FEnf Unicamp em tempos de COVID-19

field_paragraph_noticias

Profa. Dra. Débora de Souza Santos

Profa. Dra. Maria Filomena de Gouveia Vilela

Profa. Dra. Eliete Maria Silva

Profa. Dra. Dalvani Marques

(Área de Saúde Coletiva da FEnf/Unicamp)

 

No dia 12 de março de 2020, a Reitoria da Universidade Estadual de Campinas tomou a decisão de suspensão temporária  (13 de março a 12 de abril) de suas atividades acadêmicas, diante da declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) da pandemia de Covid-19 causada pelo novo Coronavirus (2019-nCoV), anunciada em 11 de março de 2020 e retificada (com prorrogação) no dia de hoje (16).

A decisão dividiu a opinião pública e de especialistas da saúde pública, ao que o Reitor e sua equipe responderam em coletiva à imprensa no dia 13 de março, mantendo firme sua posição e esclarecendo, nas palavras do reitor Prof. Marcelo Knobel, "Sabemos que é uma decisão drástica, mas baseamos nossa opção em indicadores científicos e preferimos pecar pelo excesso de zelo do que pela omissão".

Diante do cenário inédito e que muda velozmente, minuto a minuto, decidimos elaborar este texto para sintetizar informações e canalizar fontes confiáveis de dados em saúde para a comunidade de estudantes, funcionários e docentes da FEnf, que podem estar confusos com a profusão de notícias sobre o assunto.

Para facilitar nossa comunicação, organizamos a “conversa” em perguntas e respostas diretas. Links importantes estão disponíveis ao longo do texto, para acesso rápido a fontes confiáveis de informação epidemiológica e científica.

  • A Unicamp é um centro importante de aglomeração de pessoas procedentes de Campinas, região, do país e de várias partes do mundo. Nesse sentido suspender aulas e reduzir drasticamente a circulação de pessoas nos vários campi neste momento de expansão da epidemia no país é uma decisão institucional responsável de prevenção e alerta;
  • Força suas comunidades a refletir sobre o assunto, buscar informações confiáveis e pensar estratégias coletivas de contingenciamento que são decisivas para salvar vidas. Nenhum impacto econômico pode ser mais importante do que o esforço de reduzir o número de infectados e possíveis óbitos;
  • Considerando a forma de transmissão da doença, pelo contato direto com partículas de saliva e objetos contaminados, acreditamos que essa medida restritiva configura uma importante estratégia de prevenção em Saúde Pública, pois busca reduzir a onda de disseminação da epidemia em Campinas e região;
  • A decisão de universidades de suspender aulas, grandes eventos e atividades acadêmicas está sendo tomada em várias instituições de ensino do Brasil e do mundo como forma de retardar o pico da epidemia, pois existe o risco real do colapso do sistema de saúde, que não está preparado para tantas internações em um espaço curto de tempo.
  • Alguns governos dos estados e o Ministério já recomendaram esta medida, incluindo as escolas de ensino fundamental e médio, como uma das estratégias de redução da velocidade de propagação da epidemia; 
  • Embora a letalidade da doença não seja muito alta é preciso considerar que o novo coronavírus é mais um agente infeccioso, que somado aos outros existentes no Brasil, como sarampo, dengue, influenza, além das doenças crônicas não transmissíveis, e considerando a rapidez da sua disseminação, pode colocar nosso sistema de saúde em cheque. Para mais informações leia aqui.
  • O desafio é conter a velocidade de disseminação do vírus, “achatando” a curva da epidemia, o que significa prolongar o tempo de propagação da doença e retardar seu pico, pois assim não teremos uma explosão abrupta de casos e ganhamos tempo para que o sistema se organize para atender os casos graves, consequentemente salvando vidas.

Gráfico elaborado pelo cientista Drew Harris e adaptado pelo biólogo Carl Bergstrom mostra como medidas de prevenção podem retardar o contágio da Covid-19 e evitar o colapso do sistema de saúde — Foto: Carl Bergstrom e Esther Kim/CC BY 2.0 (https://g1.globo.com/mundo/blog/helio-gurovitz/post/2020/03/12/um-grafico-explica-a-pandemia.ghtml)

 

  • Com a expansão da pandemia, quem mais vai sentir suas consequências são os grupos mais pobres e vulneráveis. Portanto, a Unicamp está fazendo seu papel social de instituição científica de excelência que toma decisões em prol da saúde pública de sua comunidade interna e circunscrita.
  • A difusão da ideia de que é “só mais uma gripe” é perigosa, pois pode passar a mensagem errônea de que os cuidados não são importantes. Enquanto Faculdade de Enfermagem, responsável pela formação de enfermeiras e enfermeiros que estão na linha de frente no enfrentamento da epidemia, precisamos tomar atitudes responsáveis de cuidado e orientação.

Desde janeiro de 2020 até 14 de março foram confirmados no mundo 142.539 casos  da doença, sendo 56% da China e os demais em quase todos os territórios e países do mundo, sendo mais de 40.000 no continente europeu, considerado pela Organização Mundial da Saúde, o atual epicentro da epidemia. Até esta data foram confirmados mais de 5 mil mortos em todo o mundo.

Portanto, a taxa de letalidade da doença (número de óbitos/número de casos confirmados) é de 3,78%, com variações entre os países e para as diferentes faixas etárias. Na Itália, por exemplo, a taxa é de 7,18%, chegando a 15% em idosos acima de 80 anos. A letalidade mais alta está diretamente relacionada à capacidade dos países em dar respostas rápidas de contenção e mitigação antes que a epidemia cresça de forma descontrolada, o que evidencia a importância de medidas restritivas, de vigilância e de prevenção da doença o mais precoce possível.

No Brasil, até o momento (15 de março de 2020) foram registrados 3594 casos suspeitos, sendo 191 confirmados, 1486 descartados e 1917 seguem em investigação, sendo 0 (zero) óbitos. O estado com maior número de casos é São Paulo, com 65 casos confirmados e 765 em investigação (dados de 14 de março). Do total de casos confirmados no país 02 se referem a transmissão comunitária, um deles de Campinas, ou seja, pessoas que contraíram a doença no Brasil e não são comunicantes de casos importados de outros países ou de seus contatos, que porventura tenham adoecido.  Campinas confirmou, até o momento, 01 caso e 35 continuam em investigação (dados de 14 de março). O gráfico abaixo ilustra o crescimento dos casos na saúde de São Paulo e evidencia uma tendência de crescimento muito rápido, que é justo o que queremos evitar:

 

Casos confirmados de Covid-19 residentes no município de São Paulo. 2020

Fonte: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo - SES.

Elaborado por: Brigina Kemp, epidemiologista, assessora do Conselho de Secretários de Saúde

de São Paulo - COSEMS SP e membro do Comitê de Operações Emergenciais Covid-19 (COE) do

Estado de São Paulo. Ex professora Dra. temporária da FEnf.

 

Precisamos estimular fortemente que as pessoas que apresentem sintomas leves não procurem de imediato o serviço de saúde (CS, UPA ou hospital) e façam o isolamento domiciliar até regressão dos sintomas. Só procurar o serviço de saúde os que sentirem febre, associada a falta de ar ou desconforto respiratório. Inicialmente procurar o Unidade Básica de Saúde ou a UPA, que fará avaliação do quadro. Em torno de 15 a 20% dos pacientes precisarão de assistência hospitalar e destes em torno de 5% necessitarão de leitos de UTI/respiradores, a maioria idosos ou portadores de doenças crônicas e que apresentarem Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Na medida em que a transmissão comunitária começa a ocorrer não serão colhidos exames confirmatórios de todos os casos, provavelmente só para aqueles que necessariamente forem suspeitos e que precisarem de cuidados de saúde em alguma unidade de saúde (CS, UPA ou hospital). Esses fluxos ainda estão sendo desenhados na cidade de Campinas e é importantes que os estudantes e profissionais de saúde se informem constantemente.

Para acompanhamento em tempo real da propagação da doença no Brasil e no mundo, acesse aqui.

Para conferir manejo clínico adotado pelo Ministério da Saúde, acesse aqui.

Para informações epidemiológicas da COVID-19 no Brasil, acesse o Boletim Epidemiológico 5 da Secretaria de Vigilância da Saúde do Ministério da Saúde.

A Enfermagem, como uma das equipes fundamentais no enfrentamento à Pandemia em todos os cenários, se soma à tarefa global de conter o pânico, com o acesso qualificado às informações disponíveis e com o cuidado de qualidade para a prevenção da doença e recuperação das pessoas acometidas pela COVID-19.

A saúde coletiva brasileira é composta por sanitaristas, vários trabalhadores e uma massa crítica de enfermeiras e enfermeiros que sustentam o Sistema Único de Saúde nos 5598 municípios, junto com a equipe de enfermagem e os agentes comunitários de saúde.

Neste cenário, as atribuições educativa e investigativa da Enfermagem, para além da assistência direta ao indivíduo doente, são fundamentais para contenção da epidemia, pois dispõe dos recursos técnicos e científicos de comunicação e educação em saúde que afetam a percepção da comunidade sobre o problema e promovem mudança de comportamento.

Para maiores informações sobre o papel da Enfermagem frente a doença, acesse as páginas oficiais da ABEn Nacional, COFEn, COREn-SP  e Conselho Internacional de Enfermeiros.

Como divulgado anteriormente, a Faculdade de Enfermagem apresentou seu plano de contingenciamento, conforme deliberado, acatando a orientação de suspensão de todas as aulas teóricas e práticas, estágios e reuniões científicas de graduação e pós-graduação. Embora pareça uma decisão extrema e antecipada para alguns, quando consideramos a forma de transmissão da doença (pelo contato direto com partículas de saliva e objetos contaminados) e combinamos com o perfil de uma universidade como a nossa, com aglomeração e circulação diárias de mais de 80 mil pessoas de todas as faixas etárias, com um complexo hospitalar no coração do campus, entendemos que interromper suas atividades significa segurar a onda da epidemia em Campinas e região, o que configura uma grande estratégia de prevenção em Saúde Pública.

Como profissionais e estudantes da saúde, temos a responsabilidade de, além de nos cuidar, esclarecer e compartilhar o cuidado de modo a manter o máximo de saúde e vida com qualidade para todos!

Com este objetivo, algumas medidas protetivas neste momento são muito importantes de serem divulgadas nas nossas redes familiares e sociais, das quais destacamos:

 

#fiquemcasa ? - controlar a velocidade da propagação do vírus é a principal ferramenta para conter a epidemia e não estrangular a capacidade do sistema de saúde. Evitar aglomerações, reuniões, frequência a shoppings, baladas, festas, eventos esportivos e técnico-científicos. A recomendação é para todos e principalmente para idosos e portadores de doenças crônicas.

#laveasmaos ? - a lavagem frequente e completa das mãos com água e sabão é a forma mais eficiente de eliminar o vírus. Álcool em gel a 70% pode ajudar mais nas situações em que você estiver fora de casa.

#sembeijoeabraco ?- parece esquisito, mas neste momento crítico, educado é manter distância social e evitar contato físico.

#etiquetarespiratoria - se manifestar algum sintoma respiratório, fique em casa e intensifique os cuidados. Proteger a boca e o nariz com um lenço de papel ou com o braço ao tossir ou espirrar.

#turbineimunidade - cuide da alimentação caprichando nos alimentos que reforçam o sistema imunológico.

#mascaraagoranao ? - os especialistas recomendam uso de máscara apenas nos casos suspeitos e confirmados de infecção. Lembre-se que este item é fundamental para os profissionais de saúde que estarão na linha de frente cuidando dos doentes

#secuidemcasa ? - não é recomendado procurar o serviço de saúde a qualquer sinal de gripe ou mal estar, pois pode se expor desnecessariamente e ainda sobrecarregar o sistema. Procurar serviço de saúde somente com sinal de complicação, como falta de ar ou dor ao respirar.

#chequeainformação - confira a procedência de informações circuladas na redes sociais antes de divulgar. Circule informações de qualidade e se disponha a esclarecer dúvidas e orientar sua comunidade.

Lembrando que estamos em uma batalha contra o vírus e que somos agentes fundamentais neste enfrentamento!

 

Campinas, 16 de março de 2020

1

Compartilhe

No dia 20 de maio de 2020, durante a programação de encerramento do 81ª Semana Brasileira de Enfermagem, aconteceu o lançamento do e-book “ENFERMAGEM GERONTOLÓGICA NO CUIDADO AO IDOSO EM TEMPOS DA COVID-19”, elaborado por membros do Departamento Científico de Enfermagem Gerontológica da Associação Brasileira de Enfermagem. Esse trabalho emergiu a…

   No último dia 12 de maio de 2020, Dia Internacional da Enfermagem, foi realizada uma Live no Facebook da Profa. Dra. Kátia Stancato com o tema "Enfermagem no terceiro milênio".    Além da Profa. Kátia, a live contou com a participação da Profa. Dra. Maria Helena Baena de Moraes Lopes (FEnf-Unicamp), Prof. Dr. Mauro…

O sonho de ser enfermeiro nasce ao lidar frente a frente com o amor, o cuidado e com a esperança. Ser enfermeiro é olhar para o outro antes de si mesmo. É correr perigos pelo bem-estar do próximo. É chorar. Chorar de cansaço físico e mental nos cantos do hospital. É brigar. Brigar e lutar por conquistas no cenário atual. Mas também é sorrir.…

Projeto Escuta Solidária  Frente à pandemia do coronavírus (COVID-19), o distanciamento social repercute na saúde emocional, em especial, na população idosa por ser o grupo de risco e/ou apresentar problemas de solidão e isolamento social inerentes à velhice.