o ambiente de trabalho é reconhecido como local ideal para disseminar informação, educar e promover a saúde. As intervenções voltadas para saúde sobre mudança de comportamento, aconselhamento nutricional em grupo e individual, orientações sobre as DCNT e composição de alimentos utilizando e-health mostram efeitos positivos para a saúde. Objetivo: Comparar o efeito da intervenção padrão para alimentação saudável com a orientação baseada na classificação NOVA em trabalhadores de uma Empresa de Tecnologia da Informação, do município de Campinas, São Paulo. Metodologia: Estudo longitudinal, ensaio clínico randomizado e descritivo. A amostra foi composta por 95 trabalhadores, divididos em dois grupos: intervenção (n=51) e controle (n=44). Para a coleta de dados foram utilizados os seguintes instrumentos: “Questionário de dados sociodemográficos, estilo de vida e aspectos de saúde e trabalho (QSETS)”, “Recordatório 24 horas (R24h)” e “Questionário de frequência alimentar (QFA)”. O perfil nutricional dos trabalhadores foi obtido por meio de avaliação nutricional: peso, estatura, circunferência da cintura e pregas cutâneas, realizadas pela pesquisadora. O grupo intervenção participou de encontros mensais e recebeu mensagens semanais, via WhatsApp® e o grupo controle participou de dois encontros no decorrer de cinco meses. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CONEP) CAAE nº 93132318.2.0000.5404, os sujeitos que aceitaram participar do estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Para realização das análises foi utilizado o software estatístico SAS® versão 9.4 e considerado o nível de significância de 5%. Resultados: A comparação das medidas de prega cutânea tricipital, prega cutânea subescapular, somatória das pregas e percentual de gordura corporal foram significativas entre momento final e inicial em ambos os grupos, houve diferença significativa entre o consumo final e inicial de proteína (p= 0,0008) e de carboidrato (p=0,0053) do grupo controle. Na regressão de Poisson observou-se que o aumento da idade (p=0,0003) e do IMC (p≤0,0001) estavam relacionados ao aumento nos valores de circunferência da cintura, enquanto que o aumento do consumo de proteína (p=0,0388) representou redução nos valores de circunferência da cintura. Conclusão: A educação nutricional com base em evidências científicas pode refletir em ações sobre o consumo alimentar mais consciente e responsável, priorizando escolhas alimentares sustentáveis, evitando o desperdício e tendo como foco a utilização dos alimentos como aliados da saúde, qualidade de vida, bem como na proteção do meio ambiente. Conclui-se que, embora não tenha sido observado diferença estatística significante na alimentação, identificou-se mudanças significativas na prega cutânea tricipital e subescapular, somatória das pregas e redução no percentual de gordura corporal em ambos os grupos, com relação as medidas corporais. O ambiente obesogênico e a frequência das consultas individuais precisam ser revistas em estudos futuros para que as intervenções alcancem maior efetividade.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Saúde do Trabalhador; Educação alimentar e nutricional; Dieta saudável; Estado nutricional

 

Tamires Patrícia Souza

Título: IMPACTOS DO TRABALHO NA MINERAÇÃO NOS INDICADORES DE QUALIDADE DE VIDA, PERCEPÇÃO DE FADIGA E CAPACIDADE PARA O TRABALHO ENTRE MINERADORES

Data: 19/11/2020

Resumo:

A mineração artesanal e em pequena escala (MAPE) é fonte de recursos minerais de grande importância para o setor econômico brasileiro, além de ser fonte de renda diversos trabalhadores e seus familiares. Contudo, caracteriza-se como sendo um trabalho extremamente insalubre e perigoso, expondo os trabalhadores continuamente ao risco de adoecer. Para tanto, o objetivo deste trabalho foi avaliar os impactos do trabalho na mineração nos indicadores de qualidade de vida, na sensação de fadiga e na capacidade para o trabalho dos mineradores. O estudo foi conduzido no município de Ametista do Sul, localizado na região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil, e contou com a participação de 258 trabalhadores de mineração, associados à cooperativa, expostos a sílica em sua atividade de trabalho. O projeto foi encaminhado à apreciação ética e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Estadual de Campinas (CAAE: 69195617.8.0000.5404), e foram observados todos os princípios éticos de pesquisa que envolva seres humanos. Tratou-se de um estudo epidemiológico descritivo de corte transversal e para a coleta de dados utilizou-se dos seguintes instrumentos e procedimentos: Questionário sociodemográfico, estilo de vida, trabalho e aspectos de saúde e trabalho (QSETS); World Health Organization Quality of Life (WHOQOL); Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT); Questionário de Fadiga de Yoshitake (QFY); além da análise do Material Particulado suspenso no ar das minas e do município. Os achados demonstraram que os participantes do estudo eram adultos jovens, do sexo masculino, com baixo nível educacional. A maioria era casado ou vivia com companheira, possuía pelo menos um filho e ingressou no trabalho da mineração durante a menor idade. O principal vínculo empregatício é o de trabalho autônomo e poucos trabalhadores referiram cumprir horas extras de trabalho. Neste estudo, as doenças mais prevalentes foram silicose (10,5%) e rinite (10,1%) e os principais sinais e sintomas foram tosse (25,2%), expectoração (20,5%) e dispneia (11,2%). Os trabalhadores mais velhos apresentavam risco maior de desenvolver problemas respiratórios como silicose e sintomas respiratórios. A qualidade de vida dos trabalhadores com e sem silicose avaliada pelo WHOQOL-BREF atingiu mais de 60 pontos, o que pode ser considerada alta, e os escores do SGRQ foram inferiores aos de outros estudos realizados com trabalhadores de mineração com doença pulmonar. Foi identificada a redução significativa do ICT conforme o avanço da idade dos trabalhadores, e naqueles com hábito tabágicos. O processo trabalho na região estudada ainda é desenvolvido de maneira artesanal, com sistema de proteção mínimo. Essas características reforçam o ambiente de trabalho arriscado e insalubre que naturalmente já é encontrado na mineração, prejudicando a saúde e o bem estar dos trabalhadores. Dessa forma, acredita-se que o presente estudo pode ser uma ferramenta de auxílio no direcionamento de políticas públicas relacionadas às medidas protetivas que proporcionem a manutenção dos trabalhadores em boas condições de saúde, em ambiente laboral seguro, inclusive em outras atividades laborais responsáveis pelo adoecimento pulmonar.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Silicose; Qualidade de vida; Saúde do Trabalhador; Capacidade para o Trabalho; Mineradores

 

Jennifer Bazilio

Título: SIMULAÇÃO CLÍNICA EM EDUCAÇÃO PERMANENTE COM PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE

Data: 27/11/2020

Resumo:

Introdução: O desenvolvimento do Sistema Único de Saúde nos traz novos desafios quanto a qualificação de seus profissionais. Dentre as políticas públicas, a Política de Educação Permanente em Saúde, foi construída como estratégia para a formação e o desenvolvimento dos trabalhadores, partindo do pressuposto da aprendizagem significativa. Ao discorrermos sobre processos educativos e formativos para adultos, faz-se necessário a utilização de metodologias que exijam algum tipo de aprendizagem relacionada a situações reais. A simulação é um método efetivo e inovador para treinamento e aprendizagem, que reúne ampla variedade de possibilidades na área da saúde, sendo poucas as iniciativas voltadas aos profissionais da Atenção Primária. Objetivo: Desenvolver e avaliar método de simulação realística in situ, como instrumento de aprendizagem com profissionais das equipes multidisciplinares das Unidades Básicas de Saúde, no município de Paulínia. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem quantitativa e qualitativa, utilizando o referencial metodológico da Pesquisa-Ação, um tipo de pesquisa participante, que procura unir pesquisa e ação prática. No percurso metodológico foram aplicados questionários, para verificar as ações e satisfação dos profissionais quanto às práticas de educação permanente e conhecimento sociodemográfico dos trabalhadores. Após esta etapa realizamos uma oficina utilizando o método do World Café buscando a coletividade das ações ao desenvolver os cenários das simulações. Para os dados obtidos na pesquisa-ação, utilizamos a análise temática do conteúdo ou estatística descritiva dos dados, quando a necessidade de análise foi quantitativa. Para a avaliação da simulação neste ambiente foram aplicadas as escalas: Escala de satisfação de estudantes e autoconfiança na aprendizagem, Escala de experiência com o Debriefing, Escala de Design e o Questionário de práticas Educativas. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Estadual de Campinas, conforme parecer Nº 2.237.957 de 24/08/2017. Resultados: foram elaborados quatro artigos: Práticas de Educação Permanente em equipes interprofissionais: diagnóstico situacional sob a ótica dos trabalhadores; Gerando conversas significativas: World café, no planejamento estratégico interprofissional em Educação Permanente; Avaliação do design de simulação clínica, satisfação e autoconfiança de profissionais da Atenção básica; Simulação clínica em acolhimento com profissionais da atenção primária em saúde – Relato de experiência. Além dos artigos, as fases da pesquisa ação permitiram reflexões sobre o processo de trabalho, permitindo avaliações e implementações com potencial para melhoria da qualidade dos serviços estudados, sendo possível implementar instrumentos e métodos educativos como devolutiva de pesquisa ao campo. Considerações finais: a simulação pode trazer mudanças significativas aos profissionais da saúde, construindo espaços de maior reflexão no ambiente de trabalho. Tornando possível a mudança de opiniões e significados favorecendo o aprendizado de forma ativa, sendo factível de ser replicado em serviços públicos de saúde.

Linha de pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde

Descritores: Educação Permanente; Educação em Saúde; Simulação; SUS; Paciente Simulado

 

Ana Cláudia Barbosa Honório Ferreira

Título: CONSTRUÇÃO DE UM CLASSIFICADOR DE RISCO PARA PREVENÇÃO DO PÉ DIABÉTICO USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

Data: 02/12/2020

Resumo:

Introdução: O Diabetes Mellitus é uma doença crônica, com prevalência elevada mundialmente e acarreta várias complicações. O pé diabético compromete a saúde e a qualidade de vida, pelo risco de amputação de membros inferiores. Objetivo: Construir um sistema de classificação de risco para prevenção do pé diabético, utilizando Redes Neurais Artificiais (RNA), a fim de estratificar as pessoas com diabetes que se encontram em risco para pé diabético. Método: Estudo metodológico realizado em seis etapas: (1) Construção do classificador automático de risco, utilizando uma RNA não supervisionada (Rede Competitiva) e um banco de dados (54 variáveis) de 250 pessoas com diabetes, sem classificação de risco por especialistas. O desempenho da rede foi validado com novos dados de 73 pessoas com diabetes, que foram classificadas por especialistas em alto e baixo risco para pé diabético; (2) Classificação, por especialistas, dos 250 indivíduos em alto ou baixo risco para pé diabético; (3) Construção do classificador automático de risco, utilizando uma RNA supervisionada (Perceptrom multi camadas - MLP) e o banco de dados das 250 pessoas com diabetes, já classificadas quanto ao risco para pé diabético. O desempenho da rede foi avaliado por meio de um novo banco de dados com 141 pessoas com diabetes, classificadas por especialistas em alto e baixo risco para pé diabético; (4) Desenvolvimento e registro de um software baseado na RNA competitiva; (5) Desenvolvimento de um aplicativo para smartphone baseado na Rede MLP e projeção de relatório personalizado indicando o autocuidado para cada usuário, (6) Avaliação da usabilidade do aplicativo, com uso da System Usability Scale (SUS). Análise dos dados: A RNA não supervisionada evidenciou dois grupos (alto e baixo risco). Para a construção da RNA supervisionada, diferentes modelos foram construídos a fim de encontrar a melhor abordagem. Foram avaliadas a especificidade, a sensibilidade, a acurácia e os valores preditivos positivos e negativos dos modelos da RNA supervisionada, bem como da RNA não supervisionada. Foi realizado o teste t de Friedman, o Pós-teste de Dunn-Bonferroni e o Wilcoxon pareado para comparar os diferentes modelos de RNA supervisionada e selecionar aquela de melhor desempenho. Resultados: O modelo de RNA não supervisionada se mostrou com boa predição de risco, porém o modelo supervisionado (MIII1) teve melhor desempenho. É um modelo simples, com menor complexidade computacional, utiliza 10 variáveis, de um total de 54, para a predição do risco. Foi construído um software para computador (CARPeDIA) que utilizou o modelo de RNA não supervisionada e um aplicativo para celular (CARPeDIA) que utilizou o modelo de RNA supervisionada MIII1. O aplicativo apresentou boa usabilidade pela SUS (93,33 pontos em uma escala de 0 a 100). Foi projetado um relatório que apresenta informações personalizadas ao usuário incentivando o autocuidado. Conclusão: A RNA supervisionada MIII1 possui boa capacidade para predição do risco para pé diabético e é uma ferramenta de fácil utilização por profissionais da saúde e usuários. Ela é menos complexa, com apenas 10 variáveis de entrada, o que facilitará seu uso por usuários e profissionais da saúde em aplicativos.

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde

Descritores: Diabetes Mellitus; Pé Diabético; Tecnologia; Grupos de Risco; Rede Neural Artificial

 

Valéria Cristina Oliveira Póvoa

Título: EFEITOS DE BIOMATERIAIS IMPREGNADOS COM ÓXIDO NÍTRICO NO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO EM CAMUNDONGOS

Data: 11/12/2020

Resumo:

O processo cicatricial é um fenômeno altamente especializado, no qual é necessário a integração de vários tipos celulares, incluindo células inflamatórias e endoteliais, além de fibroblastos e queratinócitos. Envolve ainda substâncias como fatores de crescimento, citocinas e enzimas. O processo normal ocorre por meio da fase inflamatória, granulação e remodelamento do tecido. O óxido nítrico (NO) é uma molécula amplamente envolvida na sinalização celular e atua principalmente como relaxante vascular, neurotransmissor e inibidor de agregação plaquetária. Devido sua conhecida ação vasodilatadora vários trabalhos foram realizados para avaliar os efeitos da aplicação de NO exógeno no tratamento tópico de feridas. Evidências mostram que a aplicação local do NO melhora o processo de cicatrização de feridas, o que estimula o desenvolvimento de coberturas capazes de liberar o NO de forma tópica. Recente trabalho mostrou que uma matriz composta de poly (vinil álcool) e plurônico F127 incorporado com um grupo SNO (doador de NO) promoveu a vasodilatação e aceleração da cicatrização com aumento da deposição de colágeno em feridas de roedores saudáveis. Portanto, o objetivo deste trabalho é avaliar a capacidade de biomateriais impregnados com NO em promover a cicatrização de feridas e identificar os mecanismos celulares e moleculares pelo qual o NO modula a cicatrização de feridas cutâneas. Para tal foram utilizados camundongos C57Bl/6JUnib machos com 8 semanas, submetidos a feridas excisionais tratadas com o biomaterial doador de NO. Foi determinada a velocidade de cicatrização da ferida, aspectos morfológicos do tecido neoformado e expressão gênica de proteínas moduladas pelo NO por meio de PCR em Tempo Real, histologia e imunoistoquímica. Para análise estatística foram utilizados o teste t Student para amostras independentes e análise de variância (ANOVA) para comparação entre os grupos. Em todos os casos o nível de significância para rejeição da hipótese de nulidade foi de 5% (p<0,05).

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde

Descritores: Cicatrização de feridas; óxido nítrico; inflamação; proliferação celular; curativos

DEFESAS 2019

Mestrado

Aline Patrícia Vicente Franco

Título: AVALIAÇÃO DA CARGA DE TRABALHO EM UNIDADE NEONATAL: UTILIZAÇÃO DO NURSING ACTIVITIES SCORE

Data: 08/04/2019

Resumo: Introdução: O desenvolvimento tecnológico e as novas modalidades terapêuticas têm possibilitado a sobrevida de pacientes gravemente enfermos, o que tem impacto na atuação dos profissionais de saúde, que lidam com cuidados de maior complexidade, bem como com maior carga diária de trabalho. Na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), a sobrevivência dos recém-nascidos (RNs) com condições clínicas complexas e instáveis, como os prematuros com extremo baixo peso, incrementa a carga de trabalho e pode interferir na qualidade do cuidado oferecido. Objetivo geral: avaliar a carga de trabalho de enfermagem em uma unidade de internação neonatal aplicando o Nursing Activities Score (NAS). Objetivos específicos: descrever a pontuação NAS para pacientes neonatais sob cuidados intensivos e semi-intensivos; descrever a frequência dos itens relacionados à carga de trabalho de enfermagem na unidade neonatal, segundo o NAS; identificar e analisar a variação na pontuação do NAS conforme características dos RNs; comparar o número diário de profissionais de enfermagem requeridos pela pontuação NAS com o número diário de profissionais presentes na unidade estudada. Método: Trata-se de um estudo analítico e longitudinal, em que se aplicou o NAS, um instrumento validado para o Português do Brasil, para avaliar a carga de trabalho de enfermagem em uma unidade de internação neonatal. Foram colhidos dados de prontuário, referentes à condição clínica de cada paciente incluído, bem como anotações das supervisoras de Enfermagem sobre o quantitativo de funcionários que esteve presente em cada plantão. A amostra foi não probabilística. Foram incluídos todos os pacientes admitidos em um período de dois meses: de 6 outubro a 6 de dezembro de 2017. Os dados foram analisados segundo estatística descritiva e inferencial. Foi calculada a carga de trabalho de enfermagem, bem como o quantitativo necessário da equipe de enfermagem, considerando o valor do NAS e a Resolução 543/2017 do Conselho Federal de Enfermagem. Resultados: A amostra foi composta por 115 pacientes. A média NAS da unidade foi de 73%, sendo que nos pacientes de cuidado intensivo a média NAS foi maior (74%) que nos cuidados semi-intensivos (64%). Traduzindo para o tempo de assistência, cada paciente necessitou, em média, de 17,5 horas de assistência de enfermagem direta, nas 24 horas. Essa unidade conta com 107 profissionais de enfermagem, enquanto deveria ter de 137. Verificou-se uma proporção 34% de enfermeiros, o que está abaixo do preconizado, com uma proporção de 66% de técnicos de enfermagem, superior ao recomendado para essa categoria profissional. Conclusão: Há uma elevada demanda de carga de trabalho na unidade neonatal e o dimensionamento de pessoal é inferior ao necessário para atender com segurança tal demanda. O que pode ter impacto negativo na qualidade e segurança da assistência. Assim, o NAS é um facilitador do gerenciamento de enfermagem ao tornar quantificável a carga de trabalho, que tem implicações para pacientes e equipe.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

Descritores: Recém-Nascido; Enfermagem Neonatal; Carga de Trabalho; Recursos Humanos de Enfermagem; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal.

 

Gabriela Rodrigues Ribeiro

Título: POTENCIAL DE EFICÁCIA DE UMA INTERVENÇÃO BASEADA EM TEORIA PARA PROMOVER CAMINHADA EM PESSOAS COM DOENÇA ARTERIAL CORONÁRIA

Data: 16/07/2019

Resumo: A doença arterial coronária (DAC) é bem estabelecida como uma importante questão de saúde no Brasil e no mundo, com fatores de risco modificáveis e não modificáveis. A mudança no estilo de vida pode promover e reabilitar a saúde, bem como trazer benefícios não apenas para as doenças cardiovasculares (DCV). Promover um estilo de vida ativo com prática regular de atividade física (AF) tem sido um desafio para os profissionais da saúde e para as pessoas com DCV, especialmente aquelas com DAC. Este estudo teve como objetivo avaliar o potencial de eficácia de uma intervenção de enfermagem que utiliza como estratégia a Ativação da Intenção sobre a realização de caminhada por pessoas com DAC. Trata-se de um estudo quase experimental, baseado no modelo teórico comportamental de Ativação da Intenção, que visa implementar e avaliar o potencial de eficácia de uma intervenção que faz uso do “Coping planning”, planejamento de enfrentamento, no comportamento de caminhada em pessoas com DAC em acompanhamento no serviço ambulatorial de um serviço de saúde de nível terciário. O estudo foi registrado na Plataforma de Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (ReBEC) sob a identificação U1111-1233-7873. O estudo foi financiado com bolsa Pós-Graduação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e pelo Conselho Nacional Científico e Tecnológico (CNPq); assim como foi contemplado com duas bolsas de iniciação científica do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) Unicamp quotas 2017/2018 e 2018/2019. Um grupo de pacientes em seguimento ambulatorial (n=36) foi acompanhado ao longo de 60 dias. Em T0 foram coletados dados sociodemográficos e clínicos, mensurada a intenção de realizar caminhada, comportamento de caminhada e comportamento de AF no tempo de lazer. Após a obtenção dessas medidas, foi planificado um plano de enfrentamento de obstáculos como estratégia de intervenção para promover a caminhada três vezes por semana, por no mínimo 30 minutos. Um mês (T1) após a entrevista, foi realizado um reforço telefônico. Dois meses depois de T0, o participante retornou para uma entrevista (T2) para nova mensuração do comportamento de caminhada e atividade física no tempo de lazer, bem como para realizar a avaliação da intervenção. Ao final do estudo, as pessoas foram convidadas a manter o comportamento mesmo com o encerramento de sua participação. A amostra foi composta majoritariamente por homens, com sobrepeso (IMC médio de 28,4 kg/m²), média de idade de 63 anos, brancos, vivendo com companheiro, com escolaridade média de 6 anos, inativos, com diagnóstico de angina, com hipertensão, diabetes mellitus, dislipidemia. Ficou demonstrado que a intervenção teve tamanho de efeito moderado (Cohen´s d=0,40). A intervenção promoveu mudança comportamental na prática de AF e espera-se que este estudo auxilie os profissionais de saúde a dispor de uma ferramenta que ajude as pessoas com DAC a adotar e manter um estilo de vida ativo.

Descritores/DeCS: Enfermagem; Atividade física; Doença das coronárias; Comportamento; Técnicas de planejamento.

Linha de pesquisa: Tecnologia e inovação no cuidado de Enfermagem e saúde.

 

Leticia Bottcher Dias

Título: O PAPEL DOS AVÓS DE CRIANÇAS COM CÂNCER HOSPITALIZADAS

Data: 17/07/2019

Resumo: Diante do aumento da expectativa de vida e dos relacionamentos intergeracionais, os avós exercem papel relevante na família. Em momentos de doença, eles são descritos como a retaguarda, estando sempre à disposição e ajudando em tudo que podem; porém, sua experiência é pouco considerada pelos profissionais de saúde. Os avós de crianças com câncer relatam sofrimento multiplicado e emudecido, impactando em sua saúde e qualidade de vida e também na possibilidade de desenvolverem seu papel da forma como gostariam. O objetivo deste estudo é compreender o papel dos avós das crianças com câncer quando estas estão hospitalizadas. Trata-se de um estudo qualitativo, em que foram entrevistados onze avós de crianças com câncer em tratamento oncológico no Centro Infantil Boldrini. Os participantes foram abordados por meio de entrevistas semiestruturadas e os dados foram analisados a partir do Modelo Híbrido de Análise Temática, tendo, por modelo teórico, o Modelo do Bom Pai. Foram encontrados seis temas para descrever a função dos avós neste contexto: Ser o alicerce da família; Transmitir amor para o meu filho e meu neto; Estar presente para o meu filho e meu neto; Oferecer suporte espiritual para o meu filho e meu neto; Lutar para conseguir manejar os próprios sentimentos; Equilibrar as demandas da hospitalização com os recursos disponíveis. A partir da compreensão do papel de avô quando o neto com câncer está hospitalizado, foram discutidas possíveis intervenções que tenham como propósito auxiliar esses familiares no enfrentamento da doença do neto e no desempenho de seu papel.

Palavras-chaves: Enfermagem Pediátrica, Relações Familiares, Papel (Figurativo), Avós, Neoplasias, Pesquisa Qualitativa.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem da mulher, criança e adolescente.

 

Thais Carrera de Carvalho

Título: RISCO DE QUEDA E SEUS FATORES RELACIONADOS EM PACIENTES COM DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

Data: 03/07/2018

Resumo: Introdução: A promoção do aleitamento materno exclusivo (AME) até os seis meses de vida é preconizada pelo Ministério da Saúde, porém, a hospitalização pode favorecer o desmame precoce de lactentes devido tempo de internação prolongado, complicações clínicas do paciente e limitações do suporte oferecido à mãe. Objetivo: Analisar o aleitamento materno em lactentes menores de seis meses, admitidos em unidade de terapia intensiva pediátrica (UTIP) e descrever o impacto da hospitalização na prática da amamentação. Método: Estudo descritivo, retrospectivo e longitudinal, realizado com dados de prontuários de lactentes admitidos na UTIP de hospital público de ensino no período de 01 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2016. Os dados colhidos abrangeram: tipo de aleitamento materno na admissão e na alta hospitalar; dados de caracterização das mães, bem como dados clínicos dos lactentes menores de seis meses. Foram incluídos prontuários de pacientes admitidos na instituição via UTIP, após encaminhamento pela Unidade de Emergência Referenciada do hospital em estudo. Foram excluídos: prontuários de bebês com malformações ou síndromes genéticas que impossibilitariam o Aleitamento Materno (AM) desde o nascimento e prontuários de pacientes que foram admitidos na enfermaria previamente à internação na UTIP. Os dados foram analisados segundo estatística descritiva. Para descrever as variáveis qualitativas foram construídas tabelas de frequência absoluta (n) e relativa (%) e para as variáveis quantitativas foram calculadas medidas de posição e dispersão. Para as comparações envolvendo uma variável qualitativa com relação a uma variável quantitativa foram utilizados testes paramétricos e não paramétricos, de acordo com a distribuição dos dados. Para avaliar a existência de possíveis associações entre variáveis qualitativas, foi utilizado o teste do Qui-quadrado ou o Exato de Fisher, conforme apropriado. Os cruzamentos envolvendo duas variáveis quantitativas foram analisados por meio do cálculo de coeficientes de correlação. O nível de significância adotado para os testes estatísticos foi de 5%. Utilizou-se o programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 22. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, CAAE: 62799616.6.0000.5404. Resultados: De um total de 124 prontuários consultados, 104 atendiam aos critérios de inclusão. Destes, 48 (46,2%) registraram desmame já na admissão, 56 (53,8%) recebiam leite materno, mas apenas 22 pacientes (21,1%) estavam em AME. Dos pacientes admitidos em AME, observou-se que apenas 12 (54,6%) o mantiveram na alta. No total de pacientes que foram admitidos recebendo algum tipo de leite materno, apenas 20,8% receberam alta em desmame. O tempo de internação em UTI, o número de dias que recebeu fórmula, alimentação por sonda foram significantes para o desmame, enquanto a oferta da mama materna durante a hospitalização foi fortemente associada à manutenção do AM na alta. Conclusão: A prevalência de AME dos pacientes admitidos na UTIP, no período estudado, está abaixo da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde e o impacto da hospitalização se mostrou relevante. A equipe de saúde da UTIP deve ser preparada para promoção do aleitamento materno, de forma que isso seja reconhecido como um cuidado relevante nesse contexto.

Palavras-chaves: Enfermagem; Insuficiência Renal Crônica; Hemodiálise; Acidentes por Quedas; Segurança do Paciente.

Linha de Pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde.

 

Danielle Uehara de Lima

Título: VALIDAÇÃO DO RESULTADO DE ENFERMAGEM ESTADO NEUROLÓGICO PARA PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

Data: 20/06/2018

Resumo: O acidente vascular cerebral (AVC) é uma das principais causas de mortalidade mundial e a doença que mais causa incapacidade em adultos de meia – idade e idosos, o que provoca grande impacto na saúde por gerar altos custos para o governo. Nesse contexto, o enfermeiro tem papel fundamental na assistência dos pacientes, desde a porta de entrada do hospital até sua alta, o qual poderá envolver a reabilitação ou morte, sendo necessário o conhecimento da patologia, bem como a implementação de cuidados específicos. Diversas escalas podem ser utilizadas pelos enfermeiros para guiar a avaliação dos pacientes, como a National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS) ou mesmos os diferentes Resultados de Enfermagem (RE) da Nursing Outcome Classification (NOC), que permitem a avaliação do efeito das intervenções de enfermagem. Assim, a presente pesquisa teve o objetivo geral de validar o resultado de enfermagem Estado Neurológico e seus indicadores clínicos para pacientes com acidente vascular cerebral. Estudo metodológico realizado em cinco etapas: 1) revisão integrativa sobre os indicadores clínicos utilizados para avaliação neurológica de pacientes com AVC, 2) avaliação da relevância dos indicadores clínicos do RE em estudo por especialistas, 3) construção das definições conceituais e operacionais dos indicadores clínicos do RE, 4) validação de conteúdo das definições por especialistas por meio de grupo focal e 5) validação clínica convergente do RE com a NIHSS. A partir da revisão foram identificados 14 indicadores com correspondência na literatura. Os 22 indicadores da NOC, sinalizados os identificados na etapa anterior, foram enviados a sete especialistas para verificar sua relevância clínica, desses sete foram excluídos, quatro foram sugeridos e dois foram agrupados, resultando em um instrumento final com 14 indicadores clínicos. Para todos eles, foram elaboradas as definições conceituais, operacionais e magnitudes, as quais tiveram o conteúdo validado por grupo focal. Na etapa clínica, o instrumento final foi aplicado a pacientes com AVC, independentemente do tipo, ou com trombose venosa cerebral. Foi aplicado instrumento de caracterização sociodemográfica e por meio de anamnese e exame físico, mensurou-se o RE e o NIHSS. A amostra foi composta por 59 pacientes, sendo a maioria do sexo masculino (50,9%) e com média de idade de 58,6 anos (DP = 14,2). Dos 14 indicadores, 13 foram validados clinicamente, exceto o de pressão intracraniana, dada a impossibilidade de sua mensuração no momento da coleta. Na validação convergente das escalas pelo coeficiente de correção de Spearman, os indicadores clínicos do RE apresentam correlação significante com os itens da NIHSS, bem como observou-se correlação negativa entre as escalas, ou seja, a medida que aumentava a nota do RE, menor era a nota obtida no NIHSS. A partir dos dados encontrados nesta pesquisa, considera-se que o RE Estado neurológico foi validado para paciente com AVC com 13 indicadores, a saber: consciência, controle motor central, função sensorial e motora cranianas, função sensorial e motora da coluna vertebral, comunicação adequada às situações, tamanho das pupilas, reatividade das pupilas, padrão de movimento dos olhos, padrão respiratório, pressão arterial, temperatura corporal, orientação e pressão intracraniana. O acidente vascular cerebral (AVC) é uma das principais causas de mortalidade mundial e a doença que mais causa incapacidade em adultos de meia – idade e idosos, o que provoca grande impacto na saúde por gerar altos custos para o governo. Nesse contexto, o enfermeiro tem papel fundamental na assistência dos pacientes, desde a porta de entrada do hospital até sua alta, o qual poderá envolver a reabilitação ou morte, sendo necessário o conhecimento da patologia, bem como a implementação de cuidados específicos. Diversas escalas podem ser utilizadas pelos enfermeiros para guiar a avaliação dos pacientes, como a National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS) ou mesmos os diferentes Resultados de Enfermagem (RE) da Nursing Outcome Classification (NOC), que permitem a avaliação do efeito das intervenções de enfermagem. Assim, a presente pesquisa teve o objetivo geral de validar o resultado de enfermagem Estado Neurológico e seus indicadores clínicos para pacientes com acidente vascular cerebral. Estudo metodológico realizado em cinco etapas: 1) revisão integrativa sobre os indicadores clínicos utilizados para avaliação neurológica de pacientes com AVC, 2) avaliação da relevância dos indicadores clínicos do RE em estudo por especialistas, 3) construção das definições conceituais e operacionais dos indicadores clínicos do RE, 4) validação de conteúdo das definições por especialistas por meio de grupo focal e 5) validação clínica convergente do RE com a NIHSS. A partir da revisão foram identificados 14 indicadores com correspondência na literatura. Os 22 indicadores da NOC, sinalizados os identificados na etapa anterior, foram enviados a sete especialistas para verificar sua relevância clínica, desses sete foram excluídos, quatro foram sugeridos e dois foram agrupados, resultando em um instrumento final com 14 indicadores clínicos. Para todos eles, foram elaboradas as definições conceituais, operacionais e magnitudes, as quais tiveram o conteúdo validado por grupo focal. Na etapa clínica, o instrumento final foi aplicado a pacientes com AVC, independentemente do tipo, ou com trombose venosa cerebral. Foi aplicado instrumento de caracterização sociodemográfica e por meio de anamnese e exame físico, mensurou-se o RE e o NIHSS. A amostra foi composta por 59 pacientes, sendo a maioria do sexo masculino (50,9%) e com média de idade de 58,6 anos (DP = 14,2). Dos 14 indicadores, 13 foram validados clinicamente, exceto o de pressão intracraniana, dada a impossibilidade de sua mensuração no momento da coleta. Na validação convergente das escalas pelo coeficiente de correção de Spearman, os indicadores clínicos do RE apresentam correlação significante com os itens da NIHSS, bem como observou-se correlação negativa entre as escalas, ou seja, a medida que aumentava a nota do RE, menor era a nota obtida no NIHSS. A partir dos dados encontrados nesta pesquisa, considera-se que o RE Estado neurológico foi validado para paciente com AVC com 13 indicadores, a saber: consciência, controle motor central, função sensorial e motora cranianas, função sensorial e motora da coluna vertebral, comunicação adequada às situações, tamanho das pupilas, reatividade das pupilas, padrão de movimento dos olhos, padrão respiratório, pressão arterial, temperatura corporal, orientação e pressão intracraniana

Palavras-chave: Escalas; Acidente vascular cerebral; Cuidado de enfermagem; Estudos de validação

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem do Adulto e Idoso

 

Thaís Paulino do Prado

Título: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGONISTA DOS RECEPTORES GPR120 E GPR40 NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS EM CAMUNDONGOS DIABÉTICOS

Data: 28/06/2019

Resumo: A progressão mundial do diabetes e as complicações associadas à hiperglicemia acentuam a ocorrência de feridas crônicas, que resultam em amputação, e impulsionam a busca por novas tecnologias no tratamento dessas lesões. Receptores GPR120 e GPR40 são potenciais alvos terapêuticos no tratamento de distúrbios metabólicos, por exercerem efeitos anti-inflamatórios e atuarem na estimulação da proliferação celular. O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito do GW9508, um agonista duplo dos receptores GPR120 e GPR40, na cicatrização de feridas em modelo experimental. Foram utilizados camundongos C57/BL6J machos, adultos não diabéticos e diabéticos induzidos por estreptozotocina. Os animais foram submetidos a confecção de duas feridas excisionais de 6 mm na região dorsal. A retração da pele foi estabilizada com prótese de silicone. Após serem aleatoriamente divididos em 2 grupos, veículo ou GW9508, os animais receberam tratamento tópico com 20 µL de gel de carbopol incorporado ao veículo ou GW9508 a 100 μM, uma vez ao dia até 5º ou 12º dia pós-lesão, quando o tecido foi coletado. Os grupos foram comparados quanto a retração macroscópica das feridas, morfologia do tecido cicatricial e expressão gênica por qRT-PCR em tempo real. Para as análises estatísticas aplicamos o teste t de Student em amostras independentes e para mais de duas variáveis, análise de variância (ANOVA), considerando p<0,05. O tratamento tópico com o GW9508 em camundongos não diabéticos aumenta a velocidade de cicatrização de feridas nos dias 6 e 8 pós-lesão, enquanto em camundongos induzidos ao diabetes esse efeito não foi observado. Durante a fase proliferativa, o tratamento com GW9508 diminuiu a expressão gênica de f480, il-1β, mmp9 e vegf quando comparado ao veículo. O tratamento não modificou quantitativamente a deposição de fibras de colágeno, mas foi capaz de alterar a morfologia do tecido conjuntivo, apresentando derme mais entrelaçada pelas fibras de colágeno e formação de papilas dérmicas, o que torna o tecido cicatricial mais resistente e mais próximo à pele íntegra. Com base nos resultados de Guerrero-Juarez e colaboradores (2019), a reanálise de dados de sequenciamento de RNA de célula única do tecido da ferida mostrou 20 aglomerados de células organizadas principalmente em 4 linhagens, a saber: fibroblastos, miofibroblastos, células mielóides e células endoteliais. Os genes modulados pelo tratamento são expressos por grupos celulares de fibroblastos e células de origem mielóide importantes no processo de cicatrização. Nosso estudo mostrou que o tratamento tópico com GW9508 aumenta a velocidade de cicatrização da ferida em camundongos saudáveis, mas não em camundongos diabéticos. Na fase proliferativa o tratamento com GW9508 modula negativamente genes inflamatórios expressos por fibroblastos e células mielóides resultando em um tecido estruturalmente mais semelhante à pele íntegra quando comparado ao controle. Estudos futuros poderão colaborar para um melhor entendimento dos mecanismos envolvidos nesse fenômeno e para a identificação da melhor forma de emprego destes agonistas.

Descritores: Cicatrização; Ácidos Graxos; Inflamação

Linha de Pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado em Enfermagem e Saúde.

 

Aline Nunes Grise

Título: VALIDAÇÃO E CONFIABILIDADE DE UM INSTRUMENTO PARA REGISTRO DO MANEJO DE FERIDAS NEONATAL

Data: 25/06/2019

Resumo: Introdução: A manutenção da integridade da pele é um importante indicador da qualidade da assistência de enfermagem. Segundo a literatura, existe uma deficiência no registro do manejo de feridas, o que favorece o aumento da sua incidência e descontinuidade das condutas, retardando ou dificultando o processo de cicatrização. O uso de instrumentos de registro pode auxiliar a melhoria desse processo de trabalho e contribuir na geração de indicadores para o acompanhamento da qualidade da assistência. Objetivos: Desenvolver um instrumento para o registro do manejo de feridas no período neonatal e seu guia de preenchimento, validar seu conteúdo e avaliar sua confiabilidade. Método: Trata-se de um estudo metodológico de desenvolvimento e validação de instrumento para registro do manejo de feridas neonatal, que foi desenvolvido em três etapas. A primeira delas foi o desenvolvimento do instrumento proposto e de seu guia de preenchimento. Na segunda etapa, foi realizada a validação de conteúdo junto a um comitê de juízes, utilizando o Índice de Validade de Conteúdo (IVC), cujo o valor desejável é > 0,80. Na terceira etapa ocorreu a verificação da confiabilidade interavaliadores do instrumento, quando foi aplicado a 50 recém-nascidos internados e que apresentavam lesões de pele, em uma unidade neonatal de hospital público de ensino. A aplicação do instrumento foi realizada por dois enfermeiros, de forma independente e simultânea. Para verificar a confiabilidade interavaliadores, quanto aos itens qualitativos do instrumento, foi calculado o coeficiente Kappa. Já para os itens quantitativos, calculou-se o Coeficiente de Concordância Intraclasse (CCI), cujo valor desejável é >0,75. Para os testes estatísticos, considerou-se um nível de significância de p<0,05. Resultados: O instrumento desenvolvido foi intitulado Cuidados para Integridade da Pele no período Neonatal (CIPNeo), com seu Guia de Preenchimento. Ambos tiveram o conteúdo validado por nove juízes. Dos 130 itens do instrumento, 15 não atingiram IVC > 0,80 na primeira rodada; enquanto que dos 34 itens do guia de preenchimento, 7 não o atingiram. Após seu aprimoramento, o conteúdo de ambos foi validado na segunda rodada. As oito variáveis quantitativas do instrumento obtiveram CCI > 0,75. Dentre 122 itens qualitativos do instrumento, 112 (91,8%) atingiram uma concordância quase perfeita (0,81 a 1,00), enquanto oito apresentaram concordância substancial/grande (0,61-0,80). O tempo médio de aplicação foi de 7,4 minutos, variando de 4 a 23 minutos. Conclusão: Foi desenvolvido o CIPNeo e seu guia de preenchimento, ambos considerados válidos quanto ao conteúdo. O CIPNeo mostrou ser confiável para promover o registro de feridas no período neonatal. Esse instrumento pode direcionar a anamnese e o exame físico realizados pelo enfermeiro, bem como facilitar a identificação de fatores de riscos, avaliar e monitorar a evolução das feridas. Além disso, permite resgatar dados relevantes para gestão da qualidade da assistência neonatal.

Descritores: Higiene da pele; Recém-nascido; Ferimentos e lesões; Unidades de terapia intensiva neonatal, Avaliação em enfermagem.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem da mulher, criança e adolescente.

 

Roberta Nazario Aoki

Título: BULLYING, SATISFAÇÃO NO TRABALHO E INTENÇÃO EM PERMANECER NO EMPREGO E PROFISSÃO

Data: 12/06/2019

Resumo: O bullying é uma das formas de violência presente em ambientes laborais e a enfermagem é uma das categorias vítima desse comportamento. Consiste em atos de violência sistemáticos, repetitivos, prolongados e com graves repercussões à saúde e ao desenvolvimento profissional. Considerando o impacto negativo deste comportamento para a saúde e o desempenho profissional, o objetivo deste estudo foi avaliar a percepção de bullying e a relação com a satisfação profissional, percepção do trabalho em equipe e intenção de deixar o emprego e a profissão. Trata-se de estudo quantitativo e transversal realizado em um hospital de ensino do interior do Estado de São Paulo. Participaram do estudo 350 profissionais de enfermagem, sendo 118 enfermeiros e 232 técnicos de enfermagem com tempo de atuação na instituição igual ou maior a seis meses. A taxa de resposta foi de 94,6%. A coleta dos dados ocorreu no período de abril a junho de 2018. Para avaliação da percepção de bullying, os profissionais foram convidados a responder a versão brasileira do Negative Acts Questionnaire (NAQ-R); as variáveis satisfação no trabalho e trabalho em equipe foram extraídas das subescalas do Safety Atittudes Questionnaire short form 2006 versão brasileira. A maioria dos profissionais (60,9%) relatou não exposição ao bullying, 9,7% relatou ter sido exposto a atos de bullying e 29,4% considera-se eventualmente exposto aos atos negativos. Com relação à percepção do trabalho em equipe e intenção em permanecer no emprego, evidenciou-se correlação negativa entre a percepção de bullying e estas variáveis (r= -0,31 e r =-0,20 ), indicando que quanto maior a percepção de atos negativos, menor a percepção positiva de trabalho em equipe e menor a intenção em permanecer no emprego. A percepção de satisfação no trabalho foi positiva (75,51) e não apresentou correlação com bullying neste estudo. Apesar da baixa exposição efetiva ao bullying, a existência de um grupo de profissionais que eventualmente vivenciou atos negativos no ambiente de trabalho deixa o alerta para a necessidade de políticas de prevenção deste comportamento, evitandose os seus padrões mais severos na instituição de saúde.

Descritores: Bullying; Satisfação no Emprego; Enfermagem.

Linha de Pesquisa: Gestão de Serviços; Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde.

 

Priscila Moreno Sperling Cannavan

Título: AVALIAÇÃO DOS SINTOMAS E QUALIDADE DE VIDA NAS ARRITMIAS CARDÍACAS: ADAPTAÇÃO E VALIDAÇÃO DO ARRHYTHMIA SPECIFIC QUESTIONNAIRE IN TACHYCARDIA AND ARRHYTHMIA (ASTA) PARA A CULTURA BRASILEIRA

Data: 17/06/2019

Resumo: Os distúrbios do ritmo cardíaco são geralmente sintomáticos, e estão associados a várias manifestações, desde pequeno incômodo à sintomas incapacitantes, que podem influenciar a vida diária, causando uma redução das atividades habituais e repercurtindo na qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS). O Arrhythmia Specific Questionnaire in Tachycardia and Arrhythmia (ASTA) é um instrumento que mede quantidade de sintomas e QVRS em pacientes com taquiarritmias supraventriculares e ventriculares. É composto por 31 itens, incluso duas escalas específicas, uma que avalia quantidade de sintomas (ASTA-Symptoms Scale) e outra que mensura QVRS (ASTA-HRQOL), e podem ser usadas separadamente. Este estudo objetivou traduzir e adaptar culturalmente o instrumento ASTA para a língua portuguesa do Brasil e avaliar sua confiabilidade, validade de construto convergente e estrutural. Trata-se de um estudo metodológico de adaptação cultural e avaliação de propriedades psicométricas de questionários, segundo as normas internacionalmente aceitas, realizado por meio das etapas: (1) Tradução; (2) Síntese das traduções; (3) Retrotradução; (4) Revisão por um comitê de especialistas; (5) Préteste; (6) Avaliação das propriedades psicométricas. A amostra foi composta por 140 pacientes de um ambulatório público e de uma clínica privada especializados em arritmologia. Os participantes responderam a versão brasileira em adaptação do instrumento ASTA, a ficha de caracterização sociodemográfica e clínica, e as versão brasileira dos questionários Qualidade de Vida em Pacientes com Fibrilação Atrial - versão 2 (QVFA-v2) e o Whoqol-bref. Para a coleta e gerenciamento dos dados foi utilizada a plataforma REDCap e, para as análises, foram utilizados os programas SAS® versão 9.4, SPSS- v.22 e o Smart PLS® versão 3.2.1. Para verificar a confiabilidade, foi avaliada a consistência interna por meio do emprego do coeficiente alfa de Cronbach. Também foi avaliada a validade convergente por meio da evidência correlacional entre a escala de sintomas e o QFVA-v2 e entre a escala de QVRS e o WHOQOL-bref, com o emprego do coeficiente de correlação de Spearman. A validade estrutural foi avaliada por meio da análise fatorial confirmatória. A praticabilidade foi verificada mediante um instrumento específico desenvolvido e validado para este fim. O processo de tradução e adaptação cultural foi considerado apropriado. A avaliação pelos juízes e o pré-teste resultou em pequenas alterações no instrumento. No préteste, a versão foi considerada clara, com boa compreensão. Na análise da consistência interna, obteve-se um coeficiente alfa de Cronbach de 0,79 para o ASTABr- sintomas e 0,88 para a escala ASTA-Br-QVRS. A correlação entre o ASTA-Br- Sintomas com o QFVA-v2 e ASTA-Br-QVRS com WHOQOL-bref, por meio do coeficiente de correlação de Spearman, mostrou existir correlação de forte magnitude entre eles, 0,89 para ASTA-Br-sintomas e 0,86 e 0,75 para os domínios físico e mental do ASTA-Br-QVRS, respectivamente. A análise fatorial confirmatória indicou a exclusão de um item do ASTA-QVRS, mas foi mantido devido à sua significância clínica. O instrumento foi considerado de fácil compreensão pelos pacientes (93,8%). O processo de adaptação cultural e validação da versão brasileira do ASTA foi considerado satisfatório. A versão brasileira do instrumento demonstrou ser confiável, válida e de fácil compreensão para uso no contexto brasileiro, entre pacientes com taquiarritmias.

 DESCRITORES: Arritmias Cardíacas. Qualidade de Vida. Sinais e Sintomas. Estudos de Validação. Psicometria. Tradução.

Linha de Pesquisa: Tecnologia e inovação no cuidado de enfermagem e saúde.

 

Thelen Daiana Mendonça Ferreira

Título: AMBIENTE DA PRÁTICA PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM ENTRE INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

Data: 18/06/2019

Resumo: O ambiente da prática é definido como um conjunto de características organizacionais que facilitam ou dificultam a prática profissional da enfermagem. A existência desses facilitadores contribui para resultados positivos com pacientes, profissionais e instituições. Por isso, destaca-se a importância do desenvolvimento de pesquisas que avaliem a presença dessas características no ambiente de trabalho com o propósito de que estratégias possam ser implementadas para alcançar melhores resultados, além de possibilitar o benchmarking entre as instituições. Diante do exposto, os objetivos deste estudo foram: avaliar se existem diferenças nas características do ambiente da prática profissional da enfermagem e nas variáveis percepção da qualidade do cuidado, clima de segurança, exaustão emocional, satisfação profissional e intenção em deixar o emprego entre hospitais público e filantrópico; avaliar se em ambientes favoráveis são melhores os resultados para os pacientes, profissionais e instituições e descrever os itens que alcançaram médias inferiores à recomendada, no que se refere à avaliação das características do ambiente. Trata-se de um estudo comparativo, correlacional, quantitativo e transversal, conduzido em dois hospitais, um público e outro filantrópico, o qual atende 70% dos pacientes particulares e/ou provenientes da saúde suplementar. A amostra foi composta por todos os profissionais de enfermagem que atenderam aos critérios de inclusão. Para a coleta de dados foram utilizados: ficha para caracterização da amostra que continha duas questões, sendo uma para avaliação da percepção da qualidade do cuidado e outra para a intenção do profissional deixar seu emprego no próximo ano; a versão brasileira da Practice Environment Scale; a subescala Exaustão emocional do Inventário de Burnout de Maslach; as subescalas Satisfação profissional e Clima de segurança do Questionário Atitudes de Segurança Short Form. Os dados foram tabulados no programa Excel for Windows® e analisados pelo Software Statistical Package for the Social Sciences®. Foram utilizadas análises descritivas e inferenciais. As comparações entre os hospitais foram feitas por meio do teste de Mann-Whitney e também foi utilizada a regressão multinomial. As correlações foram expressas por meio do coeficiente de Spearman. A amostra foi composta por 589 profissionais de enfermagem. O ambiente da prática foi classificado como desfavorável no hospital público e favorável no hospital filantrópico. Foram encontradas diferenças estatisticamente significantes entre os hospitais em todas as subescalas da PES e a
regressão multinomial mostrou que o hospital filantrópico apresentou 6,2 vezes chance de possuir um ambiente mais favorável à prática da enfermagem quando comparado ao hospital público. Com relação à qualidade do cuidado, clima de segurança, exaustão emocional, satisfação profissional e intenção em deixar o emprego, o hospital filantrópico também apresentou melhor desempenho, em todas as variáveis (p<0,05). Na análise da correlação, foi encontrado que melhorias no ambiente podem contribuir de maneira significante para melhores resultados com pacientes, profissionais e instituições (p<0,0001). O hospital público apresentou 19 itens com médias inferiores à recomendada e o filantrópico, apenas dois. O ambiente do hospital filantrópico demonstrou ter características mais favoráveis e melhores resultados para os pacientes, profissionais e instituições quando comparado ao público. Implementar melhorias no ambiente é fundamental para a obtenção de melhores resultados.

Palavras-chaves: Ambiente de Instituições de Saúde. Enfermagem. Esgotamento Profissional. Satisfação no Emprego. Administração de Serviços de Saúde.

Linha de Pesquisa: Gestão de serviços, informação/comunicação e trabalho em saúde.

 

Julia Leme Gonçalves

Título: VALIDAÇÃO CLÍNICA DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM PERFUSÃO TISSULAR CARDÍACA DIMINUÍDA EM PACIENTES COM OBSTRUÇÃO DA ARTÉRIA CORONÁRIA

Data: 24/06/2019

Resumo: O objetivo geral desta pesquisa foi realizar validação clínica do diagnóstico de enfermagem Perfusão tissular cardíaca diminuída em pacientes com síndrome coronariana aguda (SCA). Estudo de validação de constructo clínico, com corte transversal, baseada na abordagem de testes diagnósticos. Foram incluídos pacientes com diagnóstico médico de SCA, idade igual ou superior a 18 anos, e que se encontravam na fase aguda da SCA. Os pacientes que apresentaram nos prontuários dados que não descreveram a condição clínica do momento da admissão ou que já tinham sido atendidos com terapia de reperfusão antes da admissão no serviço foram excluídos do estudo. Primeiramente foi realizado grupo focal para apreciar o instrumento com as definições conceituais e operacionais de cada característica definidora (CD). A fonte para coleta de dados foi do tipo primária e secundária, foi utilizado formulário contendo tópicos sobre as CD presentes no momento da internação dos pacientes. O método de análise de classe latente com efeitos randômicos foi utilizado para estimar a prevalência do diagnóstico de enfermagem (DE) e as medidas de sensibilidade e especificidade das CD. Os dados foram categorizados numa planilha do Excel e analisados pelo programa estatístico SPSS, versão 24.0. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Campinas. As CD mais frequentes foram: angina (100%), escore de dor maior que 7 (81.3%), alterações eletrocardiográficas (82,4%), arritmia (78%), enzimas cardíacas alteradas (76,4%), dispneia (61,6%), irradiação para ombro e mandíbula (55,4%) e tempo de dor menor que 10 horas (53,3%). A prevalência do DE foi de 64,5% e quanto às medidas de acurácia das CD, Náusea apresentou alto valor de sensibilidade (0,8469) e de especificidade (0,9999), Tontura e Vômito apresentaram alta sensibilidade (0,9026 e 0,9999) e moderada especificidade (0,6500 e 0,7521) e Frequência cardíaca alterada apresentou alta sensibilidade (0,8550). Esses dados apresentam que o diagnóstico de enfermagem Perfusão tissular cardíaca diminuída foi validado para pacientes com síndrome coronariana aguda.

Palavras-chaves: Processo de Enfermagem; Diagnóstico de Enfermagem; Acurácia dos Dados; Síndrome Coronariana Aguda.

Linha de Pesquisa: Tecnologia e inovação no cuidado de enfermagem e saúde.

 

Gabriella Paulão Previato Piton

Título: EXPERIÊNCIA DE ENFERMEIROS NO CUIDADO AO PACIENTE PSIQUIÁTRICO HOSPITALIZADO POR UMA COMORBIDADE CLÍNICA

Data: 23/07/2019

Resumo: Ao longo da história, houve uma ampliação do conceito de processo saúde-doença, visando atender as necessidades e peculiaridades do paciente. Para reconhecer a amplitude e a dinamicidade dos fatores que o envolvem, é importante considerar a integralidade no cuidado e levar em conta a influência de diversos aspectos, como sociais, filosóficos, humanísticos, culturais e
principalmente a singularidade do ser humano. As demandas em saúde apresentadas pelos pacientes psiquiátricos tem exposto os enfermeiros a lidarem com desafios acerca da garantia da  integralidade, vivenciando situações complexas e inespecíficas, para as quais os saberes tem se demonstrado insuficientes. Este desafio provoca novas reações ou reproduz a lógica das práticas instituídas, marcada por um olhar fragmentado acerca do paciente psiquiátrico com comorbidade clínica. Dessa forma, objetivou-se compreender a experiência do enfermeiro no cuidado ao paciente psiquiátrico hospitalizado por uma comorbidade clínica. Trata-se de um estudo qualitativo, com base no referencial teórico da fenomenologia social de Alfred Schutz. A entrevista fenomenológica foi realizada com dezesseis enfermeiros que atuam em Unidades de Internação de um hospital universitário do interior paulista, e foi guiada pelas seguintes questões norteadoras: “Você já cuidou de algum paciente psiquiátrico internado para o tratamento de comorbidades clínicas na unidade de internação de adulto? Conte-me como foi esse cuidado” e “Como você gostaria que fosse realizado este cuidado?”. A análise dos dados seguiu os passos indicados por pesquisadores fenomenológicos, que possibilitou a compreensão dos discursos dos enfermeiros e a estruturação de três categorias. Tais categorias incorporam os significados da realização desse cuidado, expressos no tempo passado e presente “motivos porque”, e os relacionados às expectativas projetadas para o futuro “motivos para”. A compreensão de tal experiência possibilitou a elaboração do tipo vivido do enfermeiro no cuidado ao paciente psiquiátrico hospitalizado por uma comorbidade clínica. Ao  relatarem como realizam o cuidado, a desarticulação da clínica ganhou destaque no discurso dos entrevistados nas três categorias apresentadas nos resultados deste estudo. Os enfermeiros configuraram o cuidado como uma ação distante do que eles consideram como um cuidado ideal e que visa o atendimento ao ser humano de modo integral. A atuação do enfermeiro sob estudo no cuidado ao paciente psiquiátrico hospitalizado por uma comorbidade clínica foi norteada pelo referencial biomédico, com ações voltadas para os aspectos biológicos e que confere uma pretensa neutralidade, que favorecem a prática médica e se distancia da valorização da subjetividade. Observou-se que o enfermeiro atribui a responsabilidade da qualidade do cuidado ao paciente psiquiátrico hospitalizado por uma comorbidade clínica a fatores externos a si, quando na verdade, esses aspectos deveriam ser componentes que o auxiliassem na construção de um cuidado integral. Para que o cuidado idealizado ao paciente psiquiátrico hospitalizado por uma comorbidade clínica se torne real, é necessário que o enfermeiro reconheça sua atuação clínica na enfermagem psiquiátrica por meio do relacionamento terapêutico, apontando-a como possibilidade para a garantia de uma assistência integral. Para tal, é necessário que o enfermeiro transforme o discurso em ações, iniciando a mudança em si mesmo.

 Palavras-chave: Saúde Mental; Comorbidade; Assistência integral à saúde; Hospitais gerais, Enfermagem, Enfermagem Psiquiátrica.

Linha de pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso.

 

Talita Maciel

Título: Autocuidado em Diabetes: Adaptação Cultural e Avaliação das Propriedades da Medida do “Diabetes Self-Management Questionnaire” - Revisado (DSMQ-R) no Contexto Brasileiro 

Data: 26/07/2019

Resumo: O Diabetes mellitus (DM) é um dos maiores problemas de saúde pública no mundo e uma das principais doenças crônicas não transmissíveis responsável por elevadas taxas de mortalidade globalmente. A modificação de comportamentos de autocuidado é importante para melhorar o prognóstico dessa doença e reduzir os riscos de complicações a longo prazo. Contudo, é necessário o uso de uma ferramenta confiável e válida para a avaliação do autocuidado nos pacientes com DM. Desta forma, há disponível na literatura o Diabetes Self-Management Questionnaire (DSMQR), o primeiro instrumento desenvolvido com o objetivo de avaliar o autocuidado em DM relacionados aos níveis glicêmicos. Portanto, este estudo tem como objetivo adaptar culturalmente e avaliar as propriedades da medida do DSMQ-R versão revisada. O processo de adaptação seguiu as recomendações internacionais, contemplando as etapas de tradução, síntese, retrotradução, avaliação por comitê de especialistas, que avaliaram a validade de conteúdo do instrumento, e pré-teste. Foram avaliadas as seguintes propriedades da medida: validade de construto estrutural, confiabilidade, validade de construto convergente entre o DSMQ-R e a versão brasileira do Summary of Diabetes Self-Care Activities Measure (SDSCA) e a validade de critério por meio da hemoglobina glicada (HbA1c). O DSMQ-R apresentou resultados satisfatórios de validade de conteúdo e de praticabilidade. A nova estrutura do instrumento foi composta por cinco domínios. Para análise do modelo fatorial, a etapa de análise da validade convergente resultou na exclusão dos itens DSMQ-R7, DSMQ-R10, DSMQ-R13, DSMQ-R14 e DSMQ-R17. Após a análise qualitativa dos
itens excluídos não houve prejuízo em relação a avaliação do  autocuidado. O modelo proposto indicou presença de validade discriminante por meio do critério de Fornell- Larcker e por meio da análise das cargas cruzadas. A versão brasileira do DSMQ-R foi composta por 15 itens sendo que 13 deles fazem parte da estrutura fatorial e as demais propriedades foram analisadas para essa versão. A confiabilidade foi avaliada por meio da Confiabilidade Composta e foram observados valores satisfatórios, acima de 0,7, com exceção do domínio Uso dos Serviços de Saúde que apresentou valor CC = 0,68, bem próximo ao ponto de corte e devido à relevância dos seus itens, estes foram mantidos. Todos os domínios do DSMQ-R apresentaram correlações significantes (<0,05) com os domínios do QAD. Em relação a avaliação da validade de critério com hemoglobina glicada não foi verificada correlação significante entre o escore total do DSMQ-R com os valores da HbA1c diferentemente da versão original que apresenta como diferencial a correlação com os níveis glicêmicos. Este é o primeiro instrumento desenvolvido para correlacionar o autocuidado com os níveis glicêmicos. Neste sentido, é importante que futuras pesquisas sejam realizadas utilizando o DSMQ-R para aperfeiçoá-lo a fim de que as suas limitações sejam minimizadas e para que eleve seu potencial clínico para auxiliar no desenvolvimento de intervenções voltadas à promoção de comportamentos de  autocuidado fundamentais para manutenção da estabilidade glicêmica das pessoas com DM.

Palavras-chaveDiabetes Mellitus; Autocuidado; Estudos de Validação; Inquéritos e Questionários; Enfermagem.

Linha de Pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado de Enfermagem e Saúde.

 

Regina Mayumi Utiyama Kaneko

Título: VALIDAÇÃO DE FORMULÁRIO PARA PLANEJAMENTO E ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS DE SIMULAÇÃO REALÍSTICA EM SAÚDE

Data: 30/07/2019

Resumo: Introdução: Todo ser humano tem direito à assistência segura, digna e livre de danos nas instituições de saúde. A simulação realista em saúde tem sido utilizada no ensino para a formação e educação permanente dos profissionais para promover uma assistência com qualidade, segurança e humanização. A elaboração de cenários para a implementação desta técnica é uma das fases importante para proporcionar ao participante uma experiência significativa e relevante no processo ensino aprendizagem. Apesar do seu uso crescente ainda há poucos estudos relacionados a roteiros teórico-práticos e manual operacional validados para a construção de cenários em simulação. A validação do formulário e seu manual operacional para a elaboração de cenários pelos juízes especialistas em simulação poderá facilitar a implementação e incorporação desta técnica nas instituições. Objetivos: Validar o conteúdo e a praticabilidade do Formulário de Planejamento e Elaboração de Cenários de Simulação Realística em Saúde (ForPEC) e seu Manual Operacional. Métodos: Tratou-se de um estudo metodológico de validação de conteúdo do formulário ForPEC e seu manual por peritos em simulação. Os oito juízes foram selecionados por meio da técnica de amostragem “bola de neve” e de acordo com os atributos do conceito de especialista/perito. Os juízes responderam um questionário de forma independente e individual e, a seguir, a validade do conteúdo foi mensurada pelo Índice de Validade de Conteúdo (IVC). Após as correções e inserções recomendadas pelos especialistas, 28 participantes, profissionais de saúde e professores, utilizaram os instrumentos (ForPEC e seu manual operacional) para a elaboração e piloto/teste dos cenários. Os participantes também foram convidados para a atividade de grupo focal, após a elaboração dos cenários. Resultados: Todos os itens do ForPEC e do manual operacional alcançaram o IVC acima de 0,80, exceto em dois itens. O IVC total dos instrumentos foi de 0,98. Os juízes  apresentaram 108 sugestões e comentários, dos quais, 79 foram incorporados ao ForPEC e seu manual. A avaliação da praticabilidade dos instrumentos realizada pelos participantes alcançou percentual de concordância acima de 96,43% em todas as alternativas exceto no item 3 (“Foi fácil a utilização do formulário ForPEC para a construção do seu cenário”) que apresentou 75% de concordância. Oito participantes participaram do grupo focal e o emprego desta técnica possibilitou a captura de valiosas impressões de avaliação dos instrumentos. As discussões do grupo focal foram categorizadas em completude,
praticidade e utilidade, de acordo com os comentários e sugestões. O ForPEC foi considerado um roteiro completo, flexível, prático, direcionador e intuitivo. Conclusão: O ForPEC e seu manual operacional demonstraram ser instrumentos válidos e a seleção criteriosa dos juízes proporcionou seu aperfeiçoamento com valiosos comentários e sugestões. Os instrumentos foram avaliados positivamente quanto a sua praticabilidade pelos participantes, após a elaboração de cenários técnicos e comportamentais, corroborados no grupo focal com sugestões para melhorias.

Palavras-chave: Simulação de Paciente; Treinamento por Simulação; Treinamento com
Simulação de Alta Fidelidade; Modelos Educacionais; Estudos de Validação

Linha de Pesquisa: Tecnologia e inovação no cuidado de enfermagem e saúde

Cristina Kano Inazumi

Título: COCHILO EM ADOLESCENTES E FATORES RELACIONADOS:
ESTUDO DE BASE POPULACIONAL

Data: 30/07/2019

Resumo: INTRODUÇÃO: A adolescência compreende o período de transição da infância para a vida adulta, ao longo do qual têm sido observadas alterações na qualidade e quantidade de sono nesta faixa etária. Os cochilos podem estar presentes e com repercussões no cotidiano. OBJETIVO: Analisar os fatores associados ao cochilo
em adolescentes. MÉTODO: estudo transversal de base  populacional. Realizado com dados do Inquérito de Saúde do Município de Campinas, São Paulo, Brasil (ISACamp) - 2014/2015, referentes aos participantes da faixa etária de 10 a 19 anos (n=1022). A variável dependente foi o relato de cochilo, e as independentes foram características sociodemográficas, hábitos de vida e saúde, solidão, satisfação com a vida e hábitos de sono. Foram realizados análise descritiva e testes apropriados para os objetivos formulados, compreendendo teste do Qui-quadrado de Rao-Scott, teste t de Student e modelos de regressão de Poisson múltipla com variância robusta. O valor de p ≤ 0,05 foi adotado como nível crítico. O software Stata 14.0 no modo survey foi utilizado para a análise dos dados. Resultado: dentre os 1022 adolescentes, a média de idade foi 14,6 anos (DP=2,74), predomínio do sexo masculino (50,9%), a maior parte realizava atividades física (72,3%) e já havia experimentado bebida alcóolica (53,3%). Verificou-se que 72,2% estavam muito satisfeitos com a vida e 67,3% nunca se sentiram isolados. A prevalência de cochilos foi de 40,5% e dentre os que cochilavam, 91,8% o faziam intencionalmente. Houve
associação entre a presença de cochilo e sexo feminino (p=0,006), uso de medicamentos (p=0,001), prática insuficiente de atividade física (p=0,036), menor frequência de sentir-se bem disposto ao acordar (p=0,004), apresentar-se nada ou mais ou menos satisfeitos com a vida (p=0,008), a menor duração do sono durante a semana (p<0,0001) e ao maior índice de necessidade do sono (p<0,0001). O cochilo não intencional mostrou-se associado a pertencer a outras raças que não branca (p=0,003), quase nunca sentir-se disposto ao acordar (p<0,0001) e sentir-se isolado muitas vezes ou sempre (p≤0,001). O cochilo associou-se de forma independente à menor disposição ao acordar (RP=1,09, IC95%:1,03-1,16), à menor duração média do sono (RP=0,97, IC95%:0,96-0,99) no modelo 1 e, no modelo 2, à menor disposição ao acordar (RP=1,07, IC95%:1,01-1,14) e ao maior índice de necessidade de sono (RP=1,02, IC95%:1,01-1,03). Conclusão: O estudo mostrou
que os cochilos são prevalentes nos adolescentes e relacionados à menor duração do sono, a percepção de maior necessidade de sono do que o obtido e à menor disposição ao acordar, sinalizando uma possível privação de sono. Enfatiza-se a necessidade de se conhecer as questões que permeiam o cochilo em adolescentes,
a fim de contribuir com subsídios para políticas públicas e ações de saúde voltadas para promover a qualidade do sono nessa faixa etária.

Palavras-chave: Sono; Adolescentes; Distúrbios do Sono por Sonolência Excessiva.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem da mulher, criança e adolescente.

 

Luciana Aparecida Costa Carvalho

Título: DELIRIUM EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Data: 30/07/2019

Resumo: Introdução: O delirium é definido como perturbação conjunta da atenção, consciência e cognição, desenvolvendo-se em breve período (horas ou dias), oscilando quanto a gravidade ao longo do dia, sendo resultado de alguma alteração fisiológica. Apresenta incidência entre 3,6 até 68% na população geral, resulta em maior tempo de permanência hospitalar, maiores custos, maior ocorrência de eventos adversos, de institucionalização, pior evolução clínica, maior risco de readmissão e reoperação, piora do declínio cognitivo e funcional, maior tempo de permanência na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e aumento do tempo de Ventilação mecânica. A identificação de seus fatores de risco (FR), juntamente com suas definições conceituais (DC) e operacionais (DO) por meio da elaboração de um diagnóstico de enfermagem (DE) de risco torna-se relevante, para que ações sistematizadas de enfermagem sejam implementadas objetivando a diminuição desse desfecho. Objetivos: Analisar o delirium como alteração cognitiva aguda específica em pacientes internados em UTI, verificar sua incidência e FRs, construir um modelo de predição de risco e elaborar um DE de risco. Método: Estudo composto por duas etapas, sendo a primeira referente a Revisão Integrativa (RI) da literatura que subsidiou identificação dos FRs e suas respectivas DC e DO, seguido de análise de conteúdo por meio de grupo focal, que discutiu relevância, abrangência e compreensibilidade dos resultados da RI. Segunda etapa, validação clínica, realizada em uma UTI geral de um hospital público de ensino, identificou os FR e delirium na população internada. A amostra, composta por 102 pacientes avaliados diariamente até o desenvolvimento do delirium, alta da UTI, óbito ou transferência. O instrumento de rastreio foi o Confusion Assessment Method Intensive Care Unit , realizada estatística descritiva para a caracterização da amostra e as medidas de acurácia, quais sejam sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo, para comparações envolvendo uma variável qualitativa e uma variável quantitativa foi aplicado o teste t de Student não pareado ou o teste não-paramétrico de Mann-Whitney, de acordo com a distribuição dos dados, a qual foi avaliada por meio do teste de Shapiro-Wilk. Para estudar as associações entre as variáveis qualitativas foi aplicado o teste Qui-quadrado. Resultados: Identificação dos FRs, construção das DC e DO, identificação dos FRs mais preditivos em pacientes de UTI (hipoalbuminemia, American Society of Anestesiology maior que três, gravidade do paciente, alteração da perfusão tissular, desidratação e sexo masculino) e os precipitantes (restrição física, infecção, agente farmacológico, polimedicação, anemia, dias de UTI, alteração da função renal, desidratação, dispositivos invasivos (> 2), alteração da perfusão tissular, alteração na qualidade e quantidade do sono e tempo do procedimento anestésico-cirúrgico). Além disso, a elaboração do DE “Risco de delirium” com classificação dos FRs em condições associadas, população em risco e FRs com intervenções de enfermagem independentes. Considerações finais: A elaboração do referido DE subsidia o enfermeiro para atuar, independentemente e sistematicamente, sobre seus FRs, proporcionando um ambiente tranquilo, seguro e humano, evidenciando a importância da família e da consequente humanização do cuidado neste processo.

Palavras-chave: Fatores de Risco; Unidades de Terapia Intensiva; Delírio; Diagnóstico de Enfermagem.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem do Adulto e Idoso.

 

Luisa Gomes de Márcio

Título: MEDIDA OSCILOMÉTRICA DA PRESSÃO ARTERIAL EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL: OBSERVAÇÃO DO PROCEDIMENTO REALIZADO POR PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Data: 16/12/2019

Resumo: Introdução: A técnica oscilométrica de verificação de pressão arterial (PA) é a mais utilizada nas unidades de terapia intensiva neonatais (UTIN) brasileiras. Guidelines recomendam o uso dessa técnica, mas não descrevem as especificidades desse procedimento em recém-nascidos, contexto no qual oscilações de PA são frequentes e a identificação de valores fidedignos são fundamentais para o direcionamento de condutas. Objetivos: Avaliar como o procedimento de medida de pressão arterial pelo método oscilométrico é realizado pela equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal. Método: Estudo descritivo e transversal, em unidade neonatal de hospital público de ensino, em Campinas-SP. O procedimento de mensuração de PA, realizado por técnicos e enfermeiros, foi observado em diferentes turnos de trabalho. Foi realizada a observação direta do procedimento durante os cuidados de enfermagem, com preenchimento de roteiro sistematizado que abrangeu preparo do paciente, manuseio do manguito e equipamento para a realização do procedimento, bem como seu registro. Para as análises foram utilizados os softwares estatísticos Statistical Analysis System (SAS), versão 9.4, e Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 22.0. Nas análises estatísticas inferenciais, foram utilizados os seguintes testes para as comparações: Mann-Whtiney; Kruskal-Wallis e o teste t de Student não pareado. As correlações entre as variáveis quantitativas foram avaliadas por meio do coeficiente de correlação de Spearman. O número de acertos quanto às recomendações da literatura na realização de cada procedimento foi obtido por meio da soma de respostas “sim” aos itens observados, dividido pelo total de respostas, excluindo-se os itens que não eram aplicáveis para cada paciente. O resultado dessa operação foi multiplicado por 100. Foram seguidas as recomendações da Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde, sendo o estudo aprovado pelo Comitê de Ética sob o Parecer 2.981.492, de 2018. Resultados: Dentre 150 observações, os cuidados relacionados ao preparo do paciente para a mensuração de PA foram contemplados em 60% ou mais dos procedimentos. Quanto aos monitores utilizados, foi observado que em 97,3% dos procedimentos estavam em boa condição de conservação, mas somente em 6% o aparelho havia passado por revisão nos últimos seis meses. Em análise comparativa, não houve diferença significativa entre as categorias profissionais e o índice de acerto no procedimento (p = 0,03933). Foi obtido o valor de PA na primeira tentativa quanto maior foi o índice de acerto na realização do procedimento (p < 0,0001). Conclusão:
Apesar de acertos observados quanto às recomendações para o procedimento de mensuração de PA, foram identificadas ações incorretas que podem interferir de forma substancial nos valores obtidos. Assim, para valores fidedignos de PA no contexto de UTIN, é necessário seguir condutas sistematizadas e planejadas, ter equipamentos e materiais voltados para a assistência neonatal, em condições adequadas de uso, bem como investir na educação da equipe.

Palavras-chave: Observação; Cuidados de enfermagem; Determinação da pressão arterial; Pressão arterial; Recém-nascido; Unidades de terapia intensiva neonatal.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente.

 

Doutorado

Cíntia Rachel Gomes Sales

Título: MOTIVAÇÕES PARA TRABALHO VOLUNTÁRIO EM SAÚDE COM
COMUNIDADES INDÍGENAS

Data: 27/02/2019

Resumo: Introdução: O Brasil é caracterizado por aproximadamente duas centenas de etnias indígenas, distribuídas por quase todo País. São povos culturalmente diferentes da sociedade convencional devido a sua cosmologia, línguas, formas de subsistência, organização social e sistema político peculiares. O censo brasileiro identificou maior concentração de povos indígenas na região Norte e, menor, na região Sul. Devido a essa sociodiversidade, ainda há o desafio do acesso universal e equânime aos serviços de assistência à saúde aos povos indígenas. Uma grande parcela da população não tem acesso a serviços de atendimento cirúrgico, visto que no mundo há um déficit de profissionais da saúde. Historicamente, organizações não governamentais (ONGs) vêm tentando suprir essa necessidade tão específica. Porém, a exata contribuição desses órgãos não tem sido bem documentada. As desigualdades sociais no Brasil têm fomentado o estabelecimento de novas organizações e, com isso, a atividade voluntária fortalece-se e amplia sua rede de voluntários em novos espaços. Diante desse contexto, a OMS enfatiza que ações voluntárias são responsáveis pela transformação social e, atualmente, a sociedade brasileira anseia pela valorização e ampliação desse espaço para o enfrentamento dos problemas sociais.
Objetivos: O estudo objetivou analisar as motivações e o perfil do voluntariado que atua em uma ONG especializada em assistência cirúrgica na saúde indígena em áreas remotas e de difícil acesso na região Norte do Brasil.
Métodos: Para a coleta de dados, foram aplicados quatro questionários: Questionário Sociodemográfico, Estilo de Vida, Trabalho e Saúde (QSETS); Questionário Semiestruturado; Inventário de Funções do Voluntariado (IFV) e Índice de Capacidade para o Trabalho (ICT) em 102 profissionais da saúde e outras áreas, que compunham as equipes de voluntariado da Organização Não Governamental (ONG) dos Expedicionários da Saúde (EDS). Os dados foram analisados e apresentados com médias e respectivos desvios-padrão, medianas e intervalos interquartil (IQ), frequências e porcentagens. Os testes aplicados foram: Mann Whitney, Anova e Correlação de Pearson. O software utilizado foi o SAS versão 9.4
e SPSS versão 21. Para a análise dos dados referente ao Questionário Semiestruturado, adotou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC).
Resultados: Os resultados evidenciaram heterogeneidade entre o voluntariado dos EDS nos aspectos analisados no QSETS; na avaliação geral do IFV, observou-se que a função psicológica ‘valores’ apresentou o escore mais alto e que ‘carreira’ apresentou o mais baixo. Na avaliação da capacidade para o trabalho, o voluntariado apresentou o escore médio de 42,7 com DP (±3,04) na capacidade para o trabalho. Quando o ICT foi associado às outras variáveis, a única que se associou ao escore foi o tipo de profissão. Em relação ao Questionário Semiestruturado, foi evidenciado que voluntários de várias regiões do Brasil demonstraram semelhantes motivações em relação aos aspectos de solidariedade para se filiar, seguido do aprendizado sobre a cultura indígena. A disponibilidade da agenda pessoal e profissional foi relatada pela maioria como o principal desafio para se manter ativo neste voluntariado. A missão e os valores da ONG foram motivos manifestados tanto para permanecer quanto para desistir. Os voluntários apontaram a organização e logística de montagem das Expedições no contexto da saúde indígena como uma das maiores dificuldades da ONG.
Conclusão: Constatou-se boa capacidade para o trabalho e motivação de expressar valores altruístas e humanitários, bem como colocar em prática conhecimentos e habilidades, na maioria dos voluntários dos EDS. O estudo amplia o conhecimento sobre o trabalho voluntário dos Expedicionários da Saúde ao identificar os principais aspectos que motivam indivíduos a se filiar a uma ONG que presta assistência aos povos indígenas no Norte do Brasil, segundo suas próprias perspectivas e crenças em relação ao cuidado e atenção ao próximo.

 Descritores: Motivação. Trabalho Voluntário. Organização Não Governamental. Saúde de Populações Indígenas.

Linha de Pesquisa: Trabalho, Saúde e Educação.

 

Carla Klava dos Reis Dutra

Título: AMBIENTE DE PRÁTICA DA ENFERMAGEM E SUA RELAÇÃO COM AS RAZÕES PARA OMISSÃO DO CUIDADO, SATISFAÇÃO
PROFISSIONAL E CLIMA DE SEGURANÇA

Data: 04/07/2019

Resumo: O ambiente de prática da enfermagem, entendido como ambiente de trabalho com características organizacionais que facilitem ou restringem as atividades profissionais da equipe de enfermagem, é complexo e difícil de avaliar. Ainda, evidências apontam a relação deste constructo com o fenômeno de omissão do cuidado, satisfação profissional e com a segurança do paciente. Entretanto, não há estudos sobre a relação do ambiente de prática com as razões para omissão do cuidado de enfermagem no Brasil. Trata-se de um estudo quantitativo, transversal, correlacional, que avaliou, sob a percepção da equipe de enfermagem, o ambiente e sua relação com as variáveis omissão e razões para não realização do cuidado de enfermagem, clima de segurança e satisfação no trabalho. Os dados foram coletados nos meses de abril e outubro de 2017 em dois hospitais públicos do interior do estado de São Paulo, por meio da ficha de caracterização pessoal e profissional e dos instrumentos: Practice Environment Scale (PES) - versão brasileira; MISSCARE-BRASIL e as subescalas satisfação no trabalho e clima de segurança do Safety Attitudes Questionnaire (SAQ) - short form versão em português. Participaram do estudo 219 profissionais de enfermagem que atuavam na assistência direta aos pacientes em unidades de internação e terapia intensiva adulto. Foram realizadas análises descritivas e inferenciais, sendo considerado nível de 5% de significância. Também foram elaborados modelos teóricos de primeira e segunda ordem por meio de Modelo de Equações Estruturais considerando o Partial Least Squares como método de estimação. Os modelos buscaram avaliar a relação da percepção do ambiente de trabalho com as razões para omissão do cuidado, bem como efeito de moderação da satisfação no trabalho e clima de segurança. Os profissionais classificaram o ambiente como misto, representado favoravelmente pelos domínios fundamentos de enfermagem voltados para a qualidade do cuidado; habilidade, liderança e suporte dos coordenadores de enfermagem a equipe de enfermagem; e relações colegiais entre enfermeiros e médicos. Os profissionais do noturno avaliaram o ambiente de trabalho como ruim no que se refere a percepção dos aspectos de liderança e suporte de recursos. A maioria dos cuidados de enfermagem foi relatada como sempre ou frequentemente realizados pelos profissionais. Percepção positiva do clima de segurança e satisfação no trabalho foram relacionadas a menos  razões para a não realização do cuidado e a inadequação dos recursos laborais foi a principal razão apontada para a ocorrência de omissão do cuidado. Melhorar o ambiente de trabalho pode melhorar a percepção da equipe de enfermagem quanto à satisfação profissional, clima de segurança e diminuir a ocorrência de razões para omissão dos cuidados de enfermagem.

Palavras-chave: Segurança do Paciente. Prática Profissional. Ambiente de Instituições de Saúde. Equipe de Enfermagem. Satisfação no Emprego.

Linha de Pesquisa: Gerenciamento dos Serviços de Saúde e de Enfermagem.

 

Maura Cristiane e Silva Figueira

Título: PROCESSO DE TRABALHO NAS ESTRATÉGIAS SAÚDE DA FAMÍLIA FLUVIAIS E ATRIBUTOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE

Data: 12/07/2019

Resumo: A Estratégia Saúde da Família representa, atualmente, política essencial no âmbito da atenção básica para definir mudanças na reorganização das práticas de saúde realizadas em equipe. A reorientação do modelo assistencial de saúde no Brasil perpassa por mudanças nas organizações dos serviços de saúde. Novos arranjos assistenciais foram implementados para suprir as dificuldades no acesso e na qualidade dos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em especial a organização do processo de trabalho dos profissionais que compõem as equipes de Saúde da Família. Dos arranjos assistenciais criados, destaca-se as Estratégias de Saúde da Família Fluviais com a finalidade de proporcionar assistência às comunidades do interior com acesso pelos rios. Objetivo: a partir dessa perspectiva, este estudo objetiva compreender e analisar o processo de trabalho dos profissionais das equipes de Saúde da Família Fluviais e avaliar os atributos da Atenção Primária em Saúde, no contexto das populações ribeirinhas, no município de Santarém-Pará-Brasil. Metodologia: o estudo teve abordagem qualitativa e quantitativa, com análise documental, entrevistas semiestruturadas com sete gestores da APS e 27 profissionais das equipes, grupo focal e observação participante do trabalho das equipes nas unidades fluviais e nas comunidades, e aplicação do Primary Care Assessment Tool (PCATool), versão reduzida adulto, a 342 usuários ribeirinhos (amostra intencional) nas comunidades, sendo esse instrumento para avaliar os atributos da APS. Para os dados qualitativos, utilizou-se como referencial teórico o Processo de Trabalho em Saúde e metodológico, a Pesquisa Ação, com análise do conteúdo do material coletado. Os dados quantitativos foram analisados pelos resultados dos escores sobre os atributos da APS, utilizando o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) 24. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Estadual de Campinas, conforme parecer Nº 2.079.984 de 24/05/2017. Resultados: foram elaborados cinco artigos: Acesso aos serviços da Atenção Primária em Saúde: revisão integrativa da literatura; Longitudinalidade na Atenção Primária em Saúde: revisão integrativa da literatura; Processo de trabalho das equipes saúde da família fluviais na ótica dos gestores da Atenção Primária; Avaliação da Atenção Primária por usuários da Saúde da Família Fluvial em comunidades ribeirinhas; Saúde da família fluvial: processo de trabalho das equipes em comunidades ribeirinhas. As etapas da pesquisa ação permitiram reflexão, revisão do processo de trabalho e implementação de ações para melhoria, como incrementar instrumentos materiais e imateriais. Considerações finais: a metodologia utilizada neste estudo poderá servir de modelo para estudos mais completos de análise do processo de trabalho e da avaliação da atenção primária, bem como auxiliar a gestão do SUS, na busca pela melhor qualificação dos serviços de saúde. Obtiveram-se como propostas conjuntas dos gestores e trabalhadores o fortalecimento das equipes nas comunidades com estrutura para o trabalho; incrementar a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares; reorganizar o fluxo assistencial para usuários ribeirinhos; proporcionar melhorias no processo de trabalho (instrumentos materiais e imateriais); atentar para saúde ao trabalhador; reestruturar as equipes fluviais como arranjo fundamental para o trabalho na área. Este estudo contribuiu para reflexão da política de saúde para populações ribeirinhas no município, de maneira a contemplar o recomendado para atenção primária à saúde, por meio dos atributos.

Linha de Pesquisa: Gestão de Serviços, Informação/Comunicação e Trabalho em Saúde.

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde; Saúde da Família; Sistema Único de Saúde; Avaliação em Saúde.

 

Viviane Carrasco

Título: O EFEITO DE UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA PARA O ENSINO DE ENFERMEIROS SOBRE TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL

Data: 28/06/2019

Resumo: A educação permanente em saúde é fundamental nos serviços, sendo considerada uma estratégia para o enfermeiro incentivar e promover mudanças na prática do conhecimento e atuação profissional. Nesse contexto, o presente estudo teve por objetivo avaliar a eficácia do uso da simulação clínica para o conhecimento de enfermeiros sobre terapia nutricional enteral. Trata-se de um estudo quase-experimental do tipo pré e pós-teste de braço único cujo cenário foi uma instituição de saúde pública hospitalar, no município de Montes Claros, Minas Gerais. Para avaliar o efeito da intervenção foi construído e submetido à validação de conteúdo e semântica um instrumento intitulado Conhecimento dos enfermeiros sobre terapia nutricional enteral (CENFTNE), contendo 40 itens distribuídos em 4 domínios (1. Indicação de terapia nutricional enteral; 2. Técnica de inserção da sonda de alimentação; 3. Monitoramento; e 4. Controle das intercorrências), o qual foi aplicado antes e após a intervenção educativa. O estudo foi desenvolvido com enfermeiros assistenciais das unidades de internação de pacientes adultos em uso de terapia nutricional enteral, no período de setembro de 2018 a março de 2019, incluindo o estudo piloto, o pré-teste, o pós-teste (mensuração do conhecimento por meio do instrumento) e aplicação da intervenção. Foram construídos e validados com três especialistas dois cenários de simulação que abordaram os domínios do CENFTNE e que seguiram o referencial do Jeffries Simulation Theory. Participaram do estudo 41 enfermeiros, os quais foram divididos em cinco grupos. Na análise dos dados, para validação de conteúdo e semântica, aplicou-se o teste de percentual de concordância e adotou-se como critério de aceitação um valor de concordância igual ou superior a 0,90. Para avaliar o efeito da intervenção foram empregados os testes t de Student pareado e o teste de Wilcoxon pareado para avaliar o efeito por domínios e o de McNemar para as comparações com relação aos itens do CENFTNE. Verificou-se que, na validação de conteúdo, dos 40 itens do instrumento, os domínios 1 e 3 apresentaram melhores percentuais de concordância entre os juízes. Quanto aos requisitos de avaliação, os itens que obtiveram valores abaixo de 0,90 foram reformulados e alguns retirados do instrumento, resultando em 38 itens distribuídos nos quatro domínios. A validação semântica foi realizada com amostra de 30 enfermeiros no período de setembro e outubro de 2018, houve percentual de concordância total igual a 0,90. Em relação à intervenção educativa com uso da simulação clínica, houve uma diferença significante de conhecimento dos enfermeiros na aplicação do instrumento com p valor < 0,001 comparado com pré-teste para todos os domínios do CENFTNE. No checklist dos avaliadores durante a simulação, houve 100% de concordância. Os resultados deste estudo mostraram que a simulação clínica com o uso de dois cenários validados sobre o uso de terapia nutricional enteral foi efetiva para o aumento de conhecimento dos enfermeiros mensurados após a intervenção.Contudo, mais pesquisas são necessárias para confirmar a validade e confiabilidade deste instrumento, bem como avaliar o uso de outros cenários de simulação para a prática do enfermeiro em terapia nutricional enteral.

Descritores (DeCS): Enfermagem. Nutrição Enteral. Simulação de paciente. Estudos de Validação. Cuidados de Enfermagem.

Linha de Pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado de Enfermagem e Saúde.

 

Luís Gustavo da Silva Fagundes

Título: PERFIL DOS TRABALHADORES E AVALIAÇÃO NORMATIVA DAS SALAS DE VACINAÇÃO DE UMA REGIÃO AMPLIADA DE SAÚDE DO SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Data: 27/06/2019

Resumo: O impacto das vacinas na saúde e longevidade das pessoas é um dos capítulos mais marcantes da história da ciência. No contexto da prática vacinal, destacam-se os profissionais de enfermagem que têm vivenciado todo o dinamismo da vacinação, tendo de se adequar às demandas emergentes. Contudo, faltam pesquisas que descrevam os atores de enfermagem envolvidos no cotidiano da vacinação. Devido à heterogeneidade das realidades locais, estudos que avaliem o grau de adequação das normas e diretrizes estabelecidas pelo Programa Nacional de Imunização devem ser mais frequentes. Assim, objetivamos caracterizar o perfil dos profissionais de sala de vacinação e analisar a conformidade dos serviços públicos de imunização, na Região Ampliada de Saúde de Alfenas. Para avaliação dos serviços de saúde, destaca-se a Tríade de Donabedian, centrada em: Estrutura, Processo e Resultado. Enfatizamos a avaliação normativa, na qual se faz julgamento sobre uma intervenção. O estudo foi desenvolvido em duas etapas. Etapa 1, realizou-se revisão integrativa da literatura, identificando-se a contribuição profissional e social da enfermagem em vacinação. A revisão de literatura foi feita nas bases Medline, SciELO, Lilacs, BDENF, PubMed, CINAHL e Scopus, de 2010 a 2017, com uma amostra de 49 artigos. A maior parte dos artigos foi classificada com nível VI de evidência. Estudos controlados e randomizados de nível III representaram 10,20%. As quatro categorias temáticas foram agrupadas da seguinte forma: cobertura vacinal 42,86%; administração de vacina 28,58%; educação sobre vacinação 14,28%; e gerenciamento/supervisão 14,28%. A maioria dos artigos destacou aspectos de gerência/supervisão e educação sobre vacinação. Etapa 2, caracterização dos profissionais se deu por pesquisa descritiva. Empregou-se avaliação normativa das salas de vacinação, ambas com delineamento transversal, para classificar o grau de conformidade em: adequado, não adequado, e crítico. A análise estatística foi realizada pelo software SAS versão 9.4. O perfil dos 99 participantes revelou população mais madura, média de idade de 44 anos (DP + 9,49) e forte feminilização da força de trabalho (92,93%). Tempo de profissão predominante > 20 anos. Auxiliares/técnicos de enfermagem exclusivos para vacinação (52,86%). Experiência autorreferida “razoável experiência”. Houve diferença entre tempo de atuação e experiência em vacinação (p < 0,0001). A principal fonte de informação: leitura de manuais/normas técnicas (91,92%). Um quarto das 43 salas de vacinação da Região Ampliada de Saúde de Alfenas avaliadas eram adequadas; a maioria (74,42%) era não adequada. Não houve diferença entre porte populacional e grau de conformidade (p=1,0000). Quanto ao componente estrutura, destacam-se a utilização da sala de vacinação para outras atividades e a presença de câmara fria na maioria das salas. Em relação ao componente processo, o subcomponente “conservação dos imunobiológicos” foi adequado, na grande maioria das salas estudadas. O subcomponente “administração do imunobiológico” obteve o maior percentual de salas não adequadas, evidenciando-se a não administração de todos os imunobiológicos durante todo o período e dias de funcionamento. O ponto mais crítico foi identificado no subcomponente “educação permanente”. O estudo permitiu conhecer o perfil dos profissionais e identificar as fragilidades na Estrutura e no Processo das salas de vacina, fornecendo subsídios para sua adequação.

Descritores: Vacinação. Imunização. Programas de imunização. Avaliação de serviços de saúde. Gestão de Serviços de Saúde. Enfermagem em saúde pública.

Linha de Pesquisa: Gestão de serviços, informação/comunicação e trabalho em saúde.

 

Rafael Silva Marconato

Título: CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E DESFECHO DOS ATENDIMENTOS NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE PREDIÇÃO DE TRÊS PROTOCOLOS

Data: 28/06/2019

Resumo: Introdução: A classificação de risco (CR) é uma estratégia para organizar os atendimentos de emergência com protocolos para auxiliar a avaliação, pois as Unidades de Emergência, geralmente superlotadas, são uma das principais portas de entrada ao sistema de saúde. A Unidade de Emergência Referenciada (UER) estudada baseou-se em três instrumentos para CR entre 2004 e 2017: Protocolo 1
(PBEP) – no HumanizaSUS (Ministério da Saúde); Protocolo 2 (PI) – Institucional; e Protocolo 3 (PBSM) – no Sistema de Manchester®. Diante dessa diversidade, acompanhar a eficácia da CR é importante para uma assistência segura. Objetivo: Comparar o valor preditivo da CR aos desfechos dos atendimentos utilizando os protocolos: Baseado na Expertise do Profissional (PBEP), no Protocolo Institucional (PI) e no Sistema de Manchester® (PBSM). Método: Estudo de coorte retrospectiva realizado em um hospital universitário de alta complexidade do interior paulista através dos atendimentos de maiores de 14 anos registrados na UER. Os dados coletados em 2018 contemplam três períodos, conforme protocolo aplicado: 1º período – entre 01/01 e 31/12/2008 (PBEP); 2º período – 01/01 a 31/12/2014 (PI); e 3º período – 01/06/2017 a 31/05/2018 (PBSM). Resultados e Discussão: Foram avaliados 216.667 atendimentos, sendo 72.648 em 2008, 89.187 em 2014 e 56.437 em 2017/18. Mudanças estruturais e administrativas justificam a redução dos atendimentos. A faixa etária predominante foi de 30 a 59 anos (46,9% a 48,3%), com destaque para ≥60 anos (19,8%/2008 para 29,9%/2017/18). Houve predominância do sexo masculino em 2008 e 2017/18 (51,9% e 51,2%); a maioria dos atendimentos ocorreu durante o dia (72,5% a 73,1%); a média do tempo de permanência variou de 8,7 a 16,3 horas; e a maioria permaneceu menos de 24 horas (82,8% a 92,3%). A porcentagem de óbito variou de 0,7% a 1,0%. Quanto à CR, 28,0% em 2014 a 51,6% em 2008 dos pacientes não foram classificados; e entre os classificados, houve concentração na categoria verde (42,1%/2014 a 65,4%/2008). A porcentagem de pacientes mais graves foi menor no PBEP (20,3%), seguido do PI (30,8%) e do PBSM (37,1%). Evoluíram para óbito 10,2% (PBSM), 8,2% (PBEP) e 2,6% (PI) de classificados como não graves. A maioria dos óbitos ocorreu entre os vermelhos – 32,3% (PBEP), 51,5% (PI) e 48,1% (PBSM); enquanto óbitos daqueles classificados como azul foram: 0,3% (2008), 0,3% (2014) e 0,9% (2017/18). O desfecho prevalente foi alta hospitalar (81,4% a 88,5%). Os protocolos apresentaram sensibilidade para óbito elevada – PI (0,97), PBEP (0,92) e PBSM (0,90) e especificidade de 0,80 (PBEP), 0,70 (PI) e 0,63 (PBSM). Quanto à sensibilidade de prever internação, os protocolos apresentaram valores menores: 0,64 (PBEB), 0,72 (PI) e 0,66 (PBSM). Conclusão: Os três protocolos apresentaram predição de óbito satisfatória. O PBEP tem maior especificidade para óbito e sensibilidade satisfatória; o PI obteve o melhor desempenho na sensibilidade para óbito e internações, mas, para ambos, baixa especificidade. O PBSM apresentou, apesar de satisfatórios, valores menores de sensibilidade na predição do óbito e internação. A CR obteve sucesso na UER, independentemente do protocolo, com classificação segura dos pacientes, onde poucos dos considerados não graves evoluíram a óbito.

Palavras-chave: Serviços Médicos de Emergência, Triagem, Identificação da Emergência, Protocolos, Enfermagem em Emergência, Enfermagem.

Linha de pesquisa: Gerenciamento dos serviços de saúde e enfermagem

 

Marisa Dibbern Lopes Correia

Título: VALIDAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM DOR AGUDA EM PACIENTES NÃO COMUNICATIVOS

Data: 24/06/2019

Resumo: A dor em unidade de terapia intensiva (UTI) é fenômeno complexo e pode estar associada à clínica do paciente, a procedimentos terapêuticos e diagnósticos, levando a alterações da mecânica respiratória, aumento da demanda cardíaca, espasmos, rigidez e contrações musculares. O enfermeiro pode avaliar a dor e nomear o diagnóstico de enfermagem (DE) Dor Aguda (00132), proposto pela NANDA-Internacional, mas é fundamental que os DE sejam revisados e avaliados em diferentes populações para utilização de termos padronizados e validados. Este estudo teve como objetivo validar o DE Dor Aguda entre pacientes não comunicativos. O método constou de duas etapas: 1. análise de conteúdo por 49 juízes, após revisão integrativa para definição conceitual e operacional das 17 características definidoras (CD) e definição conceitual dos três fatores relacionados (FR) do DE. Os juízes foram classificados segundo critérios de experiência clínica, ensino e pesquisa na área e avaliaram o conteúdo utilizando uma escala Likert considerando cada CD e FR entre 1-nada característico e 5-muito característico do diagnóstico para a população específica; 2. validação clínica e análise de medidas de acurácia, em estudo observacional, longitudinal com avaliações repetidas, com pacientes criticamente enfermos maiores de 18 anos, de ambos os sexos, que possuíam algum tipo de impedimento à comunicação verbal, internados nas unidades durante o período de coleta de dados e que estavam sob ventilação mecânica invasiva. Foram excluídos os pacientes capazes de utilizar comunicação verbal ou outros métodos de comunicação e aqueles em situações que pudessem comprometer a expressão comportamental de dor, além daqueles que apresentassem algum impedimento à mudança de decúbito. O cálculo do tamanho amostral foi de 91 pacientes. Na análise dos juízes foi aplicado o teste binomial após recodificação da escala Likert, com proporção de concordância entre os juízes maior ou igual a 85%. Na validação clínica foi utilizada sensibilidade, especificidade e valor preditivo positivo e negativo para identificar as CD com melhor poder de predição do DE. Participaram 53 juízes, a maioria com titulação máxima de mestrado ou doutorado, com tempo de formação médio de 15,07 anos e tempo de experiência em UTI de 10,13 anos. Foram validadas, com significância estatística, as CD comportamento expressivo, diaforese, evidência de dor usando lista para pessoas incapazes de comunicação verbal, expressão facial de dor e relato de outra pessoa sobre comportamento da dor. Não foram validadas aquelas direcionadas ao autorrelato e interação com o ambiente. O título, a definição do diagnóstico, as demais CD e fatores relacionados apresentaram p-valor >0,05 e concordância >85% foram consideradas como validadas para a população. Na validação clínica foram examinados 108 pacientes que recebiam excesso de sedação e pouca analgesia, segundo guidelines. Foram validadas as CD Expressão fácil e Evidência de dor usando lista para pessoas incapazes de comunicação verbal. Espera-se que este trabalho possa evidenciar aos enfermeiros as CD apresentadas pelos pacientes não comunicativos, que subsidiarão a indicação do DE Dor Aguda, favorecendo o estabelecimento de intervenções e correta avaliação da evolução do paciente no tratamento proposto. Além disso, serão submetidas à NANDA-I sugestões de refinamento dos componentes do DE.
 

Palavras-chave: Enfermagem; Diagnóstico de Enfermagem; Estudos de Validação; Dor Aguda; Cuidados Críticos.

Linha de pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado de Enfermagem e Saúde

 

Priscila Peruzzo Apolinário

Título: O USO DO GEL DE INSULINA EM LESÕES CUTÂNEAS DE
CAMUNDONGOS HIPERGLICÊMICOS

Data: 03/05/2019

Resumo: O reparo tecidual é um processo biológico, complexo e dinâmico. Na presença do Diabetes Mellitus (DM), o processo de cicatrização sofre uma alteração devida principalmente a respostas imunológicas locais e sistêmicas prejudicadas. Neste contexto, o uso tópico de insulina é um tratamento promissor, pois pode i) modular a fase inflamatória, ii) estimular a proliferação de fibroblastos, e iii) favorecer outras fases do processo de cicatrização, acelerando o processo e melhorando a qualidade do tecido cicatricial. OBJETIVO: Analisar os mecanismos moleculares e celulares do reparo tecidual de camundongos hiperglicêmicos em tratamento tópico com gel de insulina. MATERIAIS E MÉTODOS: estudo realizado com animais hiperglicêmicos (n=48) com lesões cutâneas divididos em dois grupos: 1. grupo controle (CTRL), tratados com gel placebo sem insulina; e 2. grupo insulina (INS), tratados com gel de insulina. O DM foi induzido com estreptozotocina 5x50mg intraperitoneal e as lesões na região dorsal foram tratadas diariamente. Os tecidos da região lesada foram retirados no 4°, 7°, 10º e 14° dias pós-lesão para análises. O processo de cicatrização foi avaliado por: 1. morfometria das lesões; 2. histologia (hematoxilina & eosina); 3. presença de fibras de colágeno usando a coloração de PicroSirius; 4. expressão das citocinas anti-inflamatórias IL4 e IL-10, e das citocinas  próinflamatórias IL-1β, IL-6, TNFα e MCP-1 por Bioplex; 5. expressão do VEGF rec1, VEGF e Arginase I por Western Blot; 6. quantificação das proteínas da via de sinalização de insulina IR-β, IRS-1, p44/42MAPK, AKT123 e GSK3 por Western Blot; e 7. pela imunomarcação dos anticorpos Arginase I e TNFα. As análises estatísticas foram realizadas por meio do teste t-Student, considerando um nível de significância de p<0.05 (Intervalo de Confiança de 95%). Este estudo foi aprovado pela Comissão de ética no Uso de Animais da Universidade Estadual de Campinas (n. 4234-1). RESULTADOS: Os animais nos grupos CTRL e INS não apresentaram alterações nas médias iniciais e finais de peso, assim como o gel de insulina não alterou os níveis de glicose séricos dos animais hiperglicêmicos. A macroscopia das lesões dos grupos experimentais não revelou diferença entre os grupos, mas a análise microscópica mostrou que o gel de insulina estimulou o início mais precoce da fase inflamatória no grupo INS, com diminuição do edema no dia 4, formação do tecido de granulação mais organizado no dia 7, reepitelização orientada e organizada no dia 10, bem como presença de folículos capilares no dia 14. Houve também uma maior quantidade, organização e intensidade de fibras de colágeno no dia 14 no grupo INS. Em comparação, o grupo CTRL apresentou uma maior quantidade de edema no dia 4, tecido de granulação menos organizado no dia 7, carência de reorganização do tecido epitelial no dia 10 e ausência de folículos capilares com menor quantidade e organização das fibras de colágeno no tecido cicatricial do dia 14. Ocorreu modulação das citocinas anti-inflamatórias IL4 e IL10 em INS no dia 10, assim como maior expressão de Arginase I, VEGF rec1 e VEGF no dia 10 em INS comparados a CTRL, indicando fase proliferativa mais precoce com o uso do gel de insulina. Em INS a ativação da via de sinalização da insulina pelo gel de insulina ocorreu via IRβ, IRS1 e GSK3 no dia 10 e AKt e IRS-1 no dia 14. A expressão significativa e a imunomarcação de TNFα na epiderme em INS no dia 10 sugerem uma associação a presença de folículos capilares neste mesmo grupo no dia 14, contudo mais pesquisas devem ser realizadas para confirmarem este achado. CONCLUSÃO: O gel de insulina para uso tópico modulou a fase inflamatória e a expressão de citocinas anti-inflamatórias em INS, o que favoreceu a deposição de fibras de colágeno e acelerou o processo de cicatrização de lesões no tecido epitelial em camundongos hiperglicêmicos.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

Palavras chave: Diabetes Mellitus; Cicatrização; Insulina; Feridas.

Cristiane Crisp Martins Ribeiro

Título: EFEITOS DA REINFLAÇÃO DO MANGUITO NA MENSURAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL EM MULHERES JOVENS COM O USO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS HORMONAIS

Data: 30/07/2019

Resumo: Devido à importância clínica e epidemiológica da pressão arterial (PA) para a obtenção de diagnósticos e dados precisos, medidas acuradas de PA são, cada vez mais, necessárias e fontes geradoras de erro na sua mensuração precisam ser estudadas e trabalhadas com o intuito de amenizar ou eliminar esses erros. O objetivo deste estudo transversal foi comparar os valores de PA obtidos em mulheres até 30 anos completos quando na introdução da reinflação do manguito, antes da deflação completa, na mensuração da PA e relacioná-los com o uso de contraceptivo hormonal oral. Para isso, foram realizadas medidas corretas e medidas com reinflação do manguito utilizando o manômetro aneroide e o estetoscópio. Os dados foram analisados por meio de análise descritiva e inferencial, usando para a comparação entre os grupos e as medidas modelos generalized estimating equations no programa Statistical Analysis Software (SAS) versão 9.4. Os resultados apontaram não haver diferenças clínicas e estatisticamente significantes tanto na comparação entre os grupos, sem (controle) e com uso de hormônio (teste), ambos com 38 participantes cada, quanto para as medidas, com e sem erro. O tempo de uso também não interferiu nos valores de PA. Apesar disso, observou-se que os valores da PA para o grupo de teste foram ligeiramente menores para todas as medidas em relação ao grupo controle, para o tempo de uso prolongado do hormônio esses valores se aproximaram do controle e que houve alternância entre as medidas de PA sendo os picos encontrados nas medidas com erro e os vales para as corretas. Concluiu-se que o uso de contraceptivos orais combinados somado à reinsuflação do manguito na mensuração da PA não apresentou diferenças estatisticamente significantes.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

Palavras-chave: Anticoncepcionais; Pressão Arterial; Determinação da Pressão Arterial; Anticoncepcionais Femininos; Anticoncepcionais Orais Combinados.

Andresa Mendonça de Oliveira                          

Título: SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO NA PERSPECTIVA
DA CONTINUIDADE DOS CUIDADOS EM ENFERMAGEM

Data: 31/07/2019

Resumo: Introdução: O cenário atual se caracteriza por visível fragmentação dos serviços e das ações em saúde. A supervisão na enfermagem possui uma importante função no gerenciamento da assistência prestada e o enfermeiro, em seu papel de líder da equipe, deve exercê-la continuamente para a melhoria da qualidade do cuidado. Existem estudos que abordam a questão da supervisão em enfermagem na prática assistencial, porém são incipientes quando a questão é compreender a abrangência e a importância dessa atividade voltada ao processo de formação e à continuidade dos cuidados. Objetivo: Analisar e sistematizar a atividade de supervisão desenvolvida no Estágio Curricular Supervisionado em enfermagem e sua articulação com a continuidade do cuidado. Método: Pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso. Os dados foram coletados no período de novembro de 2017 a janeiro de 2018 em uma universidade pública no interior de Minas Gerais. Participaram acadêmicos de enfermagem no último período do curso; docentes da Faculdade de Enfermagem e enfermeiros que atuavam na supervisão dos alunos em campo de prática. Utilizou-se dois referenciais teóricos: Teoria da Complexidade de Edgar Morin e Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire. Os dados coletados foram analisados por meio da Técnica de Análise de Conteúdo na modalidade Temática. Resultados: Os dados foram apresentados em quatro artigos, um tópico sobre a caracterização dos participantes e três tópicos complementares ao artigo dois. Foram incluídos 80 participantes, dos quais 53 são enfermeiros assistenciais, 19 acadêmicos e oito docentes. Foi possível compreender a atividade de supervisão nos estágios como um processo composto por cinco principais fases: objetivo dos estágios, preparo do campo e dos participantes, recepção e ambientação do acadêmico em campo, desenvolvimento e avaliação das atividades. Essas fases mostraram-se inter-relacionadas. Sobre a articulação da supervisão desenvolvida nos estágios e as práticas de continuidade do cuidado ao paciente tanto no âmbito hospitalar quanto na atenção primária a saúde, construiu-se estas três categorias: “Inserção do aluno na dinâmica dos serviços”, “Características da supervisão nos estágios” e “Oportunidades, desafios e aspectos que dificultam a atividade de supervisão voltada às práticas de continuidade de cuidado”. Considerações finais: Percebe-se a pluralidade de elementos referentes à supervisão e à continuidade de cuidado ao paciente nas falas dos participantes. Nota-se, no cenário estudado, que a discussão sobre os elementos da supervisão nos estágios vem se aprimorando, porém são necessárias mais discussões sobre como a supervisão desenvolvida nesta etapa de formação pode favorecer melhores práticas de continuidade de cuidado. Os resultados desta pesquisa apontam para a necessidade de discussões e implementação do processo de Supervisão no Estágio Curricular Supervisionado em relação à continuidade do cuidado dentro da dinâmica de trabalho nos estágios, numa perspectiva complexa e com elementos que favoreçam uma prática educativa, segundo Freire, entre os envolvidos. Implicações para a prática: Espera-se avançar na compreensão dessa temática, tornando viável a socialização do conhecimento envolvendo a supervisão em enfermagem durante a formação dos enfermeiros, bem como fornecer subsídios para o desenvolvimento da qualificação destes frente à continuidade dos cuidados.

Descritores: Sistema Único de Saúde; Educação em Enfermagem; Gerenciamento da Prática Profissional; Supervisão de Enfermagem; Continuidade da Assistência ao Paciente.

Linha de pesquisa: Gerenciamento dos Serviços de Saúde e de Enfermagem.

 

Lia Maristela da Silva Jacob

Título: EFEITO DE INTERVENÇÃO EDUCATIVA PARA PREVENÇÃO
DAS COMPLICAÇÕES DA SÍNDROME HIPERTENSIVA
GESTACIONAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

Data: 31/07/2019

Resumo: Objetivo: avaliar a eficácia de intervenção educativa que utiliza da cartilha “Síndrome Hipertensiva Gestacional - SHG” no conhecimento, na atitude e na prática de gestantes hipertensas. Método: estudo de delineamento experimental, realizado em Unidade de Atenção Terciária em Saúde, no município de Fortaleza – CE, Brasil. A intervenção foi caracterizada pela aplicação de estratégia educativa para prevenção das complicações da síndrome hipertensiva gestacional. Os efeitos da intervenção nas gestantes do Grupo de Intervenção (GI) foram comparados com os resultados obtidos pelas gestantes do Grupo Controle (GC). Foram convidadas a participar do estudo as gestantes que faziam acompanhamento de pré-natal de alto risco com diagnóstico de síndrome hipertensiva gestacional até 33 semanas de gestação. Foram incluídas no estudo 120 gestantes. Foi aplicado o método de aleatorização por blocos de tamanho aleatório para definir a distribuição das gestantes nos grupos de estudo. Para a intervenção, foi utilizada cartilha educativa intitulada “Síndrome Hipertensiva Gestacional- SHG” validada, abordando no conteúdo definição, fatores de risco, complicações e tratamento. O estudo seguiu as recomendações do Consolidated Standards of Reporting Trials (CONSORT). Foi elaborado e validado o instrumento inquérito CAP, que permitiu medir o desfecho primário deste estudo: análise do nível adequado e inadequado do conhecimento, da atitude e prática de gestantes sobre a síndrome hipertensiva gestacional. A intervenção educativa ocorreu com as gestantes do GI que participaram após a consulta pré-natal de alto risco (rotina), em único momento, com duração aproximada de 30 minutos. A coleta de dados foi realizada em três momentos e gestantes separadas em dois grupos contendo 60 participantes. Para comparações quantitativas, foi aplicado o teste t de Student ou Mann-Whitney. Para estudar associações qualitativas, o teste Qui-quadrado ou exato de Fisher. Resultados: foi identificada avaliação adequada do Conhecimento, da Atitude e Prática, no grupo intervenção, no sétimo e trigésimo dia pós-intervenção, apresentando p<0,05, com aumento de chance para o conhecimento adequado no sétimo dia (OR=6,63 – IC: 3,5 -12,55) e no trigésimo dia (OR= 6,25 – IC: 3,13 – 12,50). Neste grupo, a atitude foi adequada no sétimo dia (OR= 6,11 – IC: 3,28-11,39) e no trigésimo dia (OR= 6,44 – IC: 3,49- 11,89). Prática também adequada no sétimo dia (OR=3,73- IC: 2,21-6,28) e trigésimo dia (OR=4,91 – IC: 2,90-8,32). Conclusão: as gestantes que participaram da intervenção educativa apresentaram mais adequabilidade em relação ao conhecimento, à atitude e prática sobre a SHG, comparadas com as gestantes que participaram do grupo controle. Portanto, a prática desta intervenção, com uso de tecnologia educativa (cartilha educativa), em pré-natal de alto-risco, é viável no direcionamento e na adesão terapêutica de gestantes hipertensas, visando prevenir complicações em todo o ciclo gravídico puerperal.

Palavras-chaves: Conhecimentos, Atitudes e Práticas em Saúde; Hipertensão Induzida pela Gravidez; Estudos de Intervenção; Estudos de Validação; Epidemiologia; Enfermagem.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, criança e Adolescente

 

Eliete Boaventura Bargas Zeferino

Título: APLICAÇÃO DO LEAN HEALTHCARE NO CENTRO DE MATERIAIS E ESTERILIZAÇÃO

Data: 29/08/2019

Resumo: O Lean Healthcare é originário do Sistema Toyota de Produção (STP) e tem como base eliminar desperdícios para melhorar os fluxos dentro do sistema de saúde, visando à melhoria contínua. O Lean baseia-se em princípios que devem ser implantados de forma a sustentar-se. Neste modelo de gestão, a participação do funcionário é de fundamental importância, pois ele deve se sentir corresponsável pela contínua melhoria do processo produtivo do qual faz parte. A aproximação do gestor/líder ao gemba, isto é, “chão de fábrica”, é outro aspecto a ser considerado. A implantação de ferramentas e princípios do Lean no Centro de Materiais e Esterilização (CME) é para que tal modelo comece em pequena escala e, desta forma, possa ser um projeto piloto na instituição, uma vez que tal unidade tem interface com todo o hospital. Aliado a isto, é um dos setores que mais se assemelham a um setor de produção/manufatura dentro de um hospital, no mesmo sentido das origens do Lean. O objetivo deste estudo é aplicar um modelo de gestão com ferramentas que forneçam dados para avaliação dos processos de trabalho em um CME de um hospital universitário. Pesquisa de método misto, em que foram utilizadas as ferramentas SWOT, diagrama de Ishikawa, Mapa de Fluxo de Valor (MFV), A3, eventos kaizen, construção da missão, visão e valores. Para a implementação das ferramentas Lean, foi designada uma equipe condutora com consultores e houve treinamento da equipe do CME referente a algumas ferramentas utilizadas. Para a elaboração da missão, visão e valores, todos os profissionais que atuam no CME e que estavam dispostos a participar puderam contribuir. Na construção dos MFVs do estado atual e do estado futuro, participaram os profissionais que se dispuseram a participar e que atuavam no processo que estava sendo estudado. Em uma revisão de um processo de trabalho, foi eliminado 2h37 minutos/dia. Em revisão de outro processo de trabalho, foram eliminadas etapas que não eram condizentes à missão do CME. Dos oito desperdícios conceituados pelo Lean, pode-se dizer que foram eliminados pelo menos cinco: movimentação, estoque, transporte, espera e superprocessamento. Pode ser que também tenha ocorrido a eliminação do oitavo desperdício, o de talentos/criatividade. As ferramentas MFV, relatório A3, diagrama de Ishikawa juntamente com gemba e evento Kaizen demonstraram ser
adequados para a identificação de focos de um ou mais desperdícios conceituais do Lean. Aliado a estas ferramentas, os trabalhadores foram inseridos para pensar em melhorias nos processos de trabalho executados por eles. Os trabalhadores pareceram se sentir valorizados ao se sentir protagonistas do processo de mudança. As ferramentas Lean mostraram-se de fácil aplicabilidade e propiciaram a aproximação entre o gestor e a equipe de trabalho, fazendo com que o gestor vivenciasse o processo de trabalho por estar no gemba.

Palavras-chave: Desinfecção; Administração Hospitalar; Redução de Custos; Qualidade da Assistência à Saúde; Gestão da Qualidade.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

 

Suellen Cristina Dias Emidio

Título: VALIDAÇÃO DOS RESULTADOS DE ENFERMAGEM PROPOSTOS PELA
NURSING OUTCOMES CLASSIFICATION PARA O ESTABELECIMENTO DA
AMAMENTAÇÃO

Data: 04/09/2019

Resumo: Introdução: A avaliação do processo de amamentação ainda é um desafio para os enfermeiros devido a dificuldades relacionadas ao acompanhamento objetivo da sua evolução, bem como documentação, considerando aspectos relacionados tanto à mulher quanto ao bebê. Assim, o uso de Classificações de Enfermagem, como a Nursing Outcomes Classification (NOC), pode ser especialmente útil no contexto de avaliação e acompanhamento da amamentação em unidades de internação neonatais. Objetivo: Validar os Resultados de enfermagem “Estabelecimento da amamentação: lactente” e “Estabelecimento da amamentação: mãe”, propostos pela Nursing Outcomes Classification. Método: Pesquisa metodológica, desenvolvida em três estudos. Primeiro estudo: revisão dos indicadores e construção das definições conceituais (DC) e operacionais (DO) para os resultados “Estabelecimento da amamentação: lactente” e “Estabelecimento da amamentação: mãe”, por meio de revisão integrativa da literatura. Segundo estudo: validação do conteúdo dos resultados estudados, das DC e DO dos indicadores por oito especialistas. Terceiro estudo: validação clínica dos referidos resultados de enfermagem junto a mães e bebês, sob cuidados semi-intensivos. Vídeos dessas mães amamentando foram avaliados de forma independente por quatro enfermeiras: duas utilizaram os indicadores da NOC acompanhados pelas DC e DO validadas, enquanto as outras duas utilizaram os mesmos indicadores sem as definições. As enfermeiras avaliaram vídeos de cada binômio em três episódios de amamentação: no momento em que ocorreu a inclusão na pesquisa; 24 horas após a primeira avaliação e 48 horas depois. Alguns indicadores foram coletados por meio de entrevista e dados do prontuário. O tamanho amostral foi de 61 binômios em processo de estabelecimento da amamentação. Os dados foram analisados utilizando o software estatístico Statistical Package for Social Sciences (SPSS) 20.0. Na avaliação da concordância entre os quatro avaliadores, foi utilizado o coeficiente Kappa de Fleiss e na avaliação da concordância entre os pares de avaliadores para cada um dos indicadores foi calculada pelo coeficiente de Kappa Ponderado. Um modelo de Equações de Estimativas Generalizadas (GEE) foi usado para comparar pontuações médias entre as avaliações de quem usou ou não as definições. O nível de significância estatística utilizado foi de 5% (p≤0,05). Estudo
aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNICAMP sob Parecer n. 2.001.355. Resultados: Foram selecionados 43 artigos, cinco teses, três dissertações, três livros e dois manuais. A maioria dos indicadores propostos pela NOC apresentou suporte na literatura, embora alguns demandem ajustes para descrição mais objetiva dos aspectos avaliados. A concordância entre todos os avaliadores foi considerada excelente para quase todos os indicadores relacionados à mãe. Os avaliadores com as definições tiveram concordância maior que 0,80 para a maioria dos indicadores. Para os sem definições, a concordância foi menor que 0,40. Os indicadores maternos, avaliados por meio das respostas das mães às entrevistas, apresentaram escores médios semelhantes. Em algumas avaliações houve diferenças quanto aos escores entre os pares de enfermeiros com e sem definição. Em relação à avaliação dos indicadores ao longo do tempo, os indicadores relacionados à mãe apresentaram maior risco de pontuar 4 e 5 na escala Likert. Conclusão: Este estudo propiciou refinamento do conteúdo dos resultados de Enfermagem estudados, que, na validação clínica, mostraram-se sensíveis para identificar mudanças no estabelecimento da amamentação.

Palavras-Chave: Aleitamento Materno; Estudos de Validação; Processo de Enfermagem; Classificação.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem

 

Vanessa Cristina Dias Bobbo

Título: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DA INTERLEUCINA-6 INDUZIR NEUROGÊNESE NO HIPOTÁLAMO

Data: 27/09/2019

Resumo: O restabelecimento de populações neuronais hipotalâmicas por meio da neurogênese tornou-se perspectiva de controle da obesidade através da mobilização de células progenitoras neurais (NPCs ou neural progenitor cells) hipotalâmicas. Evidências indicam que algumas citocinas podem regular a diferenciação de NPCs em neurônios. A interleucina 6 (IL-6) possui diversas funções no sistema nervoso central, relacionadas à redução da apoptose, diferenciação neuronal e neuroproteção. No entanto, não existem evidências da influência da IL-6 na proliferação e diferenciação de NPCs  hipotalâmicas. O objetivo do trabalho é determinar se a IL-6 é capaz de atuar em etapas do processo de neurogênese hipotalâmica (proliferação e/ou diferenciação celular). Utilizou-se modelos murinos (Camundongos Swiss albinus, camundongos knockout para IL-6  (KOil6-/-), e camundongos C57BL6/J) que foram expostos a dieta hiperlipídica, a injeções de palmitato, e a injeções de IL-6 em diferentes tempos. Além disso, utilizou-se culturas celulares (linhagens e culturas primárias) que foram expostas a IL-6 em diferentes tempos e concentrações. Os tecidos e células foram analisados por reação em cadeia da polimerase em tempo real (qPCR) e imunofluorescência. Primeiramente, camundongos Swiss que ingeriram menor quantidade de dieta hiperlipídica num intervalo de 24 horas apresentaram maior expressão hipotalâmica de Il-6 e Sox6 (fator de transcrição neurogênico). Após uma semana de dieta hiperlipídica, camundongos tratados com IL-6 intraperitoneal apresentaram menor ingestão e ganho de peso. Para camundongos desafiados com injeção central de ácido graxo, observou-se aumento na expressão hipotalâmica de Il6, seguido de aumento de fatores de transcrição Sox2 (relacionado a proliferação), Sox6 e Ascl1 (expressos em progenitores neuronais). Quando tratados com IL-6 intraperitoneal, camundongos Swiss em dieta padrão apresentaram aumento hipotalâmico de Il6, Sox2 e Sox6, além de aumento da proliferação celular em núcleo arqueado. Em contexto de ausência de IL-6, camundongos KOil6-/- adultos apresentaram maior peso, e reduzida expressão do neuropeptídeo anorexigênico proopiomelanocortina (Pomc) no hipotálamo. Além disso, camundongos KOil6-/- com sete dias de vida apresentaram maior expressão gênica de Gfap, marcador de astrócitos. Em cultura, células de KOil6-/- neonatos apresentaram elevada capacidade proliferativa, além de expressão anômala de Pomc e do neuropeptídeo orexigênico Npy durante a diferenciação. Quando tratadas com IL-6, NPCs hipotalâmicas de KOil6-/- apresentaram modulação de genes relacionados à proliferação, e aumento da expressão de doublecortina (Dcx) e NeuroD1. Além disso, houve redução da expressão de Pomc e Npy em NPCs tratadas com IL-6 durante a diferenciação. Nossos resultados sugerem que a IL-6 está relacionada ao controle do ganho de peso e a expressão de fatores relacionados à neurogênese no hipotálamo. A ausência da IL-6 está relacionada a diferenças na expressão gênica de neuropeptídeos e de genes expressos em astrócitos e em células quiescentes hipotalâmicas ao longo do desenvolvimento. Portanto, nossos dados sugerem que a IL-6 induz a diferenciação neuronal ao modular o nicho neurogênico hipotalâmico.

Palavras-chaves: Obesidade; Neurogênese; Interleucina-6; Hipotálamo.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem no Adulto e Idoso.

 

Glicinia Elaine Rosilho Pedroso

Título: VISITA DE IRMÃOS EM TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA: EXPERIÊNCIA REVELADA POR MEIO DO BRINQUEDO TERAPÊUTICO

Data: 22/10/2019

Resumo: A doença e a hospitalização em terapia intensiva são situações perturbadoras e estressantes, tanto à criança como à família, pois impõem mudanças e exigem adaptações. Além da presença dos pais junto à criança, direito garantido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a possibilidade de visita daqueles que lhe são significativos pode contribuir para o enfrentamento dessa condição. Contudo, há muitas controvérsias relacionadas às políticas de visita nessas unidades, as quais são, frequentemente, restritivas, sobretudo no que se refere à entrada de crianças, sendo tal restrição fundamentada em crenças lendárias ou desconhecimento. O irmão de uma criança gravemente enferma é parte da família e, como tal, vivencia essa experiência. Portanto, aproximá-lo da criança hospitalizada pode ser benéfico, tanto a ela quanto ao irmão. O brinquedo terapêutico é uma tecnologia de cuidado por meio da qual é possível preparar a criança para a visita e compreender sentimentos e reações que podem emergir dessa situação. O objetivo deste estudo foi comprender, por meio do brinquedo terapêutico Dramático, o significado, para o irmão, de visitar a criança hospitalizada na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na modalidade fenomenológica, cujo fenômeno foi analisado à luz da teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Participaram 11 irmãos, com idade entre 3 e 10 anos, de nove crianças hospitalizadas na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica de um hospital de grande porte, no interior do estado de São Paulo. Os irmãos foram preparados para a visita por meio do brinquedo terapêutico Instrucional; em seguida, acompanhados até o leito da criança hospitalizada. Após a visita, a sessão de brinquedo terapêutico Dramático deu-se a partir do convite para brincar de um irmão que visitou uma criança na unidade de terapia intensiva pediátrica. As sessões de brinquedo terapêutico foram gravadas em áudio digital e aspectos significativos, anotados em diário de campo. Ao compreender o significado da visita, emergiram três categorias: “Buscando a confiança pelo setting”, “Tendo um lugar para brincar” e “Vivendo criativamente: brincar é fazer”. O setting suficientemente bom do brinquedo terapêutico foi capaz de respeitar os modos de brincar dos irmãos, o que favoreceu a expressão do potencial criativo durante a brincadeira. A capacidade de brincar do irmão revelou o sentimento de continuar a ser daquele que é “si-mesmo”, integrado, apesar da situação vivida. Foi possível apreender a dimensão do brincar enquanto aspecto signicativo ao desenvolvimento emocional da criança. O brinquedo terapêutico, tecnologia de cuidado, mediou a comunicação do pesquisador com os irmãos, permitindo a compreensão das situações adversas, além de possibilitar conceber as novas experiências como fatos reais e não como situações subjetivas, que possam perturbar ou ameaçar a continuidade de ser. A visita de irmãos de crianças hospitalizadas é uma prática que deve ser incentivada como cuidado à família. Contudo, recomenda-se que esses irmãos sejam preparados para esta vivência por meio do brinquedo terapêutico Instrucional. Ainda, que eles possam ter a oportunidade de brincar após a visita, afim de favorecer a elaboração da experiência vivida. Diante disso, é preciso que os enfermeiros reflitam e discutam sobre sua prática, desafiem as premissas, crenças e atitudes; aprofundem-se em ciências que possam subsidiar o fazer da enfermagem em todas as suas dimensões.

Palavras-chaves: Jogos e Brinquedos; Irmãos; Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica; Visitas a Pacientes; Criança Hospitalizada; Enfermagem Pediátrica.

Linha de Pesquisa: Processo de cuidar em Saúde e Enfermagem da Mulher, Criança e Adolescente.

 

Juliana Neves da Costa

Título: ANÁLISE DE CONTEÚDO DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM RELACIONADOS A INCONTINÊNCIA URINÁRIA

Data: 08/11/2019

Resumo: Introdução: A utilização de um sistema de linguagem padronizada favorece o entendimento entre os diferentes membros da equipe envolvidos no cuidado ao indivíduo com incontinência urinária, facilita a comparação de dados utilizados em pesquisas e o ensino. Na enfermagem, a taxonomia da NANDA-I tem por objetivo padronizar a linguagem utilizada pelos enfermeiros e a inferência diagnóstica. Entretanto, apesar do crescente número de publicações na área de validação diagnóstica, alguns dos diagnósticos de incontinência urinária contidos nessa taxonomia estão desatualizados, com termos pouco claros que dificultam a inferência e a diferenciação entre os diagnósticos dessa classe. Objetivos: Revisar a estrutura conceitual e teórica dos diagnósticos de enfermagem relacionados à incontinência urinária da NANDA-I, versão 2018-2020; estabelecer os limites conceituais entre os diagnósticos de enfermagem que apresentem similaridades entre seus componentes e identificar a estrutura de novos diagnósticos não incluídos nessa taxonomia. Método: Estudo metodológico, desenvolvido em três etapas: (1) mapeamento cruzado dos diagnósticos de enfermagem de incontinência urinária propostos pela NANDA-I (2018-2020) e a terminologia da Sociedade Internacional de Continência (International Continence Society - ICS); (2) análise simultânea de conceitos dos diagnósticos de enfermagem de incontinência urinária da taxonomia da NANDA-I e (3) análise de conteúdo diagnóstico por 51 juízes com expertise na área. O Índice de Validade de Conteúdo (IVC) foi calculado para cada um dos elementos que compõem os diagnósticos analisados e aqueles que não alcançaram o valor previamente estabelecido de 0,85 foram excluídos. Resultados: O mapeamento cruzado entre os diagnósticos de enfermagem da NANDA-I e os sinais, sintomas e observações urodinâmicas descritos nos documentos publicados pela ICS facilitou a identificação dos termos que deveriam ser revisados. Durante a análise simultânea de conceitos foram analisados cinco diagnósticos de enfermagem contidos na versão atual da NANDA-I. Dois novos diagnósticos foram identificados - Incontinência Urinária Mista e Incontinência Urinária Transitória. Por outro lado, o diagnóstico Incontinência Urinária por Transbordamento não tem sustentação na literatura, para ser mantido na taxonomia da NANDA-I. Durante o processo de análise de conteúdo foram avaliados 150 elementos desses diagnósticos quanto à relevância e representatividade, incluindo rótulo, definição, características definidoras, fatores relacionados, condições associadas e populações em risco. Dos 150 elementos avaliados, foram excluídos 41 por apresentarem IVC menor que 0,85 e acrescentados 17 por sugestão dos juízes e nova consulta na literatura. Os diagnósticos de Incontinência Urinária Reflexa e Funcional tiveram seus títulos modificados para Incontinência Urinária por Hiperatividade Detrusora Neurogênica e Incontinência Urinária Associada a Disabilidade, os diagnósticos de Incontinência Urinária por Esforço e por Urgência não tiveram alteração no título. Conclusão: A análise dos diagnósticos de enfermagem relacionados à incontinência urinária permitiu a sugestão da incorporação de dois novos diagnósticos de enfermagem, modificação do título de outros dois e exclusão de um diagnóstico da taxonomia da NANDA-I. Com isso, espera-se que, além de facilitar a identificação desse fenômeno pelos enfermeiros, a taxonomia da NANDA-I possa ter maior correspondência com a terminologia da ICS, permitindo que possa ser compreendida pelos diferentes membros da equipe multiprofissional envolvidos na assistência às pessoas com incontinência urinária.

Palavras-chaves: Diagnósticos de Enfermagem; Estudos de Validação; Incontinência Urinária.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

 

Margarete Consorti Bellan

Título: APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE DUAS ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DA MEDIDA DE PRESSÃO ARTERIAL PELO MÉTODO AUSCULTATÓRIO

Data: 26/11/2019

Resumo: A pressão arterial pode ser definida como a pressão que o sangue exerce sobre a parede das artérias ao ser impulsionado pela contração do coração. Devido à importância da medida da pressão arterial para o diagnóstico e tratamento da hipertensão arterial sistêmica, salienta-se a relevância do aprendizado dessa técnica. Atualmente, ensinar os alunos de enfermagem é desafiador, pelo que deve-se lançar mão de estratégias que combinem métodos tradicionais e inovadores de ensino. O objetivo geral desta pesquisa foi avaliar, junto a alunos de um curso técnico de Enfermagem, os resultados da aplicação de duas estratégias para o ensino da medida de pressão arterial. O método de pesquisa escolhido foi de abordagem mista, que utiliza as estratégias quantitativa e qualitativa para responder às questões da pesquisa, testar hipóteses e/ou compreender significados e experiências individuais, implementadas concomitantemente ou sequencialmente. Foi desenvolvida em uma escola pública de Nível Técnico da cidade de Campinas. A população foi composta por alunos de duas modalidades de ensino do Curso Técnico de Enfermagem e divididos dois grupos, intervenção (I) e controle (C), coincidentes com a turma que frequentavam. Além da aula convencional, para o grupo intervenção foi aplicado um jogo educativo sobre a medida da pressão arterial. Ao final do processo também foi realizada a entrevista semiestruturada seguindo o critério da exaustão. Os resultados demonstraram que os participantes do grupo intervenção obtiveram notas superiores ao controle em todas as etapas da pesquisa, mas sem atingir significância estatística. O grupo controle apresentou notas homogêneas ao longo do tempo. Os sentimentos de satisfação em relação ao seu aprendizado sobre a medida da pressão arterial foram melhores nas primeiras etapas e os conceitos auto atribuídos sobre a percepção do conhecimento teórico desse assunto evidenciou que o tempo parece ter interferido mais para o grupo controle do que para o grupo intervenção. Em consonância, as falas dos participantes refletiram também o sentimento de satisfação, a capacidade de percepção do seu aprendizado e a potência do jogo enquanto recurso didático. Conclui-se que apesar do jogo poder ter interferido de forma significativa no processo educativo, as diversas metodologias utilizadas de forma sequencial e repetidamente contribuíram também para o processo ensino aprendizagem e retenção do conhecimento.

Palavras-chaves: Determinação da pressão arterial; Jogos e brinquedos; Educação em enfermagem.

Linha de Pesquisa: Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem.

 

Micneias T. de Souza Lacerda Botelho

Título: VALIDAÇÃO CLÍNICA DO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM VOLUME DE LÍQUIDO EXCESSIVO (00026) EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS

Data: 10/12/2019

Resumo: Introdução: A Sociedade Brasileira de Nefrologia alerta para o crescimento do número de pessoas com Doença Renal Crônica. Atualmente, 126.583 pacientes realizam terapia renal substitutiva no Brasil e por se tratar de um problema que acomete a função renal, quase todos os sistemas são afetados pela uremia, abarcando diversas complicações. Dentre elas, descrito pela NANDA International, está o Diagnóstico de Enfermagem Volume de Líquido Excessivo (00026), frequentemente atribuído a estes pacientes. Embora os conceitos propostos emerjam de estudos, não são definitivos e estudos de validação permitem seu refinamento. Objetivo: Validar o diagnóstico Volume de Líquido Excessivo (00026) em pacientes com Doença Renal Crônica em hemodiálise. Método: A primeira fase,  análise de conteúdo, realizada por 49 especialistas, ocorreu após a revisão integrativa que subsidiou a elaboração da definição conceitual e operacional dos componentes do diagnóstico. Os especialistas atingiram pontuação igual ou maior a cinco, considerando os critérios de Fehring; 30 indicadores foram avaliados quanto à relação com o paciente com Doença Renal Crônica, relevância, clareza e precisão, utilizou-se uma escala tipo Likert que posteriormente foi recodificada. Analisou-se o perfil por meio da estatística descritiva, o teste binomial analisou a concordância entre os especialistas e o Exato de Fisher estabeleceu associações significantes entre os itens avaliados e variáveis dos especialistas. A segunda fase, validação clínica, configurou estudo transversal, com 127 pacientes. Os dados foram coletados por enfermeiros capacitados, por meio de entrevista e avaliação física, utilizando instrumento contendo variáveis sociodemográficas, fatores relacionados, condição associada e
características definidoras do diagnóstico e o questionário The End-Stage Renal Disease Adherence Questionnaire. Os dados de caracterização foram analisados por meio de estatística descritiva e foram calculadas as medidas de acurácia: sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo. Além
disso, o teste do Qui-quadrado foi utilizado para gerar as árvores de classificação e estabelecer associações significantes entre os itens do questionário e a presença do diagnóstico. Resultado: Participaram 53 especialistas, a maioria com titulação de mestre ou doutor e tempo de formação médio de 15,3 anos. Os elementos “Alteração na pressão arterial pulmonar”, “Hepatomegalia” e “Inquietação” não foram validados. Na validação clínica, participaram 127 pacientes com idade média de 55,7 anos, maioria do sexo masculino. Desses, 79,5% apresentaram o diagnóstico e os elementos mais prevalentes foram “Mecanismo regulador comprometido” e “Azotemia”. Apresentaram valores altos de sensibilidade “Mecanismo regulador comprometido”, “Azotemia”, “Hematócrito diminuído” e “Hemoglobina diminuída”, enquanto, “Dispneia noturna paroxística”, “Ruídos respiratórios adventícios”, “Ortopneia”, “Congestão pulmonar”, “Dispneia”, “Ansiedade”, “Inquietação”, “Hepatomegalia” e “Derrame pleural” apresentaram valores elevados de especificidade. As árvores geradas incluíram os elementos “Ingesta excessiva de sódio” e “Ingestão maior que a eliminação” considerados significantes para ocorrência do desfecho. Com relação ao perfil clínico, as dificuldades em “restringir a ingestão de líquidos” e “seguir a dieta recomendada” apresentaram associação com a presença do fenômeno. Conclusão: O diagnóstico foi validado com sucesso e os resultados encontrados poderão auxiliar o enfermeiro na avaliação dos elementos que compõem o Volume de Líquido Excessivo (00026), conferindo uma proposição diagnóstica acurada e melhoria da qualidade da assistência prestada.

Palavras-chaves: Enfermagem; Diagnóstico de Enfermagem; Estudos de Validação; Insuficiência Renal Crônica; Diálise Renal; Classificação.

Linha de Pesquisa: Tecnologia e Inovação no Cuidado de Enfermagem e Saúde

Compartilhe

Copyright © 2017 Informática - Faculdade de Enfermagem